Cavernas

Actun Tunichil Muknal, a caverna da donzela de cristal

Actun Tunichil Muknal, a caverna da donzela de cristal

Os maias acreditavam que as cavernas, especialmente aquelas que se estendem por vários quilômetros, são entradas para o submundo ou Xibalba, o “lugar do medo”, onde os deuses do mal viviam. Eles temiam o submundo e sentiam a necessidade de apaziguar os terríveis deuses que viviam nessas cavernas através de rituais de sacrifícios, e a forma mais elevada dos rituais, seria o sacrifício humano, especialmente de mulheres e crianças.

No centro de Belize, na América Central, perto de San Ignacio na Reserva Natural de Tapir Mountain, no final de 1980 foi descoberta uma caverna que nenhum nativo local ousava entrar, justamente por ser local de sacrifício humano no passado. A caverna ganhou o nome de “Cave of Crystal Sepulcre” ou Actun Tunichil Muknal, no dialeto maya falado na região, mas a caverna ficou mais conhecida pelas iniciais ATM.

A entrada da caverna tem a forma de uma ampulheta e a entrada é inundada. Depois de caminhar 300 metros por um rio, passando por lugares estreitos por entre as rochas e formações de espeleotemas, uma passagem leva a uma parte mais alta da caverna, longe do rio. Ali a passagem se abre num imenso salão, intensamente decorado, com formações moldando as paredes, que pareciam imagens de animais e figuras humanas. Pelo chão, centenas de resquícios arqueológicos, como potes de cerâmica, ossos e restos de catorze esqueletos humanos, incluindo o restos calcificados do que é chamado de Cristal Maiden, ou Donzela de Cristal.

O esqueleto que ficou conhecido como Donzela de Cristal é o restos de uma mulher com vinte e poucos anos de idade que foi sacrificada por um sacerdote maia como parte de um ritual religioso a mais de 1.000 anos atrás. Ela está deitada de costas, com a boca aberta e todo seu esqueleto coberto com uma reluzente camada de calcita, criado por deposição de minerais. Desse esqueleto que a caverna recebeu seu nome, Actun Tunichil Muknal que significa “A Caverna do Sepulcro de Cristal.

Os outros esqueletos estavam escondidos em cantos e fendas ou espalhados pelo salão subterrâneo, e variavam de crianças de um ano de idade a adultos de trinta ou quarenta anos. Por toda a parte, há vasos de cerâmica, instrumentos musicais, joias, pequenas esculturas e espinhas de arraia, que eram utilizados para fazer sangria nos corpos. Muitos desses artefatos e restos estão completamente calcificados ao chão da caverna. Os maias também esculpiram as formações da cavernas para criar altares para os sacrifícios, ou criaram silhuetas de rostos e animais, para projetar uma imagem de sombra na caverna.

Pesquisas recentes sobre o clima  da antiga Mesoamérica revelou que uma grande seca pode ter desempenhado um papel importante no colapso da civilização maia, e aumentado o ritmo dos sacrifícios humanos, no século 19. De acordo com a mitologia maia, um dos deuses importantes para eles e que vivia nas profundezas da caverna, era Chac, o deus da chuva. Com suas tochas, os sacerdotes maias se aventuravam pelo rio subterrâneo até a parte mais alta da caverna, para prestar suas homenagens e render seus sacrifícios, sempre tentando conquistar a boa sorte dos deuses. Cerâmicas eram deixadas como presentes e sacrifícios eram feitos para apaziguar a sua ira. Sacrifícios de mulheres e crianças, aquilo que havia de mais sagrado entre os maias, foram oferecidos aos deuses. Bebês eram deixados ali para que chorassem até a morte. O som de puras crianças era a melhor maneira de sensibilizar os deuses enfurecidos.

Os arqueólogos resolveram manter todos os artefatos e ossos no exato lugar em que foram encontrados e o governo de Belize decidiu abrir a caverna ao turismo em 1998, como forma de arrecadar dinheiro para sua melhor conservação. Hoje, a ATM Cave é uma das grandes atrações da região e do país, atraindo centenas de turistas que se maravilham com o que veem lá dentro. Além da incrível beleza cênica da caverna e da sensação de aventura, de se caminhar e nadar por um rio embaixo da terra, ainda temos essa chance maravilhosa de ver esse verdadeiro tesouro arqueológico em seu local de origem, e não no ar condicionado de algum museu.

Mas, nem tudo é perfeito. Apesar do número controlado de pessoas que podem entrar lá diariamente, sempre acompanhados por guias, alguns turistas, no afã de conseguir os melhores ângulos e fotos, derrubaram suas máquinas fotográficas sobre os achados arqueológicos, inclusive encima de um crânio, quebrando-o. Como medida de segurança, desde o meio de 2012, máquinas fotográficas são proibidas e no salão, todos os visitantes devem tiram os sapatos e caminham apenas com meias e em trechos marcados por fitas. Tudo para proteger esse tesouro arqueológico.

Fonte: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 355 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cavernas

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Cavernas

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

Kandovan, uma troglodita vila iraniana

Magnus Mundi21 de agosto de 2017

O mistério das cavernas de Longyou

Magnus Mundi11 de julho de 2017

As cavernas dos bugres

Magnus Mundi26 de Março de 2017

As misteriosas cavernas de Caynton

Magnus Mundi24 de Março de 2017

A Caverna da Torrinha e a flor de aragonita

Magnus Mundi2 de agosto de 2016

Pak Ou Caves, as cavernas dos budas defeituosos

Magnus Mundi4 de junho de 2016

Eski Kerman, a antiga cidade das cavernas

Magnus Mundi26 de Maio de 2016

Uma boate do tempo das cavernas

Magnus Mundi28 de novembro de 2015