Histórias

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Sir Issac Newton (1643-1727) foi um astrônomo, alquimista, filósofo, teólogo e cientista inglês, porém foi mais reconhecido como físico e matemático. Sua obra, Princípios matemáticos da Filosofia Natural publicada em 1687 é considerada uma das mais influentes na história da ciência. Esta obra descreve a lei da gravidade universal e as três leis de Newton, que fundamentaram a mecânica clássica. É considerado ao lado de Albert Einstein, como o maior cientista de todos os tempos.

A história de Newton e da maçã que caiu em sua cabeça é talvez a lenda científica mais conhecida da história: O jovem Isaac Newton estava sentado sob uma macieira no jardim de sua casa, quando uma maçã caiu sobre sua cabeça, e de súbito, ele teve um momento de inspiração e daí surgiu a lei da gravidade. A parte da história que conta sobre a maçã cair sobre sua cabeça, provavelmente deve ser apenas anedota. Porém da fruta ter servido como fonte de sua inspiração, com certeza deve ter acontecido de fato.

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

A árvore a partir da qual a famosa maçã caiu, nas terras de Woolsthorpe Manor em Woolsthorpe-by-Colsterworth, em Lincolnshire, Inglaterra. | Crédito da foto

Não há nenhum registro escrito, mas o próprio Newton contou muitas vezes de que a inspiração para formular sua teoria da gravidade foi a observação da queda de uma maçã de uma árvore. Há muitos estudos que analisam essa história. Embora alguns afirmem que a história da maçã é um mito e que ele não chegou à sua teoria da gravidade de maneira repentina.

Conhecidos de Newton, como William Stukeley, cujo relato manuscrito de 1752, disponibilizado pela Royal Society confirmam, de fato, o incidente, embora não a versão caricata de que a maçã bateu na cabeça de Newton. Stukeley registrou em seu Memoirs of Sir Isaac Newton’s Life (Memórias da Vida de Sir Isaac Newton) uma conversa que teve com Newton em Kensington no dia 15 de abril de 1726 em que cita uma história envolvendo a suposta maçã e a ideia da gravitação.

“Depois do jantar, como o tempo estava bom, fomos ao jardim e bebemos chá sob a sombra de uma macieira; só ele e eu. Entre outros discursos, ele me disse que estava na mesma situação quando, no passado, a noção da gravidade lhe veio à mente. Por que deveria a maçã sempre descer perpendicularmente ao chão, pensou ele consigo; por ocasião da queda de uma maçã enquanto sentado em humor contemplativo.

‘Por que ela não cai para o lado, ou para a cima?’ Mas constantemente em direção ao centro da Terra? Certamente a razão é que a Terra a puxa. Deve haver um poder de tração na matéria. E a soma do poder de tração na matéria da Terra deve estar no centro da Terra e não em qualquer lado do planeta. ‘Portanto, a maçã cai perpendicularmente ou em direção ao centro?’ Se matéria dessa forma puxa matéria; deve ser em proporção à sua quantidade. Portanto, a maçã puxa a Terra, tão bem quanto a Terra puxa a maçã”.

Em termos similares, Voltaire escreveu em seu Ensaio Sobre Poesia Épica (1727): “Sir Isaac Newton teve o primeiro pensamento do seu sistema de gravitação ao ver uma maçã cair de uma árvore enquanto caminhava em seus jardins.”

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Woolsthorpe Manor | Crédito da foto

John Conduitt, assistente de Newton na Casa Real da Moeda (Royal Mint) e marido da sobrinha do matemático, também descreveu o evento, quando escreveu sobre a vida de Newton:

“No ano 1666, ele se afastou novamente de Cambridge para a casa de sua mãe em Lincolnshire. Enquanto estava pensativo caminhando em um jardim veio-lhe ao pensamento de que a influência da gravidade (que levou uma maçã de uma árvore ao chão) não era limitada a uma certa distância da Terra, mas que esta influência deve se estender muito além do que se costuma pensar. ‘Por que não tão alto quanto até a Lua?’, disse ele a si mesmo, ‘Isso deve influenciar seu movimento e talvez mantê-la em sua órbita’, ao que ele começou a calcular qual seria o efeito dessa suposição.”

