Lendas e Mitos

Os cadáveres defumados da tribo Anga

Os cadáveres defumados da tribo Anga

Geralmente quando se referimos as múmias, associamos com o Antigo Egito, pois são as mais conhecidas, mas a mumificação é uma técnica utilizada por diversos povos por todo o mundo. A tribo Anga, do Distrito de Aseki, uma região remota e montanhosa na Papua Nova Guiné é uma delas, no entanto, as múmias do povo Anga não são envolvidas em ataduras e colocadas em túmulos, eles são defumados e depois deixadas a céu aberto, no alto de um penhasco, com vista para a aldeia, muitas vezes, onde essas pessoas passaram toda a sua vida. Os índios Anga acreditam que se eles ainda puderem ver os rostos dos falecidos, o seu espírito estará entre eles.

Um dos processos mais importantes de mumificação é a remoção da umidade, drenando todos os fluídos dos mortos, porque os líquidos aceleram a decomposição do corpo e sem isso não tem como preservar o corpo. Os antigos egípcios faziam isso cobrindo os mortos com sal e um mistura de especiarias que tinham a propriedade de secagem. A tribo Anga, emprega uma abordagem mais direta, eles defumam os corpos dos mortos.

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_002

O processo de mumificação é elaborado, e começa com cortes feitos nos joelhos, cotovelos, pés e outras articulações. Bambus vazados são introduzidos nas fendas, para que a gordura corporal seja drenada. Outros bambus são introduzidos nas entranhas do morto, para retirar o conteúdo do estômago e introduzido no ânus para ser feito o mesmo processo nos intestinos. Em seguida o corpo é deixado para defumar em uma cabana por um mês, para que todos os fluidos saiam ou sequem e as bactérias que causam o apodrecimento morram. A gordura corporal que pinga ou que saem dos bambus é coletada e os indígenas usam para massagear seus próprios corpos, pois acreditam que estão transferindo o poder dos falecidos para os vivos. Muitos artigos mencionam que essa gordura é utilizado como creme de cabelo e loção para a pele pelos parentes, ou mesmo como óleo de cozinha, mas não é verdade.

Os relatos mais conhecidos da mumificação dos mortos de Anga é baseados nos contos exagerados do explorador britânico Charles Higginson, que foi a primeira pessoa que documentou o processo de defumação dos corpos, em 1907. Charles Higginson, descreveu a tribo Anga como selvagens e sanguinários e que os parentes dos mortos lambiam as entranhas dos falecidos durante o processo de defumação. Depois que o corpo esteja defumado e seco, é coberto com ocre, uma argila vermelha colorida pelo óxido de ferro, para proteger os corpos do elementos naturais. Mesmo nas condições climáticas sufocantes de Papua Nova Guiné, que normalmente aceleram a decomposição de cadáveres, o processo de mumificação do povo Anga, funciona muito bem.

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_001

Alguns cadáveres que estão nas encostas das montanhas são da época da Primeira Guerra Mundial, mortos em conflitos com a chegada dos primeiros missionários em Aseki, onde os missionários mataram alguns aldeões, e isso provocou uma série de assassinatos como vingança e só terminou quando os missionários pediram a paz em troca de presentes. As mumificações chegaram ao fim em 1949, quando os missionários finalmente, converteram o povo Anga ao cristianismo. As múmias remanescentes agora são cuidadosamente preservadas por aldeões que realizam periodicamente o serviço de restauração, sempre que uma delas ameaça cair de suas bases. Eles utilizam suportes para manter as múmias nos lugares e usam seiva aquecida de uma determinada árvore como cola. As múmias Anga podem ser encontradas em várias aldeias do Distrito de Aseki, mas a tribo Anga não é a única que defumam seus mortos. Esse tipo de mumificação também era praticada pelos filipinos, na cidade de Kabayan.

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_005

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_006

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_007

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_008

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_009

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_003

mumias-tribo-anga_papua-nova-guine_004

Crédito da fotos: Ian Lloyd Neubauer/BBC

Fontes: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1736 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lendas e Mitos

Me chamo Julio Cesar e sou o idealizador do site Magnus Mundi, um espaço para compartilhar informações sobre lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora.

Veja mais em Lendas e Mitos

Caranguejo Heike, um exemplo da evolução das espécies

Magnus Mundi30 de junho de 2017

Mullá Nasrudin, a sabedoria engraçada de um mestre Sufi

Magnus Mundi6 de maio de 2017

A festa da marreta explosiva de San Juan de la Vega

Magnus Mundi19 de abril de 2017

O milagre de Moisés na ilha de Jindo

Magnus Mundi4 de fevereiro de 2017

Naghol, o ritual do pulo para a morte

Magnus Mundi6 de janeiro de 2017

Wish Tree, árvores do dinheiro do Reino Unido

Magnus Mundi29 de dezembro de 2016

Os elfos da Islândia

Magnus Mundi10 de dezembro de 2016

A estranha lenda de Jesus Cristo no Japão

Magnus Mundi8 de novembro de 2016

Highgate, o cemitério maldito

Magnus Mundi10 de julho de 2016