Estranhos

Petrifying Well, onde tudo vira pedra!

Petrifying Well, onde tudo vira pedra!

Petrifying Well é uma das mais antigas e incomuns atrações turísticas da Grã-Bretanha e está localizado nas margens do rio Nidd, perto da cidade de Knaresborough, em North Yorkshire na Inglaterra. Ao longo dos anos, milhões de pessoas visitaram essa incrível cascata e por muito tempo se acreditava que sua água possuía poderes mágicos de transformar tudo que tocava em pedra. Antigamente esse poço era conhecido como Dropping Well e muito de sua lenda, vem do fato de estar perto da gruta “Mother Shipton’s Cave“, onde nasceu Úrsula Sontheil (1488-1561), uma famosa vidente e profetisa conhecida como Mãe Shipton (1488-1561) e que posteriormente viveu por muitos anos nesta caverna para se afastar das pessoas que a chamavam de bruxa.

Petrifying Well, que literalmente significa poço petrificado, é uma pedra onde flui uma cachoeira com água subterrânea, saturadas de minerais e que com o decorrer dos anos, criou uma casta dura e lisa sobre as pedras, decorrente do gotejamento da água. Por séculos as pessoas têm colocado objetos banais no caminho desse pingamento para vê-los lentamente virar pedra em poucas semanas.

Na verdade, os objetos não se petrificam, mas ganham uma casca dura de minerais em volta, e o fenômeno funciona da mesma maneira como são criadas as estalactites e estalagmites em uma caverna. O que é realmente é incrível em Petrifying Well, é a velocidade que esse fenômeno geológico acontece. O que muitas vezes levam décadas, se não séculos nas cavernas, em Petrifying Well se pode observar o aparecimento de uma casta dura em volta dos objetos em torno de três a cinco meses, embora alguns objetos maiores e felpudos, podem demorar até doze meses.

No passado, as pessoas acreditam que o poço era amaldiçoado pelo demônio, e qualquer coisa que tocasse sua água, iria ser transformado em pedra, inclusive pessoas e por isso, os mais supersticiosos nem ousavam chegar perto. Folhas, galhos, pequenos animais e pássaros mortos petrificados ao redor do poço alimentavam essa teoria e outro fato que ajudava era que se as pessoas olhassem a rocha de um determinado ângulo, poderia ver o que parecia ser o crânio de um gigante. 

A mais antiga referência escrita de Petrifying Well, é de 1538, escrito por John Leyland, pessoa influente de Henry VIII, o rei da Inglaterra na época, que dizia não haver nenhuma maldição no poço e que na realidade, ele tinha era poderes de fazer curas milagrosas para quem tivesse a coragem de beber de sua água. Mas foi Mãe Shipton que trouxe má fama para o lugar.

Petrifying Well, onde tudo vira pedra!

Cripta Shipton, onde Úrsula Southill nasceu em 1488, sendo atualmente uma das principais atrações da região, e que atrai milhares de turistas todos os anos, querendo conhecer onde vivia a famosa bruxa.

Segundo a lenda, em julho de 1488, uma grande tempestade se abatia na região e Agatha Sontheil, que diziam ser prostituta, optou por ter sua filha, Úrsula, na gruta perto do amaldiçoado Petrifying Well e quando o bebê nasceu, a tempestade cessou abruptamente. Agatha morreu no parto e sua filha havia nascido deformada com as costas arcadas e a parteira começou a espalhar a notícia de que não só era estranho a coincidência do nascimento com o fim da tempestade, mas que no momento do parto, havia um cheiro forte de enxofre pairando no ar e a população atribuiu a desgraça de Agatha, ao demônio que vivia naquele lugar e que provavelmente, ele o diabo, era o próprio pai da criança.

Úrsula além das deformidades que tinha, era considerada muito feia, e desde sua infância, ela demonstrava habilidades psíquicas, mas sempre a usou para fazer o bem e ajudar as pessoas, mesmo que a grande maioria delas abominava-a. Aos 16 anos, foi morar sozinha numa casa abandonada afastada na floresta, onde começou a escrever suas primeiras previsões em forma de poemas. Ela raramente deixava sua casa, mas em 1512, com 24 anos, conheceu Tobias Shipton, casando-se com ele e indo morar em York e viveu uma vida tranquila por muitos anos. Eles não tiveram filhos, mas ela se tornou conhecida como Mãe Shipton por causa das pessoas que ajudou. Acredita-se que depois de viúva, Úrsula foi morar na caverna que nasceu, cansada das acusações de ser uma bruxa.

Suas profecias só começaram a serem publicadas em 1641, oitenta anos após a sua morte e entre suas profecias mais conhecidas, estão o grande incêndio de Londres em 1666 e a derrota da Armada Espanhola. Seu nome também é referência em muitos eventos trágicos e acontecimentos estranhos, que ocorreram no Reino Unido, Austrália e América do Norte entre os séculos 17 e 19. Uma mariposa (Callistege mi) recebeu seu nome devido ao desenho de um perfil de bruxa em ambas as asas.

Petrifying Well, onde tudo vira pedra!

Mariposa Mãe Shipton | Crédito da foto

Fonte: 1 2

Postagens pelo mundo:

Visualização: 1135 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Roberto

    2 de outubro de 2015 às 01:43

    Simplesmente fantástico!

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Estranhos

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Lanternes des morts, as lanternas dos mortos da Europa

Magnus Mundi26 de setembro de 2017

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

A espada legendária na pedra de São Galgano

Magnus Mundi10 de Maio de 2017

The Bubblegum Alley, o beco mais repugnante da Califórnia

Magnus Mundi6 de Janeiro de 2017

Torres do Silêncio, o estranho ritual da morte

Magnus Mundi21 de dezembro de 2016

As vilas dos mortos ao leste da Sérvia

Magnus Mundi26 de novembro de 2016

Le Palais Bulles, o palácio de bolhas

Magnus Mundi18 de outubro de 2016