Inusitados

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo budista Wat Pa Maha Chedi Kaew, também conhecido como o “Templo de um milhão de garrafas“, fica na Tailândia, perto da fronteira com o Camboja no distrito de Khun Han, província de Sisaket, realmente nos surpreende pelo seu formato. Para construí-lo, foram usadas mais de um milhão e meio de garrafas de cerveja das marcas Heineken (de cor verde) e Chang (de cor marrom), as preferidas na região.

O templo de um milhão de garrafas

As garrafas começaram a ser utilizadas em 1984, para decorar os quartos dos monges e como castiçais para velas. Para dar um exemplo de reciclagem, os monges mobilizaram os habitantes da região em uma operação de limpeza nos córregos e rios, bem como em suas casas na coleta de garrafas. Mas tarde, o governo enviou a eles uma quantidade substancial de garrafas e assim a utilização das garrafas culminou nessas interessantes construções. Nem as tampinhas não são desperdiçadas, pois elas são utilizadas para decorar murais. Demorou dois anos para os monges construir o templo principal e depois continuaram a construção de outros edifícios, todos utilizando as garrafas como material e em 2009 já tinham construído mais de 20 edifícios adjacentes ao templo.

O templo de um milhão de garrafas

Uma história, diz que o dono da Heineken, certo dia pensou em mudar o formato de suas garrafas, deixando-as mais quadradas, para que pudessem ser usadas ​​como blocos de construção. Isso não aconteceu, mas também não impediu dos monges no templo da Tailândia, de usarem as garrafas como material de construção.

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

O templo de um milhão de garrafas

Fonte: 1

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 163 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Inusitados

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Magnus Mundi6 de outubro de 2018

Os moradores das copas das árvores da floresta de Hambach

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Monte Kali, a montanha branca de sal

Magnus Mundi27 de setembro de 2018

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018
Scroll Up