Estranhos

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Cidades foram pensadas e projetadas, basicamente, para reunir pessoas e alavancar suas vidas. Varanasi, norte da Índia, pode, em princípio, contar com todos os elementos de qualquer outra cidade do mundo. Mas a vida organizada, objetivo elementar do convívio urbano, é ali uma ideia secundária. Varanasi é a cidade da morte. Um lugar onde a vida se alimenta da expectativa da morte. No raiar do dia, fiéis hindus entram na água salgada do Rio Ganges para um banho que, acreditam, fundamenta um longo caminho de libertação de suas almas, uma viagem ao nirvana. O resultado é um estranho ritual de obstinação e desespero, medo e esperança, fé e felicidade. Como só a Índia poderia proporcionar.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Rua de Varanasi e cena típica das ruas da Índia, onde a vaca é sagrada e ninguém a incomoda, mesmo se ela resolver se deitar no meio da rua. Por toda a Índia as ruas são extremamente sujas, e coletas de lixo praticamente não existem. As pessoas fazem suas necessidades em qualquer canto, bem como as centenas de animais soltos. O fedor é grande e o barulho também.

O movimento começa antes do sol nascer. Primeiro vêm os sons – orações dispersas e longínquas, cantos, corpos e barcos entrando na água. O sol, como que para distinguir aqueles pedaço da Índia de todo o resto do país, surge em tons rosados quando alvorece em meio às névoas que cobrem o rio nesse momento mágico do dia. O clima é de mistério. E então vem a luz que revela o rito ancestral: seminus, os indianos começam seu transe. Submergem, bebem a água, retornam, respiram, rezam, se oferecem ao rio. Com potes de bronze, atiram a água do Ganges para todos os lados. Enfim, entorpecidos, saem do rio ensopados de liberdade. Sentam-se nas escadas de pedra, conversam, massageiam-se uns aos outros, besuntam seus corpos de óleo. Sentem-se livres. Prontos para tudo – principalmente para morrer.

O ritual se repete dia após dia. Tem sido assim há pelo menos 2.500 anos, desde que Varanasi, então apenas uma aldeia às margens do Ganges, começou a receber os primeiros peregrinos. Manda a tradição do hinduísmo que, ao menos uma vez na vida, os fiéis sigam até o rio no ponto onde ele banha a cidade. Os hindus acreditam que sua vida está condicionada a um inevitável ciclo de reencarnações, o chamado samsara. Seu maior objetivo é superar esse ciclo, em busca da glória de se atingir o nirvana, o supremo estado de sabedoria oriundo do conhecimento completo de si mesmo e do universo. Em outras palavras, um estágio só conseguido pelos hindus com a libertação da alma, com a morte abençoada em Varanasi, depois de um banho na água sagrada no Ganges. Após serem cremados ali, os hindus devem ter suas cinzas jogadas no grande rio.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Os indianos usam o rio para tudo! No mesmo rio que eles se banham e bebem de sua água, eles defecam e jogam seus mortos. Reza a tradição de que “Aquele que beber da água do Ganges, aquecida pelos raios do sol é libertado de todos os nascimentos e vai para a morada de Hari.

O hinduísmo é a religião majoritária dentro de uma nação que também concentra quase todas as variantes de fé conhecidas no mundo. Segundo país mais populoso do planeta, a maioria dos 1.252 bilhões de habitantes da Índia são hindus, mas ali também convivem 110 milhões de muçulmanos, 22 milhões de cristãos e 8 milhões de budistas, além de adeptos de outras crenças, como os sikhs e os jainistas. Os três deuses soberanos que regem os princípios do hinduísmo, Brahma, Shiva e Visnhu, servem também como referência para dividir a sociedade indiana num sistema de castas, onde a posição de cada indivíduo determina seus direitos e deveres espirituais e sociais.

Extremamente rígido, o sistema de castas por vezes beira a intolerância. As distinções entre os indivíduos são imensas. Por exemplo: são conhecidos como ghats as escadarias de pedras dispostas às margens do Ganges em Varanasi, lugares onde os hindus descansam e se preparam para os banhos. São 84 ghats em Varanasi e elas se espalham por uma extensão de 7,25 quilômetros ao longo da cidade, divididos por dezenas de nomes, cada qual com sua história e importância. O mais visitado é Dasaswamedh, acesso principal do centro para o rio. Mas nenhum ghat é tão impressionante quanto Manikarnika, onde os mortos são cremados para que suas cinzas sejam jogadas no rio.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Há 84 ghats ao longo de 7,25 quilômetros do Rio Ganges, mas apenas dois ou três que fazem a cremação de corpos.

