Exóticos

Fly Geyser, o gêiser criado pelo homem

Fly Geyser, o gêiser criado pelo homem

Fly Geyser ou Fly Ranch Geyser é uma atração turística pouco conhecida nos Estados Unidos, até mesmo para os moradores do estado de Nevada. Isso acontece pelo fato dele estar localizado numa propriedade particular a cerca de 32 quilômetros ao norte de Gerlach, no condado de Washoe. Até um tempo atrás, os antigos proprietários do local não facilitavam a entrada e poucos privilegiados tinha acesso ao local.

Na realidade, são dois gêiseres que existem na propriedade. O primeiro foi criado acidentalmente em 1917, quando foi escavado um poço pensando em utilizar a água para irrigar uma parte do deserto e assim, criar terras para a agricultura. Uma vez perfurado, a água quente saiu em ebulição chegando a mais de 100 graus. O poço foi deixado abandonado e com o tempo criou um único cone formado por carbonato de cálcio com aproximadamente quatro metros de altura.

Em 1964, uma empresa de energia geotérmica foi contratada para perfurar um poço de teste próximo ao primeiro. A água jorrou como da primeira vez, mas a temperatura da água não era suficiente quente para os fins comerciais pretendidos e o poço foi selado. No entanto, a cerca de trinta metros ao norte do primeiro, o gêiser entrou em erupção sozinho, roubando a pressão do original, fazendo o mesmo secar.

Este segundo gêiser é conhecido como Fly Geyser e ele tem crescido substancialmente nos últimos cinquenta anos, criando um pequeno monte multicolorido, com vários terraços e piscinas com o depósito de minerais e água geotérmica em pleno deserto, por uma área de 30 hectares. Esse gêiser acabou não sendo de apenas um cone tão alto quanto o primeiro, mas vários deles, com jatos de água que chegam a cuspir água quente e vapor a mais de cinco metros de altura.

O gêiser é coberto com algas termofílicas, que florescem em ambientes úmidos e quentes, resultando em vários tons de verdes e vermelho, criando ao lugar uma aparência extraterrestre. O nome “fly” é referência a um centro de treinamento com aviões que existia nas proximidades em 1930. O Projeto Burning Man comprou a propriedade de 3.800 acres onde se localiza o Fly Geyser, no primeiro semestre de 2016, com a intenção de preservá-lo às gerações futuras.

A formação de gêiseres requer uma hidrogeologia favorável, o que existe apenas em poucos locais na Terra; logo são fenômenos razoavelmente raros. Existem cerca de mil em todo o mundo, e metade destes no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, entre os quais um dos mais conhecidos e regulares é o Old Faithful (ou “Velho Fiel”); outros gêiseres se encontram na Nova Zelândia, Rússia, Chile e Islândia.

Fontes: 1 2 3 4

“Aprenda com o ontem, viva para o hoje, acredite no amanhã. O importante é não parar de questionar!”. – Albert Einstein

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 129 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Exóticos

Lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Veja mais em Exóticos

Thousand Islands, o Jardim do Grande Espírito

Magnus Mundi16 de maio de 2017

Henningsvær Idrettslag Stadion, o estádio de futebol na pequena ilha

Magnus Mundi1 de maio de 2017

O jardim subterrâneo de Forestiere

Magnus Mundi18 de abril de 2017

Shaolin Flying Monks Theatre’s, o templo dos monges voadores

Magnus Mundi31 de março de 2017

St Kilda, o antigo lar do povo pássaro

Magnus Mundi21 de janeiro de 2017

Montaña Mágica Lodge, o hotel inusitado no Chile

Magnus Mundi8 de janeiro de 2017

A especular praia protegida de Puerto Novo

Magnus Mundi5 de janeiro de 2017

Os cemitérios coloridos da Guatemala

Magnus Mundi27 de novembro de 2016

Damanhur, os templos da humanidade

Magnus Mundi15 de novembro de 2016