Inóspitos

La Rinconada, a cidade mais alta do mundo

La Rinconada, a cidade mais alta do mundo

No cume do Monte Ananea, nos Andes peruanos, muito acima da linha de árvores, se localiza um antigo campo de mineração de ouro que ao longo dos anos cresceu para o status de cidade. São mais de 50.000 pessoas (censo 2012) que vivem numa cidade montanhosa, a mais de 5.000 metros de altura, sendo o assentamento mais alto do mundo e é o lar de algumas das condições de vida mais brutais conhecidas pelo homem. A cidade de La Rinconada localizada no Distrito de Ananea, Província de San Antonio de Putina com uma altitude de 5.172 metros é tão alta que sua condição meteorológica se assemelha à da costa oeste da Groenlândia, apesar de estar situada a apenas 14 graus do equador. Os verões são úmidos e chuvosos e os invernos secos: Os dias são frios e as noites geladas, e grande parte do ano as temperaturas são zub-zero.

A temperatura média anual La Rinconada é de apenas 1.2°C. Acima da cidade sobe a Cordilheira Apolobamba, uma cordilheira coberta de gelo que vai para o sudeste até a Bolívia, conhecida pelos locais como La Bella Durmiente, A Bela Adormecida. O ar é rarefeito e isso ocorre porque a gravidade mantém o oxigênio perto da superfície da Terra, e as pessoas começam a sentir a doença e altitude em torno de 10.000 pés. Os moradores de La Rinconada se adaptaram às duras condições. Os Incas extraíram ouro nessas montanhas, como fizeram muitas outras pessoas antes deles, e os espanhóis depois deles.

Na realidade, La Rinco como é conhecida é mais um assentamento do que propriamente uma cidade. Sem estradas, sem encanamento de água potável ou mesmo sistema básico de esgoto, a infraestrutura da cidade está bem abaixo dos padrões normais peruanos. As casas são feitas com folhas de zinco onduladas sem nenhum tipo de isolamento. Os homens que trabalham nas minas tem que caminhar trinta minutos todos os dias para chegarem às minas, cheias de gases perigosos, mercúrio, cianeto e falta de oxigênio. As mulheres passam seus dias vendendo todo tipo de mercadoria ou se prostituindo nas ruas. Elas são barradas nas minas, por não terem a força física de um homem, então elas trabalham como “pallaqueras”, procurando ouro, nos montes de terras descartadas das minas.

Os mineiros extraem o ouro manualmente, utilizando mercúrio no processo – a segunda substância mais abundante a ser encontrada na região, depois do ouro. O solo, neve, água e o ar em La Rinconada e por toda as áreas adjacentes a cidades estão contaminados por mercúrio e cianeto. Envenenamento por mercúrio pode afetar o sistema nervoso central, causando tremores, fraqueza, atrofia muscular, dor de cabeça, alterações de humor como nervosismo e irritabilidade, dor de cabeça, entre outras.

Ao contrário de outras cidades mineiras, La Rinconada não é de propriedade de uma empresa especifica, e todas as minas que operam na área são ilegais e ninguém sabe ao certo quantas são e nem o volume de ouro extraído, e a maior parte do ouro que sai da montanha vai direto para o mercado negro. Não há nenhuma espécie de administração ou leis que regulamenta a extração.

Mais estranho ainda é a forma como são pagos os trabalhadores em La Rinconada. A empresa mineradora Corporación Ananea não paga salários aos seus trabalhadores. Em vez disso, elas operam sob um arcaico sistema de trabalho chamado “cachorreo”. Nesse sistema, os empregados trabalham por trinta dias sem nenhum pagamento e no 31º dia, eles são autorizados a levar tantos minérios quanto seus ombros cansados podem carregar. Não há maneira de saber quando ouro às pedras podem conter, e muitas vezes, elas tem pouco ou nada de ouro. No entanto, milhares de pessoas trabalham durante o mês todo na esperança de naquele único dia, extrair ouro e ganhar um pouco de dinheiro. Apesar de algumas empresas utilizar esse sistema de pagamento escravo, muitos trabalhadores continuam a migrar para a região. Entre 2001 a 2009, a população de La Rinconada cresceu 235 por cento.

La Rinconada, a cidade mais alta do mundo

Centenas de pallaqueras, mineradores do sexo feminino procurando ouro em montes de rochas descartados das minas | Crédito da foto

La Rinconada, a cidade mais alta do mundo

Mulheres buscam ouro em clima extremo | Crédito da foto

La Rinconada, a cidade mais alta do mundo

Rua principal de La Rinconada, onde o mercúrio, cianeto e dejetos humanos fluem em sarjetas abertas no meio da rua | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 47 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inóspitos

Lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Veja mais em Inóspitos

As minas de safiras de Ilakaka em Madagascar

Magnus Mundi22 de maio de 2017

Sewell, a cidade mineira abandonada nos Andes

Magnus Mundi8 de fevereiro de 2017

Wadi Dawkah, a terra do Frankincense

Magnus Mundi1 de fevereiro de 2017

St Kilda, o antigo lar do povo pássaro

Magnus Mundi21 de janeiro de 2017

Montaña Mágica Lodge, o hotel inusitado no Chile

Magnus Mundi8 de janeiro de 2017

Pilar Katskhi, a coluna da vida da Geórgia

Magnus Mundi1 de janeiro de 2017

Cono de Arita, a pirâmide enigmática

Magnus Mundi30 de dezembro de 2016

Fly Geyser, o gêiser criado pelo homem

Magnus Mundi30 de novembro de 2016

Ilha Sable, a ilha das sombras do Atlântico

Magnus Mundi10 de novembro de 2016