Animais

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

Todo final de outubro, 120 milhões de caranguejos vermelhos (Gecarcoidea natalis) invadem a costa e as águas da Ilha Christmas, um pequeno paraíso no Oceano Índico, a 360 quilômetros ao sul da Indonésia. Possessão australiana de 135 km² – o equivalente a cinco ilhas de Fernando de Noronha – Christmas tem praias de águas mornas, bordadas de altas falésias de calcário, e uma imensa floresta tropical que cobre 3/4 do território. Até 1988, a ilha era inabitada.

A descoberta de importantes jazidas de fosfato motivou o aparecimento de um pequeno povoado, que hoje não passa dos 2 mil (2011) habitantes. O lugar é famoso pelos pássaros raros e pelas quinze espécies de caranguejos que vivem nas matas úmidas.

A saga dos caranguejos vermelhos

Durante onze meses predomina a calma na Ilha Christmas. Junto com a temporada de chuva, que começa em fins de outubro, começa também o sufoco dos moradores. Eles fecham cuidadosamente as portas e janelas e evitam pôr os pés fora de casa. É quando o exército vermelho inicia a migração das matas para os lugares de reprodução, nas praias, migração essa sendo descrita como um das maravilhas do mundo animal. No seu rastro não sobra nada. Predominantemente vegetarianos, eles devoram folhas mortas, frutos e flores.

Alguns mal-humorados são capazes de comer pássaros mortos ou até bitucas de cigarro ainda acesas. Até o momento não há registro de ataques a seres humanos. Por incrível que pareça, os caranguejos vermelhos – a espécie mais populosa da ilha – são a melhor garantia da manutenção do ecossistema de Christmas. É que seus excrementos fertilizam a terra.

A saga dos caranguejos vermelhos

A expedição dos caranguejos vermelhos até a praia dura vinte dias. Pelo menos um milhão deles morrem atropelados nas ruas ou queimados nos trilhos escaldantes de trem. Mas as baixas representam menos de 1% do total e não chegam a ameaçar a proliferação da espécie. À frente da procissao vão os machos mais velhos, seguidos das fêmeas e dos jovens. Depois de atravessar o povoado, é hora de descer falésias de até 200 metros para chegar à costa. Em poucas horas as praias ficam parecendo campos minados. Cada um dos milhões de buracos cavados pelos machos abriga um casal.

Depois de acasalar, os maridos voltam a floresta. As fêmeas ficam dentro dos nichos mais doze dias protegendo os ovos fecundados (cem mil cada) e seguem de volta às matas após depositar as larvas no mar. É quando a caranguejada (adultos mais as larvas) atinge a espetacular cifra de 120 milhões.

A saga dos caranguejos vermelhos

Os filhotinhos, nesta fase, parecem minúsculos camarões e fazem a felicidade dos peixes dos recifes. Em certos anos, vítimas dos predadores e de correntes marítimas contrárias, milhões de larvas não conseguem escapar. Somente depois de 25 dias no oceano as larvas transformam-se em pequeninos caranguejos. Eles surfam até a praia e instintivamente rumam para a floresta e desaparecem em afloramentos rochosos, galhos de árvores caídos e escombros no chão, para os próximos três anos.

Chegam ao destino os que escapam dos trens, dos carros e das garças, que se deliciam com a minúscula iguaria. De novo, não é o momento de deixar as janelas abertas. Estoicamente, os habitantes armam-se de vassouras e expulsam os invasores. Depois, tudo volta à ordem. O exército vermelho recolhe-se dentro da floresta para a temporada de inverno. As chuvas limpam completamente a sujeirada nas rotas dos bichos escarlates e a vida segue em frente.

Para proteger os caranguejos de serem esmagados por veículos, a equipe do Parque Nacional de Ilha Christmas fecham algumas estradas temporariamente, principalmente no auge da migração. São colocadas pequenas muretas e cercas de plástico ao longo das estradas para forçar os caranguejos seguirem aos “cruzamentos e pontes” construídos para esse fim, afim de poderem atravessar com segurança. A migração de caranguejo e as pontes de caranguejo se tornaram uma grande atração turística.

A saga dos caranguejos vermelhos

Os caranguejos vermelhos estão sendo ameaçados por uma espécie de formigas invasoras que se tornaram abundantes na ilha. No início do século 20, as formigas loucas amarelas (Gracilipes anoplolepis) conseguiram chegar às Ilhas Christmas e formaram super colônias, com bilhões de formigas.  As formigas loucas expelem um spray de ácido fórmico nos olhos e articulações das pernas dos caranguejos, que os imobiliza, fazendo-os morrerem e se tornarem alimentos para elas.

Em alguns casos, os caranguejos que vivem em áreas livres das formigas loucas são mortos durante sua migração anual e assim nunca mais retornam à sua floresta de origem e isso cria zonas livres de caranguejos, mesmo aonde as formigas não percorrem. Com menos caranguejos, a floresta se tornou menos diversificada, com um solo denso e compactado devido ao colapso das tocas de caranguejos. Outras espécies invasoras como o caramujo africano gigante tornaram-se comuns onde os caranguejos diminuíram.

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

A saga dos caranguejos vermelhos

Fontes: 1

“Há mais mistérios entre o Céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia.” – William Shakespeare

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1038 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (3)

3 Comentários

  1. O Saco de Histórias

    26 de agosto de 2015 às 09:34

    Pena não poder fazer uma boa panelada de crustáceos vermelhos.

    KKKK…

    • Magnus Mundi

      28 de agosto de 2015 às 10:01

      Pela quantidade de caranguejos que existem nessa ilha, sua carne não deve ser muito apreciada! Se não já estariam exportando para o mundo todo!!!

  2. Carlos Alberto da Silva

    22 de fevereiro de 2019 às 13:00

    A natureza tem ciclos endógenos que deixam todos maravilhados com este comportamento. A espécie tentando a todo custo ser preservada. Este fenômeno não é para ser compreendido pelo homem.

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Veja mais em Animais

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

Magnus Mundi17 de junho de 2019

O exótico café Jacu Bird

Magnus Mundi4 de junho de 2019

As incomuns escadas de gatos da Suíça

Magnus Mundi19 de maio de 2019

Íbex, a cabra escaladora de barragens

Magnus Mundi29 de abril de 2019

Ilha Stephen, onde os gatos deram fim a uma espécie de ave

Magnus Mundi10 de abril de 2019

Bracken Bat Cave, a maior colônia de morcegos do mundo

Magnus Mundi7 de março de 2019

Globsters: quando monstros marinhos encalham nas praias

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2019

Dindim, o pinguim que sempre retorna para quem o ajudou

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Ant mill, as espirais da morte das formigas

Magnus Mundi8 de dezembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up