Taís cerimônias respeitam a hierarquia das castas. Por isso, os integrantes da casta superior, os brâmanes, queimam seus mortos num ritual regado a incensos e flores. O corpo, disposto sobre uma maca e coberto com sedas coloridas, é também banhado no rio antes de arder em grandes fogueiras. Já os que pertencem às castas mais pobres, como os sudras, sem dinheiro para pagar a cremação, têm seus cadáveres lançados direto no Ganges. E aqueles que não se incluem em nenhuma das castas – todas originárias de Brahma, o deus responsável pelo princípio criador da vida – os chamados párias, sequer têm o direito de banhar-se no rio. Ou seja, eles jamais podem atingir o nirvana.

Dezenas de templos alinham-se na zona dos ghats, quase todos dedicados a Shiva, deus fecundador e destruidor, muito cultuado em Varanasi. Um deles, Vishwanath, foi concebido para romper com a diferença entre as castas. O marajá Pandit Malaviya, que o construiu em 1776, queria que a religião abdicasse do sistema – não deu certo, mas, pelo menos, o templo ainda hoje admite integrantes de todas as castas.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Manikarnika Ghats, mas conhecido como Burning Ghast, onde cadáveres são queimados sem parar, 24 horas por dia.

Como todos os grandes rios do mundo, o Ganges desvenda paisagens distintas no longo rastro de fertilidade deixado por sua água no norte da Índia. Alimentando o país e sua gente ao longo de 2.575 quilômetros, ele brota das neves do Himalaia, ara planícies desérticas – como na região de Varanasi – rasga florestas e descansa no mar nos estuários repletos de vida selvagem no Golfo de Bengala, já em Bangladesh. Suas virtudes naturais, contudo, têm importância menor dentro da cultura indiana. Vale mais sua vocação divina, que deriva da crença de que ele brota dos cabelos de Shiva – os indianos acreditam que Shiva vive no Himalaia, o que dá um fundamento geográfico à tal crença.

O rio seria, portanto, um meio de ligação entre o divino e o humano. O Ganges, porém, é hoje ele próprio um rio ameaçado de morte. A poluição doméstica e industrial das cidades que corta carregou sua água de detritos. Em Varanasi é fácil entender a questão: os hindus, entre outras coisas, lavam suas roupas no mesmo rio onde purificam sua alma, e o esgoto da cidade é lançado ao rio sem nenhum tratamento. Desde os anos 80, o governo indiano tem tentado, sem muito sucesso, limpar o rio com uma variedade de projetos antipoluentes. Algumas práticas mais simples até “modernizar” ritos ancestrais: para os funerais de Varanasi, já existem crematórios elétricos, menos poluentes, mas obviamente menos tradicionais que as piras de madeira.

Coração do hinduísmo, a cidade é também um dos principais destinos de outra religião oriental: o budismo. No vizinho povoado de Sarnath, o príncipe Sidartha Gautama, o Buda, recebeu a iluminação divina sob a sombra de uma figueira, no começo do século 6 a.C. Desde então, a árvore é replantada sempre que morre – a atual é de 1931. No lugar onde Buda fez o primeiro sermão a seus seguidores foi erguida uma supra, a Dhamekh, um edifício redondo que os budistas circundam durante suas orações.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Em Varanasi, há em torno de 50.000 brâmanes, a casta superior da Índia e que fornecem serviços religiosos para a população.

Sarnath, um centro religioso que atrai budistas do mundo todo, é um gueto de paz e silêncio que contrasta com o barulho das ruas de Varanasi. Numa das áreas menos desenvolvidas do país, uma zona agrícola e super populosa no coração do Estado de Uttar Pradesh, Varanasi é um sinônimo de caos. A cidade não para jamais, num movimento frenético e constante que parece quintuplicar seu 1,3 milhão de habitantes. Mais que isso, o caos iguala, em estreitas ruas de terra, seres humanos em petição de miséria, esmolando, máquinas igualmente precárias (táxis caindo aos pedaços e riquixás) e animais, às vezes donos de uma condição privilegiada na confusão – as vacas, sagradas dentro do hinduísmo, se arrastam sem ser incomodadas, quando não estão deitadas parando a tudo e a todos como se delas dependesse o ritmo da vida na mais fascinante cidade da Índia.

