Engenharia

As barragens de kauri da Nova Zelândia

As barragens de kauri da Nova Zelândia

O vale de Kauaeranga, na Ilha do Norte na Nova Zelândia, já foi coberto por vastas florestas de kauri (Agathis australis), uma árvore da família das araucariáceas e consideradas uma das maiores árvores do mundo, podendo atingir de 40 a 50 metros de altura. Tais árvores eram imensas, com tronco grossos e retos.

Quando os primeiros europeus chegaram à Nova Zelândia, descobriram que os troncos kauri davam excelentes mastros para suas embarcações, além de fornecer madeira para o reparo dos cascos dos antigos veleiros. Rapidamente, a kauri se tornou a madeira local preferida por carpinteiros e construtores de navios, por ser durável, forte, reta e uniformemente granulada. Elas tinham poucos nós e eram fáceis de pregar, trabalhar e manusear. O primeiro corte que se tem registro de uma kauri para ser usado como mastro, foi em 1772 no navio Marion du Fresne. Kauri também era valorizada pela goma que produzia, usada na produção de tintas e vernizes de alta qualidade, linóleo e joias. A goma era extraída na base da árvore, que sangrava do tronco, o que causava a morte precoce de muitas árvores.

As barragens de kauri da Nova Zelândia

A represa Dancing Camp Kauri, construído em 1924, é uma das melhores represas de condução restantes no Vale de Kauaeranga, no Coromandel Forest Park, na Ilha do Norte. | Crédito da foto

Inicialmente, os colonos cortaram as árvores kauri que cresciam isoladas perto do litoral, mas devido a crescendo demanda pela madeira, equipes de lenhadores se deslocaram para o interior das florestas atrás das grandes árvores, para assim abastecerem os mercados locais e exportando, sendo a primeira mercadoria que o país enviou para o mundo. Registros afirmam que  primeiro carregamento de madeira kauri deixou a Nova Zelândia em 1794, levando 200 troncos pelo navio da Marinha Real britânica Fancy, 25 anos após a redescoberta da Nova Zelândia, pelo capitão James Cook em 1769.

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Esta barragem está no rio Kopowai, Mercury Bay. O portão duplo foi projetado para permitir que a água corra rapidamente e dê força à construção. Os portões foram fechados para permitir que a represa se encha, e um grande tronco de kauri é visto preso em um dos vertedouros. Mais de 8 milhões de metros de kauri foram conduzidos através desta barragem. Crédito da foto: Tudor Collins

As florestas de kauri estavam localizadas no interior da ilha e não havia uma maneira fácil de tiram os pesados troncos das florestas para as serrarias devido ao terreno irregular e extremamente difícil. Uma maneira de transportá-los era flutuando os troncos pelos rios e córregos. Porém os troncos eram imensos, alguns com vários metros de diâmetro, enquanto que os córregos eram rasos, cheios de pedras, dificultando o escoamento das árvores. Os lenhadores então construiram pequenos diques de madeira, chamados de barragens de condução nos riachos e rios, a fim de aumentar o volume de água. Quanto havia uma boa quantidade de água, a barragem era desmanchada abruptamente, fazendo os troncos serem levados pela força da água. Na década de 1920, cerca de 28 mil árvores foram transportadas pelos os navios ou serrarias desta forma.

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Uma barragem de kauri na ilha da Grande Barreira. | Crédito da foto

Muitas vezes, várias barragens eram construídas em afluentes adjacentes e liberados ao mesmo tempo para aumentar a força da água e assim aumentar a eficácia no transporte dos troncos pelos rios. Tal sistema de transporte causou uma enorme destruição nos córregos e nas florestas, causando a erosão do solo, mas resultou num eficaz meio de transportar dos troncos das montanhas e terrenos irregulares. As barragens também eram impressionantes feitos de engenharia, construídas sem desenhos ou cálculos detalhados, mas foram capazes de suportar a pressão de toneladas de água.

Cerca de 3.000 barragens de condução foram construídas por toda a Nova Zelândia no século 19 e início do século 20. À medida que a atividade madeireira diminuiu, gradualmente as barragens foram sendo abandonadas, deteriorando-se e desaparecendo em seguida. Atualmente apenas algumas ainda permanecem como relíquias desta indústria destrutiva. As magníficas florestas de kauri cobriram na época 1.6 milhões de hectares da Ilha do Norte. A exploração madeireira, o fogo e o desmatamento para a agricultura acabaram deixando apenas 7.000 hectares de floresta nativa hoje em dia.

As barragens de kauri da Nova Zelândia

A barragem do Dancing Camp em 1921 está prestes a ser lançada. A água está transbordando o vertedouro à esquerda, os troncos são apoiados contra a barragem e o fio de viagem pode ser visto à esquerda. Quando chegar o momento, um arbusto arranca o fio. Um martelo então balança contra o portão, as tábuas se abrem e uma torrente de água e toras cascatas a jusante. Crédito da foto: Tudor Collins

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Detalhes das tábuas da represa amarradas com cabo de aço, para não serem carregadas junto com a água | Crédito da foto

A

As barragens de kauri da Nova Zelândia

À beira do rio, os troncos de kauri foram acumulando em grande número no rio Waiwawa, que se alimentava da Mercury Bay. É provável que eles tenham sido levados para uma serraria, provavelmente em Whitianga. | Crédito da foto

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Lenhadores ao lado de imensas árvores kauri, em 1840 | Crédito da foto

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Um imenso kauri que sobreviveu até os dias atuais. Se localiza na Reserva Florestal de Waipoua e é chamado de Tane Mahuta (Senhor da Floresta), sendo considerado o maior kauri conhecido | Crédito da foto

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Goma extraída do kauri | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Todas as viagens são lindas, mesmo as que fizeres nas ruas do teu bairro. O encanto dependerá do teu estado de alma”. – Ribeiro Couto

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 120 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Engenharia

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Engenharia

Mail Rail, o correio subterrâneo de Londres

Magnus Mundi11 de agosto de 2017

Xian Ming Wall, às muralhas de Xian

Magnus Mundi8 de Abril de 2017

Pozzo di San Patrizio na Itália

Magnus Mundi11 de dezembro de 2016

Os elevadores inclinados de barcos da Polônia

Magnus Mundi30 de setembro de 2016

Bierpinsel, o prédio bizarro de Berlim

Magnus Mundi20 de julho de 2016

Prora, resort nazista que nunca teve um hóspede

Magnus Mundi18 de julho de 2016

Gate Tower Building, o edifício atravessado por uma rodovia

Magnus Mundi16 de julho de 2016

O deslizamento que tremeu a Terra em Utah

Magnus Mundi15 de julho de 2016

Uma ferrovia no Nariz do Diabo

Magnus Mundi4 de junho de 2016