Navios

A frota de navios fantasmas dos Estados Unidos

A frota de navios fantasmas dos Estados Unidos

Após a segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos montaram a National Defense Reserve Fleet (NDRF) – uma frota de navios que servem como uma reserva de navios para fins de defesa e emergência nacional. A frota consiste principalmente de navios mercantes, que podem ser ativados dentro de 20 a 120 dias para fornecer o transporte durante as emergências nacionais, quer militares ou não militares, tais como crises de navegação comercial.

No seu auge, em 1950, o NDRF tinha 2.277 navios em oito locais de ancoragem: James River, na Virgínia; Beaumont, no Texas; Suisun Bay, na Califórnia; Stony Point, em Nova York; Wilmington, na Carolina do Norte; Mobile, no Alabama; Astoria, no Oregon e em Olympia, em Washington.

national-defense-reserve-fleet01a

Apenas os três primeiros locais, dos oito originais, ainda existem. Os longos anos de abandono e desuso tornaram estes navios, verdadeiras ilhas de sucata, com pinturas descascadas poluindo as águas com metais pesados ​​e produtos químicos perigosos. Em 30 de abril de 2014, apenas 122 embarcações estão no NDRF, e serão reduzidos ainda mais.

Desde a sua criação, os navios da Reserva Nacional foram usados ​​em sete guerras e situações de crise. Durante a Guerra da Coréia, 540 embarcações foram usadas para mover forças militares. Durante um déficit mundial de cargas marítimas entre 1951 e 1953, mais de 600 navios foram usados para transportar carvão para a Europa do Norte e grãos para a Índia. De 1955 até 1964, 600 navios foram usados ​​para armazenar grãos para o Departamento de Agricultura. Outros 223 navios de carga e outros 29 navios foram ativados durante um déficit de cargas após o Canal de Suez ser fechado em 1956. Durante a crise de Berlim de 1961, 18 navios foram mobilizados e permaneceram em serviço até 1970. Outras 172 embarcações foram usadas na Guerra do Vietnã.

Os navios representam uma ameaça ambiental, porque eles soltaram 20 toneladas de bário, cobre, chumbo e zinco na baía.

Os navios representam uma ameaça ambiental, porque eles soltaram 20 toneladas de bário, cobre, chumbo e zinco na baía.

Em 1976, a NRF foi incorporada com a Ready Reserve Fleet (RFF) para emergências militares. Em agosto de 1990, 78 navios foram mobilizados para apoiar as operações Tempestade no Deserto durante a Guerra do Golfo. Entre agosto de 1990 e abril de 1991, os navios transportaram 750.000 toneladas de carga seca, que era de um quinto da carga seca total usadas durante o conflito. Em 2005, foram utilizados cinco navios da RRF e 4 de NDRF para operações de socorro as vítimas dos furacões Katrina e Rita. Quando um terremoto devastador atingiu o Haiti em 12 de janeiro de 2010, 6 navios foram mobilizados como parte dos esforços de ajuda. No furacão Sandy também foi usado um navio da RRF, e dois navios de treinamento NDRF.

Ao longo dos anos, Administração Marítima do governo federal americano(MARAD) deu fim a navios obsoletos, enviando-os para o ferro-velho para reciclagem ou afundando-os para uso como recifes artificiais, como o navio Kittiwake, que foi afundado perto das Ilhas Cayman. Uma das mais afetadas é a Frota Reserva, ancorada em Suisun Bay, na Califórnia. No seu auge, em 1952, a baía tinha 340 navios ancorados. Hoje, menos de 50 navios permanecem, e é a maior em número de navios dos três lugares que compõem a NDRF.

national-defense-reserve-fleet01

Os navios estão poluindo a baía, o que é um risco ambiental os para peixes e animais selvagens, devido o materiais tóxicos contido na tinta e na ferrugem dos navios. O MARAD prometeu reduzir a frota de forma gradual, com 25 navios nas piores condições retirados dentro de dois anos e o restante até o outono de 2017. O embarque nestes navios é estritamente proibido para o público em geral, conseguir uma licença é uma tarefa bem difícil. Mas o fotógrafo Amy Heiden ganhou acesso aos navios em decomposição antes que alguns deles fossem demolidos, fotografando suas plataformas e conveses.

