Estranhos

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Longe das luzes e glamour da vizinha ilha de Manhattan em Nova Iorque, nos Estados Unidos, Hart Island é a ilha de homens e mulheres esquecidos e crianças rejeitadas por um sistema cruel e insensível, onde nem mesmo os mortos têm direito a um enterro religioso.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Sem acesso ao público desde 1976, quando o Departamento de Correções assumiu o controle da ilha, ela é desconhecida pela maioria dos nova iorquinos, Hart Island é uma ilha com quase dois quilômetros de extensão no estremo oeste de Long Island Sound, no nordeste do Bronx – tem sido um dos segredos mais bem guardados.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Conhecido como “Potter’s Field“, é um cemitério da cidade para aqueles que não podem pagar pelo enterro, ou cuja identidade são desconhecidas. Desde 1869, já foram enterradas na ilha entre 900.000 a 1.000.000 pessoas entre pobres, indigentes e sem tetos, tornando-se o maior cemitério em vala comum do mundo. Os mortos da Guerra Civil Americana foram os primeiros a serem enterrados na ilha. Por muito tempo, a ilha particular, e mais tarde, foi comprada pela cidade e transformada em cemitério público para os pobres.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Além dos detentos que trabalham na ilha, que chegam diariamente a ilha, apenas algumas poucas pessoas já visitaram este cemitério. Uma mais razões é óbvia, impedir a fuga dos detentos e a outra é que o sistema prisional só dá acesso a ilha mediante a apresentação de um atestado de óbito e como a grande maioria dos que são enterradas lá, são indigentes e anônimos, poucos são os que querem ir e os curiosos são desencorajados com placas de advertências “Keep Off“.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Mesmo com permissão, o único lugar acessível ao público é um pequeno mirante, que fica a vinte metros do cais e é cercado com barreiras, que os detentos chamam de ‘poleiro‘ e mesmo ali, celulares, tablet e fotos são proibidas. A ilha já foi prisão para soldados confederados, hospício para os pobres, asilo feminino e até mesmo base de mísseis durante a guerra fria.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island é mantida pelo Departamento de Correções, que traz presos de Rikers Island e pagam cinquenta centavos de dólar por hora para cavar túmulos e empilhar caixões de madeira simples nas sepulturas – cerca de 2.000 enterros são feitos a cada ano e as sepulturas são valas comuns com quatro metros de largura, com 1,5 metros de profundidade e que podem comportar cerca de 150 adultos ou 1.000 crianças.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Mas a quantidade de pessoas que já foram enterradas na ilha, ninguém sabe ao certo. Em vários incêndios, parte de livros e lápides de madeira queimaram. E nos registros sobreviventes, existem muitos erros e imprecisões. Tudo isso levou a um escândalo, quando surgiram várias violações, como resultado das quais as pessoas não puderam obter informações sobre seus filhos ou parentes, que estavam desaparecidos ou morreram em hospitais, sem os quais, são sabiam, suas identidade.

Uma investigação revelou que muitos foram enterrados em Hart Island, mas não relataram nada a seus familiares. O destino de muitos outros ainda é desconhecido.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

De acordo com Melinda Hunt, fundadora da organização “Hard Island Project” que ajuda famílias a encontrar seus familiares mortos, luta contra a gestão de enterros em valas comuns pelo sistema prisional.

Graças a Melinda, Laurie Grand encontrou seu filho em 2011, que morreu em 1993, após uma gravidez difícil. Laurie disse ao jornal “Le Figaro” que: “Eu ainda estava sob a influência de drogas quando me fizeram assinar um documento, dizendo que ele seria enterrado pelo município, sem me explicar que seria numa vala comum“.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Infelizmente, isso acontece com muitas mulheres. Laurie entrou na justiça para forçar o sistema prisional lhe permitir visitar o túmulo de seu filho. “Proibir uma mãe de visitar o túmulo de seu filho, não é digno de uma democracia como os Estados Unidos” completou ela.

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque

Fonte: 1 2 3

Artigo publicado originalmente em abril de 2015

Leia também: Père-Lachaise, onde os mortos nunca descansam

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1407 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Hart Island, a ilha dos mortos de Nova Iorque – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Estranhos

Os esqueletos decorados das catacumbas romanas

Magnus Mundi11 de fevereiro de 2020

Khuk Khi Kai, a prisão de cocô de galinha

Magnus Mundi24 de dezembro de 2019

Highgate, o cemitério maldito

Magnus Mundi25 de julho de 2019

Triora, a terra das bruxas na Itália

Magnus Mundi25 de maio de 2019

Shell Grotto, a misteriosa gruta da Inglaterra

Magnus Mundi14 de janeiro de 2019

Roswell: O que caiu aqui?

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Crazy House, a casa de contos de fadas

Magnus Mundi31 de outubro de 2018

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up