Arqueológicos

A pedra dividida de Al Naslaa

A pedra dividida de Al Naslaa

Há muitas ocorrências naturais que podem deixar qualquer um desconfiado se aquilo realmente foi criado pela natureza, ou é obra humana no decorrer dos anos. A quem diga também que pode ser obra de algum extraterrestre brincalhão. A pedra Al Naslaa, localizada no oásis de Tayma na Arábia Saudita é um desses fenômenos da natureza, que deixa qualquer pessoa com ‘pulgas atrás da orelha’. Recentes descobertas arqueológicas, mostram que Tayma foi habitada desde os tempos antigos e a pedra de Al Naslaa por conter pinturas rupestres é uma das formações rochosas mais fotografadas da região.

A pedra dividida de Al Naslaa

De acordo com os geólogos, a fenda perfeita entre as duas pedras e as faces planas de um dos lados das pedras são completamente naturais. O mais provável é que o chão se moveu ligeiramente debaixo de um dos dois suportes, fazendo a pedra se dividir. Outra teoria é de que pode ser um dique vulcânico, que era composto de algum mineral mais fraco, que com o correr dos anos, acabou se desfazendo, criando o espaço vazio entre as pedras.

Também o que ter dividido a pedra seria a pressão sobre uma antiga rachadura natural. Na pedra da direita, pode ser observado uma dessas rachaduras em diagonal, que um dia poderá romper aquela parte da pedra. E por último, uma antiga falha da rocha que com qualquer movimento do solo, tenha enfraquecido aquela área da pedra, que com o tempo é corroída mais facilmente que o restante da rocha circundante.

A pedra dividida de Al Naslaa

O oásis de Tayma foi um importante ponto de encontro para os comerciantes e caravanas. Antigamente, era um vasto oásis habitado, com uma fortaleza cercada por um muro de pedras sobre uma colina que controlava as rotas comerciais que cruzavam o deserto entre as cidades de Yathrib (Medina) e Dumah. Atualmente é um sítio arqueológico de 500 hectares, localizado a 830 metros acima do nível do mar e a 220 quilômetros de distância da cidade de Tabuk e a 400 quilômetros de Medina. A água do poço de Tayma era chamado de Bir Haddaj, e caiu em desuso há muitos séculos. Em 1953, o Rei Saud colocou quadro bombas de água no oásis e reativou a área inteira para pequenos agricultores.

Em 2010, a Comissão Saudita de Turismo e Antiguidades anunciou a descoberta de uma rocha perto de Tayma com uma inscrição hieroglífica do faraó do Egito Ramsés III.

A pedra dividida de Al Naslaa

A pedra dividida de Al Naslaa

Crédito das fotos: www.saudi-archaeology.com

Fonte: 1 2

“Há mais mistérios entre o Céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia.” – William Shakespeare

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1061 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arqueológicos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Arqueológicos

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Monte Testácio, o depósito de lixo com 2.000 anos

Magnus Mundi14 de maio de 2018

Nosy Mangabe, a ilha das pedras postais

Magnus Mundi4 de abril de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Cueva de las Manos, a caverna das mãos na Patagônia

Magnus Mundi8 de janeiro de 2018

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Magnus Mundi12 de novembro de 2017

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017