Flora

Boob, o baobá prisão da Austrália

Boob, o baobá prisão da Austrália

Numa área selvagem da Austrália Ocidental, na estrada King River em Wyndham, há uma imensa árvore baobá (Gregorii adansonia) que desde 1900 é uma das grandes atrações turísticas da região, e talvez sendo a prisão mais estranha do mundo, pois aborígenes que eram trazidos pela policia para serem julgados em Derby, eram aprisionados durante a noite dentro do tronco oco desde baobá.

Os baobás são um gênero de árvores com oito espécies, seis nativas da ilha de Madagascar, uma da África e outra da Austrália que se desenvolvem em zonas áridas e com fama de viverem milhares de anos, mas sua madeira não produz anéis de crescimento e assim não é possível os pesquisadores determinarem sua idade exata. É uma árvore esquisita, que dá um fruto agridoce e importante para alguns países a ponto de ser emblema nacional como em Senegal e sagrada para os praticantes do candomblé. No Brasil existem poucas árvores de baobá, que foram trazidas pelos sacerdotes africanos e foram plantadas em locais específicos para o culto das religiões africanas. Essas árvores são chamadas em alguns lugares como “Giant Botlle Tree“, algo como árvores garrafas gigantes, devido aos seus troncos serem encorpados, às vezes sendo junção de vários troncos num só e terminando parecendo um gargalo.

Boob, o baobá prisão da Austrália

Baobá prisão em Derby | Crédito foto

Já no caso específico da Austrália, os baobás que serviram de prisão são chamados de boob, que é uma gíria local para prisão, e se tem conhecimento de duas dessas árvores que serviram de prisões, a de Wyndham e outra a 900 quilômetros de distância, em Derby na região de Kimberley. Muito se tem escrito em jornais e revistas ao longo do tempo sobre essas árvores servirem realmente de prisão, e muitos historiadores dizem que são apenas lendas, só para atraírem mais visitantes aos locais, pois não existe nada de concreto que comprove que foram usadas para esse fim. Lenda ou não, o baobá de Wyndham é uma árvore de cerca de quinze metros de circunferência, com uma abertura com acesso ao interior e outra em outro extremo, servido como janela e tendo uma área interna de nove metros quadrados. Já o de Derby tem cerca de 6 metros de altura, com dois orifícios naturais.

Boob, o baobá prisão da Austrália

Aborígenes prisioneiros em 1896

A história das árvores prisões, diz que no século 19, uma patrulha policial levando aborígenes para serem julgados em Derby, resolveram passar a noite acampados embaixo do baobá em Wyndham, quando notaram que era oco e então cortaram uma pequena abertura e aprisionaram os aborígenes lá dentro, até o dia seguinte. E posteriormente começaram a usar a árvore como prisão frequentemente e com o tempo, as pessoas começaram a chama-la de “Hillgrove Lockup“. Ocasionalmente, quando o grupo de prisioneiros era grande e não havia espaço para todos em seu interior, alguns eram acorrentados ao tronco pelo lado de fora.

Artigos em jornais sobre essas árvores começaram a aparecer na década de 1910, e se referindo a elas, como sendo usadas para o confinamento de prisioneiros e praticamente a cada publicação posterior, se repetia a mesma história. Algumas alegavam que já tinham sido encarcerados 26 aborígenes juntos numa mesma noite, enquanto outras diziam, que era tão frequente o uso das árvores como prisão, que foi colocado uma grade de ferro em uma das aberturas e fortes travas foram fixadas ao baobá para acorrentar os nativos. Mesmo não tendo provas concretas que os baobás foram usados como prisões, o certo é que os nativos eram constantemente perseguidos e presos e num relatório do governo australiano de 1905, dizia que 90% das detenções de aborígenes eram porque, eles não respeitavam propriedades e matavam o gado de fazendeiros da região, e lendas assim, que não cai no sobrenatural, sempre tem um pouco de verdade contidas nelas.

Boob, o baobá prisão da Austrália

Baobá em Wyndham que foi usado para aprisionar nativos a caminho do julgamento | Crédito foto

Boob, o baobá prisão da Austrália

Foto de 1959 do baobá em Derby | Crédito foto

Boob, o baobá prisão da Austrália

Baobá em Wyndham | Crédito foto

Boob, o baobá prisão da Austrália

Baobá em Wyndham | Crédito foto

Boob, o baobá prisão da Austrália

Placa informando sobre os encarceramento de aborígenes dentro dos baobás | Crédito foto

Boob, o baobá prisão da Austrália

Dentro do baobá perto de Derby | Crédito foto

Fontes: 1 2 3 4

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 484 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flora

Me chamo Julio Cesar e sou o idealizador do site Magnus Mundi, um espaço para compartilhar informações sobre lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora.

Veja mais em Flora

Hibaku Jumoku, as árvores sobreviventes de Hiroshima

Magnus Mundi13 de junho de 2017

O túnel do cogumelo em Mittagong

Magnus Mundi4 de abril de 2017

Sequoias, o início da destruição

Magnus Mundi2 de abril de 2017

Carvalho do Noivo: A árvore com seu próprio endereço postal

Magnus Mundi12 de março de 2017

Grande Árvore de Banyan

Magnus Mundi22 de fevereiro de 2017

Wadi Dawkah, a terra do Frankincense

Magnus Mundi1 de fevereiro de 2017

Pando, o gigante tremulo

Magnus Mundi21 de janeiro de 2017

A rara orquídea cara de macaco

Magnus Mundi7 de janeiro de 2017

A pequena árvore do lago das fadas

Magnus Mundi1 de dezembro de 2016