Arqueológicos

O mistério das cavernas de Longyou

O mistério das cavernas de Longyou

Em junho de 1992, um aldeão chamado Wu Anai, morador da vila chinesa de Shiayan Beicun, no condado de Longyou, província de Zhejiang, com base em um palpite e ajuda de amigos começou a bombear a água para fora de uma lagoa em sua aldeia. Wu acreditava que a lagoa não era natural, e nem profunda, como as lendas locais relatavam e ele decidiu provar isso. Após 17 dias de bombeamento, o nível da água diminuiu bastante, o suficiente para revelar a entrada de uma antiga caverna artificial, confirmando as suspeitas do chinês.

Essa caverna, agora chamada de Longyou Grotto Caves, representa uma das maiores escavações subterrâneas realizadas no passado. Um total de 24 cavernas escavadas à mão foram eventualmente descobertas, cada uma com uma superfície média de mil metros quadrados, e tetos que atingem alturas de até 30 metros. A área total coberta por todas as cavernas é superior a 30 mil metros quadrados. Na primeira caverna, quatro enormes estelas (pedras erguidas) que sustentam o teto estão distribuídas simetricamente.

Cada uma das cavernas está coberta do chão ao teto, por linhas paralelas que foram cinzeladas praticamente em todas as superfícies. O efeito é um padrão uniforme em todas as cavernas, o que exigiria mão de obra imensa e horas sem fim para executar este trabalho. Há também escadarias, pilares e figuras esculpidas nas paredes e pilares. Tais marcas são semelhantes às encontradas em cerâmicas guardadas num museu próximo, datadas entre 500 a 800 a.C.  Entre as cavernas, há sete delas cujo padrão de distribuição se assemelha ao das sete estrelas da Ursa Maior.  Na primeira caverna que é aberta para o público, podem ser vistas esculturas de pedra de cavalo, peixe e pássaro (terra, água e ar).

De acordo com Yang Hongxun, especialista do Instituto Arqueológico da Academia Chinesa de Ciências Sociais comentou: “Na parte inferior de cada caverna, os antigos construtores não seriam capazes de ver o que os outros estavam fazendo na próxima gruta. Mas o interior de cada caverna teve de ser paralelo uma com a outra, ou então a parede seria furada na outra gruta. Sendo assim, o aparelho de medida deveria ter sido muito avançado. Deve ter havido algum esquema sobre os tamanhos, localizações, e as distâncias entre as cavernas muito antes do projeto ser iniciado“.

De acordo com algumas estimativas, as cavernas foram cavadas há mais de 2.000 anos, possivelmente em 200 a.C. e foram removidos quase um milhão de metros cúbicos de rocha, para criar as cavernas. Um projeto tão grande certamente teria sido mencionado por historiadores e viajantes, mas nenhum documento foi encontrado, e a origem das cavernas é um mistério completo.

Como na maioria das aldeias no sul da China, existem muitas lagoas em Shiyanbei, mas estas são principalmente retangulares e muito profundas, sendo conhecidas como “lagoas sem fundo” por gerações de aldeões. Nestas lagoas os peixes são facilmente capturados. Quando a primeira caverna foi seca por bombeamento, nenhum peixe foi encontrado. Esta descoberta chamou a atenção de muitos especialistas da China, Japão, Polônia, Cingapura e EUA. Uma das questões mais interessantes e desafiadoras é como as cavernas conseguiram manter sua integridade por mais de 2000 anos.

Fontes: 1 2 3

“A lei de ouro do comportamento é o respeito mútuo, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira e que não vemos senão uma parte da verdade e sob ângulos diferentes – Mahatma Gandhi

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 208 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arqueológicos

Me chamo Julio Cesar e sou o idealizador do site Magnus Mundi, um espaço para compartilhar informações sobre lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora.

Veja mais em Arqueológicos

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017

Glastonbury: O rei Artur e a lendária Avalon

Magnus Mundi18 de setembro de 2017

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

Agulhas de Cleópatra, os obeliscos do Egito Antigo

Magnus Mundi20 de agosto de 2017

St Kilda, o antigo lar do povo pássaro

Magnus Mundi21 de janeiro de 2017

Pozzo di San Patrizio na Itália

Magnus Mundi11 de dezembro de 2016

Os rastros misteriosos no Vale do Frígio, na Turquia

Magnus Mundi29 de outubro de 2016

Bourbon, os túneis esquecidos de Nápoles

Magnus Mundi22 de outubro de 2016

A pedra dividida de Al Naslaa

Magnus Mundi9 de outubro de 2016