O ano em que este incidente ocorreu, Newton estava hospedado na casa Woolsthorpe Manor, perto de Grantham, em Lincolnshire. O Solar de Woolsthorpe é o local de nascimento e casa da família de Isaac Newton. Ele voltou para a casa de sua mãe em 1666, quando a Universidade de Cambridge fechou devido à peste negra, e foi nesta casa que ele realizou muitas de suas experiências mais conhecidas, principalmente seu trabalho em luz e óptica.

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Um descendente da macieira de Newton no Trinity College, Cambridge. | Crédito da foto

Embora Newton não especificasse exatamente onde observou a queda da maçã, havia uma macieira nos jardins da casa da família, e naturalmente, se assumiu de que era a famosa árvore da maçã. De geração em geração, a árvore foi cuidada desde a década de 1750 por membros da família Woolerton. Em 1816, uma tempestade derrubou a árvore, mas a maior parte do tronco foi deixado como estava e se enraizou.

Atualmente a casa é de propriedade da Fundação Nacional (para Lugares de Interesse Histórico ou Beleza Naturais do Reino Unido). A gerente da casa, Margareth Winn comentou que a macieira é de uma variedade usada em cozinha conhecida como Flor de Kent, e ainda cresce em frente da casa, à vista da janela do quarto de Newton.

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Uma placa sob um descendente da macieira de Newton no Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, EUA. | Crédito da foto

Os enxertos da macieira de Newton foram distribuídos e cultivados por todo o Reino Unido e outros países. Há um espécime – um descendente do cultivo original da árvores no jardim do Departamento de Física da Universidade de York. Outro exemplar cresce próximo ao portão principal do Trinity College, em Cambridge, a poucos metros da janela do lugar em que Newton morava, quando estudava lá. Também pode ser encontrado um exemplar crescendo nos jardins do Instituto Bariloche, em Bariloche na Argentina.

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Um descendente da macieira de Newton em Goobang, Nova Gales do Sul, Austrália. | Crédito da foto

A queda da maçã como é conhecida, foi algo que realmente aconteceu, ou uma história que Newton embelezou ou mesmo inventou? Para Keith Moore, chefe dos arquivos da Royal Society: “Newton foi habilmente aprimorando essa anedota ao longo dos tempos.” “A história foi certamente verdadeira, mas digamos que foi ficando melhor ao ser contada”. A história da maçã se encaixava com a ideia de um objeto em forma de planeta sendo atraído pela Terra. Também tinha uma ressonância com a história bíblica da árvore do conhecimento, e sabe-se que Newton tinha opiniões religiosas extremas, disse o sr. Moore.

Mas mesmo se a história foi invencionice fantástica de um velho homem, o conto da maçã em queda foi registrado na história como o segundo maior “momento eureka” na ciência, depois de Arquimedes, que descobriu como calcular o volume de objetos enquanto estava tomando banho.

Sir Issac Newton e a história da maçã que caiu da árvore

Um descendente da macieira de Newton em Teddington, Londres, Inglaterra. | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3 4

“Viemos girando do nada, espalhando estrelas como pó. As estrelas puseram-se em círculo e nós ao centro dançamos com elas” – Jalal ud-Din Rumi

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 305 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Histórias

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Histórias

Bonnie & Clyde, a dupla infernal

Magnus Mundi14 de Abril de 2018

Vrontados, a cidade da guerra de foguetes

Magnus Mundi13 de Abril de 2018

Nosy Mangabe, a ilha das pedras postais

Magnus Mundi4 de Abril de 2018

Sentinelas da Bretanha

Magnus Mundi31 de Março de 2018

Yap, a ilha da moeda de pedra

Magnus Mundi19 de Março de 2018

Chimi Lhakhang, o templo dedicado ao pênis

Magnus Mundi18 de Março de 2018

Flor de Udumbara, a flor celestial

Magnus Mundi10 de Março de 2018

A escada imóvel do Santo Sepulcro em Jerusalém

Magnus Mundi22 de Fevereiro de 2018

Os navios enterrados sob as ruas de São Francisco

Magnus Mundi22 de Fevereiro de 2018