Inusitados

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo budista Wat Pa Maha Chedi Kaew, também conhecido como o “Templo de um milhão de garrafas“, fica na Tailândia, perto da fronteira com o Camboja no distrito de Khun Han, província de Sisaket, realmente nos surpreende pelo seu formato. Para construí-lo, foram usadas mais de um milhão e meio de garrafas de cerveja das marcas Heineken (de cor verde) e Chang (de cor marrom), as preferidas na região.

O templo de um milhão de garrafas

As garrafas começaram a ser utilizadas em 1984, para decorar os quartos dos monges e como castiçais para velas. Para dar um exemplo de reciclagem, os monges mobilizaram os habitantes da região em uma operação de limpeza nos córregos e rios, bem como em suas casas na coleta de garrafas. Mas tarde, o governo enviou a eles uma quantidade substancial de garrafas e assim a utilização das garrafas culminou nessas interessantes construções. Nem as tampinhas não são desperdiçadas, pois elas são utilizadas para decorar murais. Demorou dois anos para os monges construir o templo principal e depois continuaram a construção de outros edifícios, todos utilizando as garrafas como material e em 2009 já tinham construído mais de 20 edifícios adjacentes ao templo.

O templo de um milhão de garrafas

Uma história, diz que o dono da Heineken, certo dia pensou em mudar o formato de suas garrafas, deixando-as mais quadradas, para que pudessem ser usadas ​​como blocos de construção. Isso não aconteceu, mas também não impediu dos monges no templo da Tailândia, de usarem as garrafas como material de construção.

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

Fonte: 1

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 168 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Inusitados

Pedras da fome, as advertências do passado

Magnus Mundi2 de fevereiro de 2019

Juhyo, os monstros de neve do Monte Zao

Magnus Mundi1 de fevereiro de 2019

Lago Kingsley, o lago de um círculo perfeito

Magnus Mundi31 de janeiro de 2019

The Fence, o objeto mais pintado do mundo

Magnus Mundi14 de janeiro de 2019

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelos romanos

Magnus Mundi13 de janeiro de 2019

Stepwells, os poços em degraus da Índia

Magnus Mundi6 de janeiro de 2019

Uluru, a segunda maior pedra do planeta

Magnus Mundi7 de dezembro de 2018

Fuerteventura e a praia da pipoca das Ilhas Canárias

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

El Tatio, o maior gêiser do hemisfério sul

Magnus Mundi4 de dezembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up