Essa história incomum aconteceu em 5 de julho de 1943, quando no outro extremo do mundo, os Estados Unidos estavam envolvidos em uma guerra contra a Aliança do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). As forças do Eixo queriam controlar a Europa e o Pacífico, enquanto os Aliados lutavam pela paz.

Os nazistas haviam começado sua última ofensiva contra Kursk, e as forças do exército australiano e americano sob o comando do general MacArthur estavam lutando contra os japoneses em Buna, na Nova Guiné.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

B-17, a fortaleza voadora | Crédito da foto

Enquanto os cidadãos de Boise City acompanhavam as notícias da Segunda Guerra Mundial de perto, os pilotos da Base Aérea do Exército Dalhart, no Texas, preparavam quatro bombardeiros B-17 conhecidos como fortalezas voadoras para um treinamento em solo americano. Cada bombardeiro levava uma tripulação de dez membros. A missão de treinamento noturno deveria começar algumas horas depois de escurecer.

O navegador deveria liderar o grupo de quatros aviões da base de Dalhart para lançar bombas em um alcance próximo a Conlen, Texas, a cerca de 35 quilômetros da base. O alvo era uma pequena área quadrada, iluminada por quatro luzes em cada canto. Era para ser uma missão simples, mas de alguma forma, algo deu terrivelmente errado.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Cimarron County Courthouse, o tribunal era o alvo visado | Crédito da foto

Tarde da noite, a missão de treinamento começou conforme programado. O jovem navegador se sentia confiante em suas habilidades e os pilotos também eram qualificados. O rugido dos motores do B-17 foi ensurdecedor, enquanto eles ganhavam o céu. Todos esperavam que a missão de treinamento fosse um sucesso.

Quarenta quilômetros ao norte, a maioria dos 1.200 habitantes de Boise City já tinha ido para a cama. A maioria das luzes da pequena cidade estavam apagada, com exceção das luzes que cercavam a praça do tribunal. A cidade parecia deserta, exceto por um pequeno café e alguns casais jovens voltando para casa depois de deixar o cinema local. No café, vários motoristas de caminhão conversavam calmamente entre si, enquanto jantavam.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Placa do memorial erguido no 50º aniversário do incidente | Crédito da foto

Passava pouco da meia-noite quando o inferno desabou nesta pequena cidade sonolenta. As explosões não eram particularmente altas, mas foram altas o suficiente para acordar a maioria, se não todas as pessoas da cidade.

O ataque aéreo continuou por trinta longos minutos enquanto os habitantes da cidade corriam para se proteger. A primeira bomba atravessou o telhado de uma garagem e explodiu, cavando um buraco de mais de um metro de profundidade no chão. O B-17 fez outra passagem e lançou uma segunda bomba que caiu a um metro da igreja batista, quebrando várias janelas.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Réplica da bomba lançada contra a cidade | Crédito da foto

O motorista de um caminhão tanque cheio de combustível estacionado na praça largou tudo rapidamente e saiu correndo do café, para tentar levar o caminhão para longe da área sendo bombardeada. Depois que a primeira bomba caiu, John Adkins, do escritório de alertas aéreo da cidade, enviou um telegrama para o FBI em Oklahoma e relatando o incidente.

A terceira bomba atingiu a calçada em frente ao Style Shoppe Building, a poucos metros de onde estava estacionado o caminhão tanque. A quarta bomba também explodiu a poucos metros da terceira, próximo a Pensão McGowan.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Um memorial erguido no 50º aniversário do incidente | Crédito da foto

Frank Garrett, o homem responsável pela energia elétrica de Boise City, correu para o prédio do Serviço Público do Sudoeste e desligou a chave mestre, cortando a energia da cidade. Quase imediatamente, a cidade foi lançada na escuridão completa. As únicas luzes que puderam ser vistas eram das duas últimas bombas que atingiram o solo e desencadearam pequenas explosões.

O blecaute ou uma mensagem de rádio para o piloto em resposta ao telegrama de Adkins fez com que o navegador percebesse seu erro quase fatal. De alguma forma, depois de deixar a base de Dalhart, o jovem navegador cometeu um erro de 64 quilômetros: ele confundiu as quatro luzes centralizadas na praça principal de Boise City com o alvo de treino programado. Depois de perceber o erro, os pilotos voltaram rapidamente a base aérea.

Embora o bombardeio tenha deixado várias crateras na cidade, ninguém ficou realmente ferido. As bombas explosivos de treinamento, com 45 quilos. Cada bomba estava com 1,8 quilos de explosivos e 43,5 quilos de areia. Não houve danos além da garagem e da igreja, e algumas profundas crateras na cidade.

Uma investigação começou imediatamente após o incidente. O navegador foi punido e afastado e o resto da tripulação teve a opção de ir diretamente para o combate na Europa ou enfrentar uma corte marcial. Claro que todos escolheram ir para a linha de frente de batalha.

Menos de um ano após o bombardeio mal orientado de Boise City, a mesma tripulação liderou em março de 1944, um ataque diurno de 800 aviões em Berlim e se tornou um dos mais condecorados da Segunda Guerra Mundial. Todos os membros da tripulação sobreviveram à guerra e contaram histórias sobre sua incursão levemente equivocada a uma pequena cidade de Oklahoma.

Cinquenta anos após o incidente, a cidade ergueram um memorial que consistia em uma réplica de uma cratera com uma bomba real usada em treinamentos da época da guerra no centro do buraco. A tripulação do bombardeiro foi convidada a voltar para Boise City, mas todos os membros recusaram. O ex-operador de rádio, no entanto, enviou uma fita de áudio que foi reproduzida na comemoração. Posteriormente, um membro da equipe casou-se com um mulher de Boise City.

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Tribunal da cidade | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Leia também:

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Hirro Onoda, soldado japonês que levou a Segunda Guerra Mundial até 1974

Lídice, a vila silenciosa

Os bunkers camuflados da Suíça

Visualização: 204 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado