Inusitados

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo budista Wat Pa Maha Chedi Kaew, também conhecido como o “Templo de um milhão de garrafas“, fica na Tailândia, perto da fronteira com o Camboja no distrito de Khun Han, província de Sisaket, realmente nos surpreende pelo seu formato. Para construí-lo, foram usadas mais de um milhão e meio de garrafas de cerveja das marcas Heineken (de cor verde) e Chang (de cor marrom), as preferidas na região.

O templo de um milhão de garrafas

As garrafas começaram a ser utilizadas em 1984, para decorar os quartos dos monges e como castiçais para velas. Para dar um exemplo de reciclagem, os monges mobilizaram os habitantes da região em uma operação de limpeza nos córregos e rios, bem como em suas casas na coleta de garrafas. Mas tarde, o governo enviou a eles uma quantidade substancial de garrafas e assim a utilização das garrafas culminou nessas interessantes construções. Nem as tampinhas não são desperdiçadas, pois elas são utilizadas para decorar murais. Demorou dois anos para os monges construir o templo principal e depois continuaram a construção de outros edifícios, todos utilizando as garrafas como material e em 2009 já tinham construído mais de 20 edifícios adjacentes ao templo.

O templo de um milhão de garrafas

Uma história, diz que o dono da Heineken, certo dia pensou em mudar o formato de suas garrafas, deixando-as mais quadradas, para que pudessem ser usadas ​​como blocos de construção. Isso não aconteceu, mas também não impediu dos monges no templo da Tailândia, de usarem as garrafas como material de construção.

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

Fonte: 1

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 158 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inusitados

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

A solitária capela dentro do vulcão de Santa Margarida

Magnus Mundi9 de junho de 2018

As pilhas de ossos do cemitério Colon em Havana

Magnus Mundi7 de junho de 2018

Baldwin Street, considerada a rua mais inclinada do mundo

Magnus Mundi1 de junho de 2018

Ko Panyi, aldeia flutuante da Tailândia

Magnus Mundi26 de maio de 2018