Abandonados

As ruínas do programa espacial soviético

As ruínas do programa espacial soviético

As imagens que o explorador urbano e fotógrafo russo Ralph Mirebs fez em um hangar abandonado na maior base de lançamento de foguetes do mundo é de doer a alma de qualquer cosmonauta. O fotografo conseguiu entrar ilegalmente no complexo e fez uma série de imagens dentro do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, também chamado de Tyuratam, onde expôs os restos em decadência do antigo programa espacial Buran da extinta União Soviética.

Buran, (nevasca, em russo) é o nome de uma série de onze ônibus espaciais construídos pelo programa espacial da URSS, parte do denominado programa Energy-Buran. O primeiro desta série foi inicialmente denominado ônibus espacial 1.01, sendo a primeira nave espacial reutilizável soviética, ou VKK (Vosdushno Kosmicheski Korabl).

onibus-espacial-abandonado-000

Cosmódromo de Baikonur está em operação desde a década de 1950, sendo a princípio uma base de lançamento de mísseis de longo alcance, entretanto com o florescer da guerra fria tornou-se uma base tecnológica dirigida por interesses da União Soviética para a conquista do espaço. Foi do Cosmódromo de Baikonur que foram lançadas diversas missões espaciais importantes e históricas, como o primeiro satélite artificial, o Sputnik 1, e o voo orbital de Yuri Gagarin, assim como as missões Soyuz.

onibus-espacial-abandonado-000a

Com a dissolução da União Soviética, o Cosmódromo de Baikonur, continuou sendo usado pela Rússia mediante um “empréstimo” da base por 115 milhões de dólares anuais. É também o centro de lançamento de veículos responsáveis pelas operações relativas à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), e usado por astronautas do mundo todo, inclusive os recentes “turistas espaciais”.

O fotografo se esgueirou sem permissão na área de mais de 6 mil quilômetros quadrados e passou um dia inteiro tirando fotos, se concentrando dentro do hangar MZK, para não ser descoberto. A estrutura é a maior edificação do complexo, com 132 metros de comprimento por 62 metros de altura com portas deslizantes com o impressionante tamanho de 42 x 36 metros, sendo a estrutura de aço projetada para que pudessem resistir às explosões causadas por acidentes durante o reabastecimento de ônibus espaciais. No hangar, o fotografo encontrou dois protótipos de ônibus espacial Buran, coberto de poeira, ferrugem e com outras marcas de desgaste do tempo, uma das naves é o OK-1K2, apelidada de “Ptichka” (pequeno passarinho, em russo), que estava com 95% concluída, quando o projeto Energy-Buran foi interrompido em 1993. O outro protótipo se chama OK-MT, construída em Moscou em 1983 e era usado para testar o funcionamento dos sistemas de interfaces Energy.

Cosmodromo-de-Baikonur-010

O protótipo Ptichka foi o segundo a ser produzido pela União Soviética, sendo o primeiro o ônibus espacial Buran. Formalmente a nave era conhecida como ônibus espacial 1.02. A construção do segundo ônibus espacial soviético começou em 1988. Apesar de ter uma constituição estrutural semelhante ao Buran, o veículo nunca foi concluído. O primeiro lançamento do Ptichka estava previsto para 1992, em modo automático rumo a estação espacial Mir.

O programa de construção de ônibus espaciais foi cancelado oficialmente em 1993, e os veículos reutilizáveis pela Rússia (herdeira da grande parte da União Soviética) havia sido comunicado que seriam desmontados, mas a julgar pelas imagens de Mirebs, as naves estão apenas abandonadas.

onibus-espacial-abandonado-001

onibus-espacial-abandonado-005

onibus-espacial-abandonado-006

onibus-espacial-abandonado-001a

onibus-espacial-abandonado-002

onibus-espacial-abandonado-003

onibus-espacial-abandonado-004

onibus-espacial-abandonado-023

onibus-espacial-abandonado-007

onibus-espacial-abandonado-008

onibus-espacial-abandonado-009

onibus-espacial-abandonado-010

onibus-espacial-abandonado-011

onibus-espacial-abandonado-012

onibus-espacial-abandonado-013

onibus-espacial-abandonado-014

onibus-espacial-abandonado-015

onibus-espacial-abandonado-016

onibus-espacial-abandonado-017

onibus-espacial-abandonado-018

onibus-espacial-abandonado-019

onibus-espacial-abandonado-020

onibus-espacial-abandonado-021

onibus-espacial-abandonado-022

onibus-espacial-abandonado-032

onibus-espacial-abandonado-033

onibus-espacial-abandonado-024

onibus-espacial-abandonado-025

onibus-espacial-abandonado-026

onibus-espacial-abandonado-027

onibus-espacial-abandonado-028

onibus-espacial-abandonado-029

onibus-espacial-abandonado-030

onibus-espacial-abandonado-031

O Hangar, quanto ainda estava operacional

O Hangar, quanto ainda estava operacional

onibus-espacial-abandonado-051

Fonte: 1 2 3 4

Visualização: 1982 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Este site é um projeto de um homem só, desenvolvido durante seu tempo livre, por favor, deixe um comentário do que achou do artigo. Ele será muito importante e também estou aberto a críticas construtivas.
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Abandonados

James Whitaker Wright

A história de um vigarista e seu salão de baile submerso!

Magnus Mundi28 de junho de 2019

The Impossible Railroad, a ferrovia impossível

Magnus Mundi24 de junho de 2019

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Magnus Mundi22 de abril de 2019

Burj Al Babas, a cidade dos castelos abandonados

Magnus Mundi27 de janeiro de 2019

Houtouwan, a vila de pescadores abandonada na China

Magnus Mundi24 de janeiro de 2019

Sunken Cemetery, na ilha de fogo

Magnus Mundi2 de janeiro de 2019

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW)

Magnus Mundi31 de dezembro de 2018

Craco, uma cidade italiana abandonada

Magnus Mundi30 de dezembro de 2018

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi5 de dezembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up