Histórias

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

As ilhas Madalena ou ilhas da Madalena (em francês: Îles de la Madeleine, em inglês: Magdalen Islands) são um arquipélago do oceano Atlântico situado no golfo de São Lourenço, no Quebec. As ilhas ficam perto do centro do golfo, entre a península de Gaspé e a ilha Cape Breton (Nova Escócia), a meio-caminho entre a Ilha Príncipe Eduardo e a Terra Nova, no Canadá.

Eram ilhas cobertas por densa floresta, e hoje são reflorestadas continuamente, tendo o nível de coberto florestal chegado a 25%. São propensas a sistemas dunares, com mais de 300 km de praias. A maior ilha chama-se Havre Aubert e é a mais meridional. De 1534 a 1536, o navegador Jacques Cartier, descobriu o arquipélago, e batizou as ilhas de “les Araynes“, do latim “arena”, que significa areia.

As Ilhas da Madalena têm uma longa história de naufrágios. Nos séculos 18 e 19, estimasse que entre 500 a 1.000 navios foram vítimas das areias movediças e das águas rasas das Ilhas da Madalena. Numa única tempestade, 48 navios afundaram na região. Naqueles dias, não haviam faróis na área e os mapas não eram precisos. Entre ventos fortes, neblina e águas agitadas, a navegação se tornou um jogo de adivinhação e destreza. Muitos navios, juntamente com seus passageiros pereceram naquelas águas. Aqueles que sobreviveram escolheram se estabelecer e fazer das ilhas o seu lar.

Um dos mais conhecidos naufrágios nas Ilhas da Madalena é o navio de imigração “Miracle”, que estava transportando famílias da Irlanda para o Canadá, quando desembarcou em East Point durante uma violenta tempestade. O capitão do “Miracle”, o Mestre H.H. Elliot, ao expressar sua gratidão e admiração pelos socorristas das Ilhas da Madalena em seu relatório, destacou a necessidade de faróis naquelas áreas.

“Isto é para certificar que o navio Miracle sob meu comando, naufragou nas Ilhas da Madalena no dia 19 de maio de 1847, com 446 almas a bordo, e através dos esforços do Sr. James Clark e seus filhos, conseguiram salvar quase todos eles e eles merecem grandes elogios por seus esforços, tanto no fornecimento de provisões como de abrigo. Acredito firmemente que uma luz no extremo leste da ilha salvaria muitos naufrágios, já que Brion e Bird Rocks podem ser vistos com certeza.”

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Quase vinte anos antes do incidente, em 1828, um relatório semelhante foi enviado pelo capitão Edward Boxer ao Grande Almirante da Grã-Bretanha Marítima, no qual mencionou: “Descobri uma grande necessidade de faróis no Golfo de São Lourenço. Nesse mar, a navegação é tão perigosa devido à correntes fortes e irregulares, e não há um único farol em todo o Golfo. É verdadeiramente lamentável encontrar tantos naufrágios em lugares diferentes da costa… O número de vidas perdidas é muito grande e certamente incalculável…” Suas queixas foram finalmente ouvidas, e os primeiros faróis foram erguidos no início da década de 1870. Hoje, existem seis faróis em torno das ilhas.

Muitos dos naufrágios das Ilhas da Madalena estão escondidos no fundo do mar em vários estados de decadência. Mas alguns velhos cascos são visíveis da praia, como um naufrágio de 1963 na Ilha de Corfu. A maioria das casas construídas na ilha, forma feitas com madeira e outros materiais vindos dos naufrágios, bem como em Old Harry, a igreja de St. Peters de mais cem anos, construída inteiramente com madeira de naufrágio.

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Crédito da foto: Uladzimir Taukachou

Hoje, a ilha é composta principalmente de pessoas de língua francesa, com apenas cerca de 550 residentes falando inglês. Eles são descendentes de pessoas que vieram da Inglaterra, Escócia e Irlanda. A maioria das pessoas se estabeleceram em três comunidades nas ilhas: Grosse-Île, Old Harry no norte do arquipélago, e Entry Island (Île-d’Entrée em francês), uma pequena ilha no sul somente acessível através da barco. As comunidades francesas e inglesas preservaram suas tradições e costumes ao longo dos anos. Até 1970, havia poucos casamentos entre os dois grupos e cada comunidade tinha sua própria igreja, católica ou protestante e suas próprias escolas.

Os habitantes vivem virtualmente isolados do resto do mundo, especialmente durante o inverno, quando ás águas do golfo congelam, fazendo as viagens de barco impossíveis. Sua única linha de comunicação com o continente é uma estação de telégrafo sem fio.

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Crédito da foto: Uladzimir Taukachou

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Crédito da foto: Uladzimir Taukachou

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Crédito da foto: Uladzimir Taukachou

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Crédito da foto: Anna Bressanin

Fontes: 1 2 3

“Aprenda com o ontem, viva para o hoje, acredite no amanhã. O importante é não parar de questionar!”. – Albert Einstein

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 169 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Histórias

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Histórias

A doce vingança do marajá Jai Singh

Magnus Mundi21 de novembro de 2017

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Tafofobia, o medo de ser enterrado vivo

Magnus Mundi1 de novembro de 2017

As pedras amaldiçoadas de Ko Hingham

Magnus Mundi24 de outubro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017

Telefontornet, a antiga central telefônica de Estocolmo

Magnus Mundi4 de outubro de 2017

Dust Bowl, as tempestades negras de poeira

Magnus Mundi27 de setembro de 2017