Muitos dos navios foram antigos navios militares. O USS Nereu juntou-se à frota em 1971 e não se moveu até 2012, quando foi enviado para o Texas para ser demolido.

Muitos dos navios foram antigos navios militares. O USS Nereu juntou-se à frota em 1971 e não se moveu até 2012, quando foi enviado para o Texas para ser demolido.

A "Mothball Fleet" está a dois km da costa da Suisan Bay, a noroeste de San Francisco, perto da cidade de Benicia.

A “Mothball Fleet” está a dois km da costa da Suisan Bay, a noroeste de San Francisco, perto da cidade de Benicia.

Os interiores dos navios nos levam a um túnel do tempo. O USS Tulare foi encomendada em 1956, e muito do seu equipamento refletia que foi feito antes da tecnologia naval avançada.

Os interiores dos navios nos levam a um túnel do tempo. O USS Tulare foi encomendada em 1956, e muito do seu equipamento refletia que foi feito antes da tecnologia naval avançada.

Grande parte da frota que Heiden fotografou já foi demolida. Este rebocador, o USS Tulare, ficou dentro de uma barcaça de mineração até 2012, quando foi enviado para ser desmantelado.

Grande parte da frota que Heiden fotografou já foi demolida. Este rebocador, o USS Tulare, ficou dentro de uma barcaça de mineração até 2012, quando foi enviado para ser desmantelado.

Mas a velha e a nova tecnologia se misturam na frota desativada. Também na barcaça mineração estava o famoso Sea Shadow, um navio stealth construído pela Lockheed Martin em 1984, mantido em segredo até 1993, este navio uma experiência em tecnologia naval para evasão de radar. O navio foi finalmente levado para a sucata em 2012.

A velha e a nova tecnologia se misturam na frota desativada. Também na barcaça mineração estava o famoso Sea Shadow, um navio stealth construído pela Lockheed Martin em 1984, mantido em segredo até 1993, este navio uma experiência em tecnologia naval para evasão de radar. O navio foi finalmente levado para a sucata em 2012.

Nem todos os navios da frota Mothball Suisun vão morrer no ferro-velho. O USS Iowa, um navio de guerra, foi transferido para a área de Los Angeles há alguns anos e se transformou em um museu de história naval.

Nem todos os navios da frota Mothball Suisun vão morrer no ferro-velho. O USS Iowa, um navio de guerra, foi transferido para a área de Los Angeles há alguns anos e se transformou em um museu de história naval.

national-defense-reserve-fleet06

national-defense-reserve-fleet00a

national-defense-reserve-fleet029

national-defense-reserve-fleet02a

Fonte: 1 2

Visualização: 1719 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Navios

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Navios

Vlora, o navio de refugiados La Nave Dolce

Magnus Mundi23 de julho de 2018

Os naufrágios do lago Huron

Magnus Mundi5 de maio de 2018

Os navios enterrados sob as ruas de São Francisco

Magnus Mundi22 de fevereiro de 2018

O navio sobre o penhasco em Jeongdongjin

Magnus Mundi22 de dezembro de 2017

O capitão Kevin Opry e seu “pequeno” navio

Magnus Mundi5 de outubro de 2017

A arte de camuflar navios na guerra

Magnus Mundi26 de setembro de 2017

O busto indestrutível de Pablo Iglesias

Magnus Mundi30 de julho de 2017

Royal Clipper, o imponente veleiro de cinco mastros

Magnus Mundi1 de novembro de 2016

A arca de Noé dos tempos atuais

Magnus Mundi30 de abril de 2016