Os banhos no rio sagrado servem como uma espécie de reconhecimento hindu da proximidade da morte, o que faz de Varanasi um lugar sinistro, destino de pessoas irremediavelmente condenadas. As ruas imundas servem como casa para todos. Uma legião de idosos ou doentes terminais abandonam-se nas vielas escuras da parte velha da cidade, ao longo dos ghats mais movimentados. Circulam entre eles os emblemáticos sadhus, homens que se proclamam soberanos por abdicar de tudo para viver pregando sua religião. Esse caos, inerente ao dia-a-dia da Índia, expressa até mesmo a noção de tempo compreendida pela gente errante de Varanasi. A vida cotidiana ali não goza de nenhuma importância. Espera-se o fim do samsara, o ciclo de reencarnações que só se encerra no fundo das águas que banham a cidade. O Rio Ganges – e aqui tal expressão encontra sua mais perfeita tradução – lava a alma dos indianos.

Processo de cremação de um cadáver

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Manikarnika Ghats, é o maior local de cremação de cadáver de Varanasi. Ghat é um termo sul asiático que se refere a uma série de passos que um cadáver deve percorrer até submergir na água.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Turistas assistem os rituais de cremação de barcos. Na imagem se percebe um corpo envolto em uma mortalha laranja, secando nas escadarias depois de ser imerso no rio.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

A pira funerária tradicional requer 300 quilos de madeira para queimar um corpo, embora às vezes nem tudo vire cinzas. A cremação é a forma preferida para eliminação de cadáveres entre os hindus, pois acreditam que o fogo purifica a alma, essencial para o indivíduo se libertar do corpo e assim poder renascer.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Corpo sendo levado para a imersão no Ganges. Mulheres vistas nos locais de cremação são turistas, pois nativas são proibidas nestes locais, porque elas podem chorar e o ritual é para mostrar respeito ao falecido ao invés de tristeza.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Crianças com menos de três anos e homens santos são enterrados ou jogados diretamente no rio, uma vez que não necessitam de purificação espiritual. Também corpos de criminosos e aqueles que cometem suicídios são enterrados, porque os hindus acreditam que eles não podem ser purificados, uma vez que seus pecados são grandes demais. Leprosos ou portadores de varíola e pessoas que morreram de picada de cobras são jogados diretamente no rio, com uma pedra presa ao corpo para puxá-los para baixo, mas nem sempre isso acontece, deixando-os flutuar na água.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Pela tradição hindu, se o ritual não for feito corretamente, a alma não consegue encontrar seu caminho na vida após a morte e volta para assombrar os parentes.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

São os familiares que levam o corpo para a imersão na água. Pelas tradições hindus “Aquele que leva seu pai morto no ombro, nas costas ou carregado, paga a dívida das constantes bondades parentais.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Os corpos ficam secando em torno de duas horas antes de serem cremados. Há um código de cores usados na cremação dos corpos, onde pano branco significa que o corpo é de um homem, vermelho de uma mulher jovem e o dourado de uma mulher mais velha.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Crédito da foto

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Depois de seco, novamente são os familiares que levam o corpo para a pira funerária.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

O local de cremação segue a hierarquia de castas, onde tem quatro níveis diferentes, um para cada casta. A sociedade indiana é dividida em quatro castas: brâmanes (sacerdotes; a mais alta casta), Kshatriyas (soldados, políticos), Vaishya (comerciantes, fazendeiros), Sudras (trabalhadores não qualificados; a casta mais baixa). Uma vez que uma pessoa nasça numa determinada casta, nada pode mudar isso, nem a riqueza.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Para os hindus, a morte é contagiosa e por isso só uma sub classe de “intocáveis” são permitidos tocarem nos cadáveres. Essas pessoas estão fora do sistema de castas e por vezes, são chamadas de gado com dois pés e eles constituem cerca de 16% da sociedade indiana, conhecidos como párias, dalit, jatis e dom. Embora a Constituição da Índia de 1950 determinar que todos os cidadãos são iguais, não conseguiu aboliu o sistema de castas no país. Havia uma época em que os intocáveis precisavam usar um sino para sinalizar sua presença impura. Cerca de 80% dos cristãos indianos são intocáveis.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Os intocáveis que trabalham com os mortos são chamados de Doms. Os indianos dizem que o trabalho de um Dom é tão terrível que quando uma nova criança nasce em sua casta, eles choram e quando um Dom morre, eles celebram. Como só os Dom são autorizados a realizar as cremações, eles acabam estabelecendo um monopólio e tornando-se ricos.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Observe o Dom ao fundo aguardando os familiares colocarem seu ente querido na pira funerária.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

