Exóticos

As pedras amaldiçoadas de Ko Hingham

As pedras amaldiçoadas de Ko Hingham

Ko Hingham na Tailândia é uma pequena ilha desabitada que passa desapercebido pela maioria dos turistas que visitam o país todos os anos. Mas aqueles que por qualquer motivo ficam curiosos e decidem visitá-la, acabam se encantando com suas praias cobertas de pedras pedras e redondas. Alguns poucos desavisados acabam enchendo os bolsos, levando-as como recordação.

Porém a pequena ilha carrega uma maldição que, segundo a mitologia tailandesa, Tarutao, um Deus local adornou a ilha com pedras preciosas e qualquer visitante que se atrevesse a tirar uma delas, por menor que seja da ilha, seria amaldiçoado para sempre. Todos os anos, o escritório do Parque Nacional que administra a preservação da ilha recebe dúzias de pedras devolvidas por correio, enviadas de volta por pessoas que as levaram como recordação e depois disso, sentiram que suas vidas não estava normal, e que a ira de Tarutao de alguma forma estava influenciando suas vidas.

Mesmo que as pessoas não possam levar as pedras para casa, acabam brincando com elas dentro dos limites da ilha. O povo tailandês, por exemplo costumar construir pequenos cheddis improvisados, que seriam uma representação de uma stupa budista, com a colocação de uma pedra menor se equilibrando sobre uma maior, até formar uma pequena torre e rezam de joelhos diante disso. Os menos espiritualizados escrevem mensagens curtas nas pedras com canetas de cor branca que sutilmente são vendidas pelos nativos e donos dos barcos, e as deixam na praia como uma lembrança de suas passagens pela ilha.

Fontes: 1 2 3

“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar”. – Fernando Birri

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 189 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Exóticos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Exóticos

Tianducheng: A falsa Paris na China

Magnus Mundi10 de Fevereiro de 2018

Glass Window Bridge, a ponte do contraste das águas

Magnus Mundi9 de Fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de Fevereiro de 2018

Coconut Palace, o Palácio de Coco em Manila

Magnus Mundi5 de Fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de Janeiro de 2018

Dragon Escalator, a escada rolante do dragão na China

Magnus Mundi13 de Janeiro de 2018

The Black House, o templo da morte na Tailândia

Magnus Mundi28 de novembro de 2017

A sagrada fumaça! A igreja da cannabis

Magnus Mundi22 de novembro de 2017

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017