Arte

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A grande maioria dos grafiteiros nunca teve a chance de pintar uma figura humana medindo uma área de 30.000 metros quadrados, mas a maioria deles também não usa grande campos verdes em montanhas e pastos como tela. Já o artista suíço Guillame Legros, mais conhecido como Saype, cria pinturas temporárias em campos, usando uma tinta especial biodegradável que ele mesmo desenvolveu depois de um ano fazendo testes até conseguir a textura e a consistência certa. Ele usa uma mistura de óleo de linhaça, água e farinha, misturado com pigmentos naturais.

A arte biodegradável do suiço Saype

Com ajuda de uma pistola de tinta, o artista espalha grandes quantidades de pigmento de cada vez sobre a grama bem aparada, para que seu trabalho dure o máximo que puder. A taxa de crescimento da grama e o clima é que determinam quanto tempo cada “afresco”, como Saype chama suas pinturas, vão durar, se apenas algumas semanas, ou mais de um mês.

A pintura feita de 2016, chamada “Un Grand Homme“, retratando um cavalheiro vestindo um chapéu e suspensórios fumando um cachimbo e olhando o vale abaixo, feita no topo da colina de Leysin, na Suíça, medindo 14.ooo metros quadrados bateu o recorde mundial por seu tamanho, enquanto a pintura de 2018, chamada “Present by Future“, criada para o Festival Eurockéennes em Belfort, França, foi o seu trabalho mais complexo.

A arte biodegradável do suiço Saype

Como muitos artistas contemporâneos, Guillame Legros começa com uma fotografia do assunto e faz um reconhecimento aéreo do campo. Depois com precisão meticulosa e um planejamento, ele e sua equipe colocam estacas e fitas, esquadrinhando uma área em quadrados menores, como artistas fazem, quando querem aumentar uma imagem.  Ele e sua equipe começaram a pintar o campo, um quadrante de cada vez, sempre verificando o progresso com a ajuda de um drone, e assim poder fazer as correções necessárias. Em média, cada pintura demora três meses e são utilizados 650 litros de tinta.

A arte biodegradável do suiço Saype

Fascinado pela filosofia e pelas questões que poderíamos chamar de existenciais, sua pintura explora, na maior parte das vezes, problemas em torno do ser humano“, está escrito em uma de suas biografias e continua: “Seu trabalho é para ele uma maneira de compartilhar sua visão do mundo e nos convida a pensar sobre nossa natureza profunda, nosso espírito, nosso lugar na Terra e na sociedade“.

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

A arte biodegradável do suiço Saype

Fontes: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 75 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Ver Comentários (2)

2 Comentários

  1. Pingback: A arte biodegradável do suiço Saype – Digitado

  2. Pingback: A arte biodegradável do suiço Saype | TugaLink

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arte

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Arte

Leão Oriental, a maior escultura de madeira do mundo

Magnus Mundi17 de março de 2018

The Kelpies, o monumento aos espíritos da água

Magnus Mundi9 de março de 2018

Michelangelo e a Capela Sistina

Magnus Mundi5 de fevereiro de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Magnus Mundi12 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Fordite, as joias feitas com tinta

Magnus Mundi16 de setembro de 2017

Victor Noir, uma estátua com uma ereção post mortem

Magnus Mundi23 de julho de 2017

Os gigantes esquecidos de Thomas Dambo

Magnus Mundi7 de maio de 2017
Scroll Up