A madeira mais frequente utilizada na cremação é a madeira mango, uma vez que é a mais acessível. Famílias ricas optam por usar madeira de sândalo. Os corpos são queimados com a madeira que a família pode pagar, se não for suficiente, o corpo permanece meio queimado. Os mais pobres, usam às vezes, apenas esterco de vaca ou simplesmente jogam o corpo diretamente no rio.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Os parentes prestam as últimas homenagens ao falecido. O algodão colocado nas narinas dos mortos é para evitar o extravasamento de fluidos corpóreos comuns após o óbito, procedimento muito comum em países que não fazem embalsamento nos mortos.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Como os músculos dos cadáveres se contraem com o calor, fazendo-os às vezes sentarem-se ao serem queimados, são colocados troncos pesados sobre o peito da pessoa morta. Também é despejado incenso e outras substâncias.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

É despejado pó de sândalo para inibir o cheiro de cabelo queimado.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Manteiga clarificada (e comestível) chamada glee é despejada na madeira para que pegue fogo facilmente. No passado, a ghee também era usada para preencher o corpo antes da cremação

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

A pessoa que acende a pira é provavelmente o filho mais velho (ou o parente mais próximo do sexo masculino) Ele se veste de branco e raspam a cabeça em sinal de respeito. A esposa ou marido raspam no dia do velório, e outros familiares esperam alguns dias para fazê-lo.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Em pouco tempo, a maior parte da pira está em chamas. Demora de três a quatro horas para um corpo queimar.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Os hindus acreditam que a alma deixa o corpo quando o crânio rache devido ao calor. Se isso não ocorrer naturalmente, alguém irá quebrá-lo com uma vara de bambu. Eles também utilizam a vara para quebrar ossos grandes que teimam em não se desintegrar com o fogo, como a pelve, esterno ou o fêmur. As vezes, a pessoa ergue o esqueleto no ar e em seguida de volta ao solo com força, dividindo-o para queimar melhor. Não acostumados com as tradições, para os turistas, a visão disso é difícil de suportar.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Após a cremação, as cinzas e restos do corpo são recolhidos e jogados na água do Ganges.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Foram soltas no rio milhares de cágados para devorar os restos humanos. Elas pesam até 35 quilos e foram treinadas para não incomodar as pessoas que se banham no Ganges. Neste local, foram espalhadas as cinzas do ex Beatle, George Harrison.

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Corpo inchado flutuando na água ou largados pelas margem do rio é uma cena mórbida para os turistas, mas algo sem importância aos indianos. Não é raro, ver um cachorro carregando na boca algum osso humano.

Morte está por todos os lugares de Varanasi. Se respira a poeira dos corpos sendo queimados nos ghats; se ouve o canto do povo pelas ruas em direção ao rio carregando entes queridos envolto em panos e flores coloridas. O processo de queima de corpos continua incessantemente 24 horas como uma espécie de fábrica mórbida; as viúvas idosas esperar pacientemente em um albergue próximo para a sua vez de morrer. A vida continua insensível à morte. Para o hindu, ela não é grande coisa, porque a pessoa vai voltar em breve esperançosamente em uma vida melhor. Ou melhor ainda, pode conseguir o ”moksha”, ou libertação.

Fonte: Revista Terra nº 09

Outras fontes: 1 2 3

Crédito das fotos: Michael Huniewicz

Texto originalmente publicado em 6 de novembro de 2015

Faça nosso trabalho valer a pena! O seu comentário é o que nos move.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 2056 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. mauro

    9 de novembro de 2015 às 19:40

    Meu Deus, quanta pobreza, porém cada um com sua cultura e temos que respeitar.

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Estranhos

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Lanternes des morts, as lanternas dos mortos da Europa

Magnus Mundi26 de setembro de 2017

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

A espada legendária na pedra de São Galgano

Magnus Mundi10 de Maio de 2017

The Bubblegum Alley, o beco mais repugnante da Califórnia

Magnus Mundi6 de Janeiro de 2017

Torres do Silêncio, o estranho ritual da morte

Magnus Mundi21 de dezembro de 2016

As vilas dos mortos ao leste da Sérvia

Magnus Mundi26 de novembro de 2016

Le Palais Bulles, o palácio de bolhas

Magnus Mundi18 de outubro de 2016

Petrifying Well, onde tudo vira pedra!

Magnus Mundi7 de outubro de 2016