Estradas

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

Em 1910, um trem estava pronto para a primeira viagem entre St. Moritz, na Engadina (leste da Suíça), cruzando montanhas geladas até chegar na comuna de Tirano, na Itália, percorrendo a estrada de ferro de maior altitude do país, alcançando 2.253 metros acima do nível do mar, cruzando os mais belos cenários dos Alpes.

O trajeto conseguiu harmonizar a técnica com a natureza, e é considerado uma das viagens mais impressionantes do mundo. O viaduto Landwasser, faz parte da ferrovia, é um exemplo da obra espetacular de engenharia: ele tem cinco arcos, divididos em seis pilares. Ao todo, são 55 túneis, um atrás do outro e 102 pontes, uma jornada de 145 quilômetros, percorridos em quatro horas.

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

Construída entre 1906 e 1910 por alguns milhares de trabalhadores italianos, a linha férrea da montanha alpina de Bernina teve de enfrentar os desafios do inverno. Para os habitantes da região, o preço da passagem era muito caro, mas eles queriam a ferrovia rética, pois traria emprego e eletricidade, produzida por uma central especialmente construída para alimentar as locomotivas. O trem de Bernina Railway sobreviveu a duas guerras mundiais e às recessões depois das guerras.

Mas o destaque na ferrovia é o viaduto em espiral de Brusio, que faz uma curva de 360°. Ele está localizado em Brusio, distante 55 quilômetros de St. Moritz, no Cantão dos Grisões na Suíça, e foi construído para permitir que os trens possam ganhar elevação em uma distância relativamente curta. O viaduto tem 110 metros de comprimento, um raio de curvatura horizontal de 70 metros e inclinação longitudinal de 7%, é constituído por nove vãos em pedra a cada 10 metros e permite a elevação do trens em 20 metros.

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto de Brusio faz parte da seção de Bernina Railway entre Brusio e Campascio. O viaduto de pedra foi inaugurado em 1 de Julho de 1908, por ocasião da abertura da seção Tirano-Poschiavo da Bernina Railway. Em 1943, a totalidade dessa companhia ferroviária foi assumida pela Rhaetian Railway, que ainda possui e utiliza o viaduto espiral hoje. Em 2008, o Comitê da UNESCO inscreveu a Ferrovia Rética, com a linha de Albula e a linha da Bernina na lista do Patrimônio da Humanidade. Paralelamente faz parte do Inventário Suíço dos bens culturais de importância nacional e regional.

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

O viaduto em espiral Brusio na Suiça

Fontes: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 272 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estradas

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Estradas

Rodovia Transamazônica, uma estrada que liga nada a lugar nenhum

Magnus Mundi25 de julho de 2016

Gate Tower Building, o edifício atravessado por uma rodovia

Magnus Mundi16 de julho de 2016

Uma ferrovia no Nariz do Diabo

Magnus Mundi4 de junho de 2016

A ponte inusitada de Laguna Garzon

Magnus Mundi4 de Fevereiro de 2016

Atlantic Ocean Road

Magnus Mundi4 de Fevereiro de 2016

Route 66: A estrada sem destino

Magnus Mundi16 de novembro de 2015

Passage du Gois, a estrada das marés

Magnus Mundi5 de novembro de 2015

A polêmica ponte Eshima Ohashi Bridge

Magnus Mundi1 de novembro de 2015

O pequeno caminho do rei

Magnus Mundi11 de outubro de 2015