Coisas

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Ferrocarril Central Andino, nas Cordilheira dos Andes, no Peru é a segunda ferrovia mais alta do mundo, e uma das mais notáveis, devido aos grandes desafios técnicos enfrentados e superados ao se construir a ferrovia. A estrada de ferro começa na cidade portuária de Callao, quase ao nível do mar, depois passa por Lima, capital do país e então alcança o pico de 4.818 metros de altitude na passagem de Anticona (Ticlio, Lima).

Continua até chegar à cidade mineira de La Oroya, onde a ferrovia se divide em duas rotas: uma para Cerro de Pasco e a outra para Huancayo e Huancavelica. O percurso ao longo desta rota é uma grande atração para os entusiastas de trens, com 58 pontes, 69 túneis – incluindo o segundo maior túnel ferroviário do mundo – e seis descidas em ziguezagues.

Uma das pontes mais famosas encontradas ao longo da linha de Lima para La Oroya é a ponte El Infiernillo ou “Little Hell”, que significa Pequeno Inferno, localizada em um estreito desfiladeiro entre dois túneis. Os trilhos emergem de um túnel em um penhasco vertical, atravessam a ponte e imediatamente entra em outro túnel em um penhasco vertical. Debaixo da ponte flui o Rio Rimac, e adjacente a ele circula a rodovia principal “Carretera Central”.

A ponte está localizada a uma altitude de 3.300 metros acima do nível do mar e a 129,5 de Callao. Foi construído em 1908 pela “American Bridge Company” e tem um comprimento de 62,78 metros. O túnel em suas duas extremidades dá à ponte a aparência mais dramática. A ferrovia levou quase 40 anos para ser construída.

A construção começou em 1870 e foi concluída em setembro de 1908. A ideia de uma ferrovia naquelas atitudes foi do empresário americano Henry Meiggs. Já o projeto da rota foi do engenheiro polonês Ernest Malinowski e a equipe de construção era formada por uma força de trabalho multinacional, 50% chinesa, 40% peruana e 10% chilena.

Fontes: 1 2 3

“Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam” – Jack Kerouac

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 42 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coisas

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Coisas

Os naufrágios do lago Huron

Magnus Mundi5 de maio de 2018

A evolução das bicicletas e as bizarras bicicletas de 1948

Magnus Mundi21 de abril de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

Yap, a ilha da moeda de pedra

Magnus Mundi19 de março de 2018

The Kelpies, o monumento aos espíritos da água

Magnus Mundi9 de março de 2018

Os navios enterrados sob as ruas de São Francisco

Magnus Mundi22 de fevereiro de 2018

Stretcher fences, as macas usadas como cercas na Inglaterra

Magnus Mundi6 de fevereiro de 2018

Völkerschlachtdenkmal, o Monumento da Batalha das Nações

Magnus Mundi29 de janeiro de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018