Atualidade

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Visto de cima, milhares de bicicletas abandonadas numa antiga área de esporte de uma escola parece uma pintura abstrata. São aproximadamente dez mil bicicletas recolhidas pelo governo e depositadas numa área na cidade chinesa de Hefei. O grande número de bicicletas confiscadas pelo governo chinês e depositadas em determinadas áreas, é a etapa final do recente fenômeno de bicicletas compartilhadas, onde empresas públicas deixavam as bicicletas a disposição das pessoas e empresas privadas alugavam-nas às pessoas.

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

A ideia parecia boa, e fazia muito bem ao meio ambiente, na esperança de incentivar o transporte ecológico, mas a medida que o serviço de moto táxi cresceu nas cidades chinesas, às bicicletas iam sendo abandonadas em praças, estacionamento e em outros lugares, se transformando em verdadeiros depósitos de lixo. A administração das cidades as recolhiam na esperança que às empresas de alugueis viessem resgata-las, o que não ocorreu. De acordo com o jornal Global Times, o Escritório de Gestão Urbana da cidade de Hefei começará a devolver as motos às respectivas empresas, independente delas virem buscar ou não.

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Na internet, os usuários acham a situação um tanto irônico, uma vez que a ideia do compartilhamento de bicicletas era para reduzir o congestionamento das cidades e proporcionar comodidade para os moradores locais. A ideia era fazer os moradores usarem mais bicicletas do que carros ou ônibus e assim reduzir a emissão de gases poluentes na atmosfera, tão prejudicial ao meio ambiente. No fim o resultado foi o oposto, com as bicicletas sendo abandonadas em qualquer lugar, causando um mal bem maior ao meio ambiente.

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Na China o sistema de compartilhamento de bicicletas não são feitos de forma tradicional, onde se tinha um ponto para serem pegadas ou alugadas e um ponto onde deveriam ser entregues. Nas cidades chineses elas eram passadas de uma pessoa para outra e assim, quando não se necessitava mais dela, era largada em qualquer lugar. Em Hangzhou a situação das bicicletas abandonadas foi pior, onde a empresa estatal precisou recolher das ruas mais de 23 mil bicicletas que foram depositadas em dezesseis espaços a espera de serem reclamadas pelas empresas responsáveis.

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Os cemitérios de bicicletas abandonadas da China

Fontes: 1 2 3

“A lei de ouro do comportamento é o respeito mútuo, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira e que não vemos senão uma parte da verdade e sob ângulos diferentes – Mahatma Gandhi

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 92 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Atualidade

Me chamo Julio Cesar e sou o idealizador do site Magnus Mundi, um espaço para compartilhar informações sobre lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora.

Veja mais em Atualidade

Bételes, os chicletes de Taiwan

Magnus Mundi22 de novembro de 2016

A casa da abóbora de Kenova

Magnus Mundi12 de novembro de 2016

Astolat Dollhouse Castle, a casa de boneca que vale oito milhões de dólares

Magnus Mundi16 de julho de 2016

Na Guatemala, mortos são despejados de suas covas

Magnus Mundi3 de julho de 2016

As sinistras nuvens tsunamis

Magnus Mundi14 de novembro de 2015

Museu da Cidade, um playground numa fábrica abandonada

Magnus Mundi14 de novembro de 2015

Streaking ou Chispada, o ato de correr nu! (NSFW)

Magnus Mundi21 de outubro de 2015

Sol, areia e diversão nas praias artificiais de Paris

Magnus Mundi17 de outubro de 2015

Caixões Lindner e as mulheres nuas

Magnus Mundi9 de julho de 2015