Animais

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

A vespa esmeralda ou vespa-joia (Ampulex compressa) é um inseto mortal e venenoso, como todas as vespas são. Sua picada pode ser terrivelmente dolorosa para os seres humanos. No entanto, esta brilhante vespa tropical verde-azulada metálica encontrada no sul da Ásia, na África e nas ilhas do Pacífico é de pouca preocupação para os humanos, a menos que seja perturbada. Mas para baratas (Periplaneta americana), essa vespa é coisa de pesadelos.

A vespa esmeralda é uma vespa parasita que escraviza as baratas ao injetar veneno para controlar a mente em seus cérebros. Depois de ser picada pela vespa, a barata perde o controle de seu comportamento e se torna escrava da vespa. A vespa então põe ovos na barata e, à medida que a larva cresce, ela consome a barata viva de dentro, acabando por matá-la. Os filhotes emergem do cadáver como um alienígena saindo do abdômen da vítima.

A vespa fêmea, que muitas vezes é apenas uma fração do tamanho de sua vítima, começa seu ataque de cima, descendo e agarrando a barata pelo pescoço. Ela então pica por duas vezes. A primeira picada vai no meio do corpo, o tórax, entre o primeiro par de pernas temporariamente paralisando as pernas com uma dose de veneno. A perda de mobilidade permite que a vespa entregue a segunda picada com precisão notável . A segunda picada fornece uma neurotoxina em um ponto preciso no cérebro da vítima, a seção que controla o reflexo de escape. Após a segunda picada, a barata não consegue fugir mesmo depois de ter recuperado o controle de suas pernas. A princípio, torna-se lento, como se estivesse bêbada, e então começa um curioso ritual de preparação.

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

A vespa com a barata dominada se prepara para dar a primeira picada | Crédito da foto: Kenneth Catania

Durante meia hora, a barata limpa-se meticulosamente esfregando as patas dianteiras e limpando a antena, enquanto a vespa se empenha em obter uma toca pronta. Há dopamina no veneno, uma substância química que controla os centros de recompensa e prazer do cérebro. Os cientistas acreditam que é a dopamina que desencadeia essa reação de limpeza na barata, embora não seja certo se o comportamento é uma parte necessária do processo ou um efeito colateral inesperado. Alguns acreditam que o aliciamento garante um hospedeiro limpo e livre de micróbios para a o bebê vulnerável da vespa. Outros acham que é simplesmente uma maneira de manter a barata ocupada e distraída enquanto a vespa prepara o túmulo da presa.

No momento em que a barata esta fazendo a limpeza, o veneno assume completamente o seu livre arbítrio. Torna-se incapaz de fugir ou fazer qualquer outra coisa. A barata não perde suas habilidades motoras, mas o inseto simplesmente não parece inclinado a usá-las, explica a Scientific American . “O veneno não adormece os sentidos do animal – só altera como o cérebro responde a eles.

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

Depois de ter paralisado as pernas da frente com a primeira picada, a vespa dá a segunda picada no cérebro da barata. | Crédito da foto: Ram Gal / Ben-Gurion University

Em seguida a vespa quebra as antenas em um local preciso e usa os tocos de antena como canudinhos para beber hemolinfa, um fluido parecido com sangue em insetos, para repor os fluidos e a energia perdida durante a luta. Alguns pesquisadores acreditam que essa ação é feita para regular a quantidade de veneno na barata, já que muita coisa poderia matar a vítima antes que as larvas pudessem crescer. A vespa então coloca um único ovo na perna da barata e sepulta-a selando a entrada da toca com detritos diversos para manter os predadores de fora.

Cerca de dois dias o ovo eclode e a larva cresce trancada na barata. A princípio, a larva mastiga a perna da barata, bebendo a hemolinfa nutritiva que escorre. Mais tarde, ele fura um buraco no abdômen da barata e sobe para se deleitar nos órgãos internos. Depois que as entranhas desaparecem, a barata morre, ponto em que a larva entra no estágio pupal e forma um casulo ainda dentro do inseto agora vazio. Depois de várias semanas, a pupa amadurece e uma vespa adulta emerge da casca dessecada da barata para completar o ciclo de vida horrível.

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

Uma vespa já crescida emergindo da casca de uma barata morta. | Crédito da foto: Ram Gal / Ben-Gurion University

Mas as baratas quando não pegas de surpresa, aprenderam a se defender do ataque da vespa assassina. Kenneth Catania, da Universidade Vanderbilt, em Nashville, EUA, estava gravando vídeos em alta velocidade de vespas e baratas lutando entre si quando viu uma barata aplicando um chute com uma das patas na cabeça da vespa, jogando-a a vários centímetros de distância. Abaixo, vídeo da barata totalmente no controle da vespa:

Muitas baratas detêm vespas com uma defesa vigorosa“, escreveu Catania em um artigo recente publicado no jornal Brain, Behavior and Evolution . “Baratas bem-sucedidas elevaram seus corpos, deixando seu pescoço fora de alcance, e chutaram a vespa com suas patas traseiras espinhosas, muitas vezes atingindo a cabeça da vespa várias vezes.” Outros pesquisadores notaram esses comportamentos, mas ninguém havia feito um estudo detalhado até agora. Catania descobriu que o chute é muito eficaz – funcionou em 63% das baratas adultas que tentaram.

Vídeo a seguir com a barata se defendendo com chutes os ataques da vespa:

Fontes: 1 2

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 162 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: A vespa assassina que transforma baratas em zumbis – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Animais

Dindim, o pinguim que sempre retorna para quem o ajudou

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Ant mill, as espirais da morte das formigas

Magnus Mundi8 de dezembro de 2018

O pântano de sangue da ilha de Ramree

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

Spirobranchus giganteus, o verme árvore de Natal

Magnus Mundi3 de dezembro de 2018

As cabras escaladoras do Marrocos

Magnus Mundi29 de novembro de 2018

Pirâmide de Ball, a maior ilha vulcânica do mundo

Magnus Mundi24 de novembro de 2018

Aula Museo Abejas del Valle, o museu das abelhas

Magnus Mundi22 de novembro de 2018

Fish wheels, roda de peixes para capturar salmões

Magnus Mundi20 de novembro de 2018

Gurung, os caçadores de mel

Magnus Mundi17 de novembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up