Exóticos

Shaolin Flying Monks Theatre’s, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre’s, o templo dos monges voadores

Quando se pensa num templo com monges, já imaginamos pessoas vestidas com mantos laranjas, sentadas em posição de lótus, concentradas em meditações e mantras, mas nas encostas da montanha Songshan, perto da cidade de Dengfeng, zona rural da província de Henan, no centro da China, os monges do Shaolin Flying Monks Theatre’s além de meditações, mantras e artes marciais, também gostam de voar.

Shaolin Flying Monks Theatre’s na verdade é um anfiteatro com 230 lugares, onde os monges Shaolin podem praticar performances de voo e há também uma plataforma para praticar artes cênicas. Este templo foi recentemente construído e projetado pelo estúdio de arquitetura, Mailītis Architects da Letônia e em seu interior há um imerso ventilador, criando um túnel vertical de vento, onde os monges podem praticar skydiving indoor.

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Para nós ocidentais, fica difícil de entender onde se encaixa um túnel de vento num templo budista, mas supostamente, nas palavras dos arquitetos, “o conceito é contar a história do Zen Budismo e do Kung Fu, através de performances artísticas e da imagem arquitetônica do edifício“. A estrutura foi projetado na forma de dois símbolos importantes para os monges Shaolin – montanha e árvore – e em sua construção foi combinado tecnologias modernas e antigas – a superestrutura de aço cortado a laser suporta uma escadaria de pedras, retiradas de uma pedreira nas proximidades.

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

A montanha Songshan , uma das cinco montanhas mais importantes do país, são conhecidas como “Centro espiritual do Céu e da Terra” e é considerada sagrada para o povo local. A região é o lar do Mosteiro de Shaolin, fundado em 527 por Damo, um monge indiano Bodhidharma. O mosteiro situa-se nos bosques existentes no sopé da montanha Shaoshi, por isso o nome Shaolin, onde “Shao” significa montanha Shaoshi e “lin“, significa bosque.

Tradicionalmente é considerado o local de nascimento do Zen Budismo e das artes marciais Kung Fu. Ao longo de mais de mil anos de história, os monges Shaolin assimilaram os pontos fortes de outras escolas de artes marciais chinesas e tornaram o lugar, um dos locais sagrados do Kung Fu chinês. O Mosteiro de Shaolin é classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Reza a lenda que Damo, o monge indiano chegou à China e verificou que monges chineses eram fracos e incapazes de aprender suas técnicas. Um monge chamado Hui Ke, queria muito aprender e insistiu com o mestre indiano. Damo disse que só ensinaria ele se a neve que estava caindo fosse vermelha, ou seja, nunca. E assim, entrou para dentro de sua casa e deixou Hui Ke lá fora, na neve. Este monge então pegou uma faca e cortou seu próprio braço e começou a caminhar em volta da casa, fazendo espalhar seu sangue. Quando o monge indiano olhou pela janela, viu a neve vermelha pelo sangue de Hui Ke, e achou que ele fosse digno de aprender suas técnicas e concordou em ensinar os clássicos movimentos do Kung Fu de Shaolin. Até hoje, em muitas apresentações, os monges Shaolin fazem o famoso cumprimento apenas utilizando um dos braços em homenagem a Hui Ke.

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Shaolin Flying Monks Theatre's, o templo dos monges voadores

Créditos das fotos: Ansis Starks

Fontes: 1 2

“Há mais mistérios entre o Céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia.” – William Shakespeare

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 199 vezes

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Exóticos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Exóticos

Tianducheng: A falsa Paris na China

Magnus Mundi10 de Fevereiro de 2018

Glass Window Bridge, a ponte do contraste das águas

Magnus Mundi9 de Fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de Fevereiro de 2018

Coconut Palace, o Palácio de Coco em Manila

Magnus Mundi5 de Fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de Janeiro de 2018

Dragon Escalator, a escada rolante do dragão na China

Magnus Mundi13 de Janeiro de 2018

The Black House, o templo da morte na Tailândia

Magnus Mundi28 de novembro de 2017

A sagrada fumaça! A igreja da cannabis

Magnus Mundi22 de novembro de 2017

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017