Arte

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O jovem padeiro tailandês Kittiwat Unarrom que, através de uma minuciosa técnica de moldagem e uso de corantes comestíveis, transforma a massa de pão comum em uma fiel reprodução de partes do corpo humano, parte esta tão delicadamente e detalhadamente reproduzida que chega a assustar e provocar náuseas nos mais despercebidos que entram em sua padaria pensando ser aquele lugar um estabelecimento comum.

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

Desde 2006 em Ratchaburi na Tailândia, ele usa massa de pão como seu material para esculpir mãos, pés, cabeças, torsos e outras partes do corpo, tudo totalmente comestível e a venda na padaria de sua família. Ele esculpi e pinta tão habilmente cada pedaço de partes humanas que choca os clientes que pela primeira vez que vê as peças expostas no balcão. A falta de cabelo e o sangue falso faz parecer que eles na realidade estão em algum laboratório forense.

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

Seus pães possuem as formas e tamanhos em escalas reais aos originais e Kittiwat passou um bom tempo estudando anatomia e visitando museus forenses e, ao mesmo tempo que trabalhava para melhorar o sabor de suas obras de arte. Os pães são apresentados em versões mais simples ou até mesmo recheados com passas, castanha de caju ou chocolate.

Minha família está no negócio de padaria há muito tempo e eu aprendi a cozinhar quando tinha uns 10 anos“, diz Kittiwat. “Pão em forma de partes humanas pode mostrar ao público como é transitória a vida. Além disso, o meu pão ainda é pão não importando como olhamos para ele.” Kittiwat, que tem mestrado em artes plásticas e ajuda no negócio caseiro da família com seu criativo e assustador “pão da morte”.

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

O pão da morte de Kittiwat Unarrom

Facebook do artista

Fonte: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 836 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arte

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Arte

A arte biodegradável do suiço Saype

Magnus Mundi8 de setembro de 2018

Leão Oriental, a maior escultura de madeira do mundo

Magnus Mundi17 de março de 2018

The Kelpies, o monumento aos espíritos da água

Magnus Mundi9 de março de 2018

Michelangelo e a Capela Sistina

Magnus Mundi5 de fevereiro de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Magnus Mundi12 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Fordite, as joias feitas com tinta

Magnus Mundi16 de setembro de 2017

Victor Noir, uma estátua com uma ereção post mortem

Magnus Mundi23 de julho de 2017