Ginkgo biloba, conhecida também como nogueira do Japão, árvore avenca ou simplesmente ginkgo, de origem chinesa, é uma árvore considerada um fóssil vivo, pois existia já no tempo dos dinossauros, há mais de 150 milhões de anos. É símbolo de paz e longevidade por ter sobrevivido às explosões atômicas no Japão.

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

Foi descrita pela primeira vez pelo médico alemão Engelbert Kaempfer por volta de 1690, mas só despertou o interesse de pesquisadores após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando perceberam que a planta tinha sobrevivido à radiação em Hiroshima, brotando no solo da cidade devastada. Suas folhas têm sido frequentemente usadas no combate aos radicais livres e como auxiliar da oxigenação cerebral.

A ginkgo é usada em medicamentos que estimulam o cérebro e regula os mecanismos circulatórios do corpo, facilitando o fluxo sanguíneo arterial. Suas sementes também são usadas em um prato vegatariano chamado “buddha’s delight” (prazer do Buda, em português).

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

São árvores caducas, isto é, que perdem todas as folhas no inverno. Atingem uma altura de 20 a 35 metros (alguns espécimes, na China, chegam a atingir os 50 metros).

Foram, durante muito tempo, consideradas extintas no meio natural, mas, posteriormente verificou-se que duas pequenas zonas na província de Zhejiang, na República Popular da China, albergavam exemplares da espécie. Hoje, a planta existe em praticamente todos os continentes e no Brasil há exemplares produzidos de sementes.

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

Uma árvore de ginkgo de 1.400 anos na China tem atraído todos os anos no outono, milhares de pessoas a montanha Zhongan. Folhas douradas têm caído no terreno desde meados de novembro, virando o terreno do templo em um oceano amarelo. A antiga árvore cresce ao lado do Templo budista Gu Guanyin e é uma celebração perfeita naquela época do ano.

Acredita-se que a árvore tenha sido plantada durante a Dinastia Tang, entre 618 e 907 d.C. Devido à sua idade avançada e outras peculiaridades, agora está na lista de árvores notáveis e protegidas.

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

A chuva de ouro no templo Gu Guanyin

Fonte: 1 2

Artigo publicado originalmente em dezembro de 2015

Postagens por esse mundo afora

Leia também:

Hibaku Jumoku, às árvores sobreviventes de Hiroshima

A árvore leprosa de Malawi

A Árvore de Teneré, a árvore solitária

Visualização: 849 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado