Animais

A minhoca gigante de Gippsland

A minhoca gigante de Gippsland

A Minhoca Gigante de Gippsland (Megascolides australis), é uma das mil espécies de minhoca nativa da Austrália. É uma minhoca de grandes dimensões, mediando em média 80 centímetros de comprimento e dois centímetros de diâmetro, podendo atingir os três metros de comprimento na fase adulta, com peso aproximado de 700 gramas ou mais, sendo considerado o maior invertebrado do mundo. Seu corpo é capaz de expandir e contrair fazendo com que elas se pareçam muito maiores.

Possuem uma cabeça de cor púrpura escuro e um corpo de cor rosa acinzentado. Vivem no subsolo de terrenos argilosos e úmidos, num sistema de tocas construídos por elas e são localizados, principalmente nas margens dos rios por conta da alta umidade. Usando sua cabeça muscular para mastigar o substrato enquanto ingerem fungos, bactérias e outros micróbios. Elas não tem dentes, mas tem uma moela, onde pequenas rochas que o verme comeu ajudam a moer alimentos, como alguns pássaros. Os resíduos que expulsam na outra extremidade, bloqueiam suas tocas.

Têm uma longevidade elevada para um invertebrado, chegando a maturidade com cinco anos, mas alguns casos, podem chegar até mais de uma década. Reproduzem-se nos meses mais quentes, na primavera e verão, produzindo ovos encasulados, com apenas um ovo de cada vez, que leva 14 meses em média para eclodir. Seus filhotes já nascem com um tamanho considerável de aproximadamente vinte centímetros de comprimento, e crescem rapidamente. Raramente sobem para a superfície, mantendo-se escondidas em covas com 1,5 metros de comprimento. Tais túneis podem variar entre três a cinco metros de profundidade.

A minhoca gigante de Gippsland

Tais vermes gigantes foram descobertos e descritos pelo pesquisador e biólogo Frederick McCoy em 1878, quando a região começou a ser povoada. Na época se acreditava que as minhocas gigantes era obra de alguém que grudava extremidades de várias outras minhocas menores, fazendo com que o verme tivesse o comprimento mais extenso. Naquela época também, a quantidade desse animal era abundante e atualmente são só encontrados na argila úmida ao longo do rio Bass. É muito fácil de confundir essa espécie de minhoca com cobras devido ao seu tamanho, mas basta se aproximar do verme para observar os anéis característicos, inerentes a todas as minhocas, anéis esses que podem chegam a 300.

Apesar de quantidade desta espécie de minhocas ter diminuído drasticamente nas últimas décadas, se consegue encontrar vários exemplares adultos em um metro cúbico de solo. Entretanto, é muito raro encontra-las. Elas só aparecem se seu habitat for afetado de alguma forma, como por exemplo, chuvas intensas ou quando o local sofre deslizamento de terra. A presença de um verme desses abaixo do solo é fácil de reconhecer devido a um som característico, semelhante a crepitar e esse barulho é devido o atrito do corpo da minhoca pelas paredes duras e escorregadias dos túneis. Apesar de parecerem extremamente fortes, essas minhocas são muito frágeis e a manipulação incorreta pode esmagá-las e até matá-las.

Os cientistas acreditam que o crescimento lento, combinado com a pequena distribuição na natureza e a vida sexual de apenas um casulo por ano, representam um sério problema na reprodução da espécie. Bem como a colonização europeia na região de Gippsland aumentou o problema, devido aos efeitos da agricultura, com o envenenamento do solo pelos adubos ou mesmo cortado acidentalmente o verme na preparação do terreno para a plantações, e atualmente a espécime é protegida por lei. No parque Wildlife Wonderland Park, perto de Bass, Victoria, se encontra o museu Giant Earthworm Museum. O museu em forma de uma minhoca gigante de concreto tem como objetivo estudar a vida dessas criaturas, e os visitantes podem ver numa simulação de como funciona o sistema digestivo do verme.

A minhoca gigante de Gippsland

A minhoca gigante de Gippsland

A minhoca gigante de Gippsland

O museu Giant Earthworm Museum em forma de minhoca | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“É o medo do desconhecido que impele todo mundo para os sonhos, para as ilusões, para as guerras, para a paz, para o amor, para o ódio. Tudo isto é ilusão. É isto o desconhecido. Aceite o desconhecido e será uma viagem tranquila”. – John Lennon

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 242 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

O valioso sangue azul do caranguejo-ferradura

Magnus Mundi11 de junho de 2018

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de março de 2018

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de janeiro de 2018

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de janeiro de 2018
Enguia-lobo, o marido ideal

Enguia-lobo, o marido ideal

Magnus Mundi2 de janeiro de 2018

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017