Cidades

Carmel, a cidade de contos de fadas

Carmel, a cidade de contos de fadas

Carmel-by-the-Sea, ou simplesmente Carmel é uma cidade do Condado de Monterey, Califórnia, nos Estados Unidos, a cerca de 190 quilômetros de São Francisco ao sul ou 530 quilômetros de Los Angeles ao norte. Originalmente fundada em 1771, pelo explorador espanhol Sebastián Vizcaíno  como uma missão cristã. Na época da fundação, o estado da Califórnia fazia parte do México, conseguindo sua independência em 1846, se tornando um país e em 1848, tornou-se oficialmente uma território dos Estados Unidos. O nome de Carmel-by-the-Sea foi uma homenagem a Nossa Senhora do Monte Carmelo, que situada na península de Monterey, ficou conhecida por seu cenário natural e sua rica história artística, sendo a primeira cidade incorporada ao estado em 1916.

Após o terremoto de 1906 em São Francisco, muitos artistas e artesãos se mudaram para Carmel, provocando um forte movimento artístico na região. O jornal San Francisco Call em 1910 dedicou uma página inteira aos artistas, escritores e poetas de Carmel e dizia que 60% das casas foram construídas por cidadãos que “devotavam suas vidas ao trabalho ligado às artes estéticas“. Citando alguns moradores famosos: Meg Cabot, Jack London, Robert Louis Stevenson, John Madden, entre tantos outros. O ator e diretor de cinema, Clint Eastwood, que se tornou prefeito da cidade entre os anos de 1986 e 1988. Mas eles continuam chegando até os dias de hoje. Cerca de 100 galerias de arte abarrotam a cidade de 1,6 quilômetros quadrados e cerca de 3890 habitantes (dados de 2016). Com tanta criatividade permeando o comércio local, Carmel criou uma identidade única, com algumas peculiaridades para manter as coisas mais interessantes.

Para evitar a urbanização massiva que os moradores fugiram no passado (que os locais chamam de “being citified“) e manter as características de cidade pequena, os moradores promulgaram algumas leis não convencionais. Há um limite para a quantidade de iluminação pública, as ruas praticamente não tem postes de luz, bem como sinalização ostensiva nos comércios. Prédios altos nem pensar e não há numeração nas casas, e a maioria delas tem nome, facilitando a localização. Sabendo da pouca iluminação nas ruas, os moradores carregam lanternas para andar pela cidade.

Os governantes estavam relutantes em prejudicar os imponentes ciprestes que cercam as ruas de Carmel, cortando suas raízes para nivelar as calçadas. No entanto, as calçadas irregulares eram uma pista de obstáculos para mulheres elegantemente vestidas. Então, para evitar ações judiciais, Carmel se tornou a única cidade dos Estados Unidos a proibir sapatos com saltos superiores a duas polegadas ou 5,1 centímetros (a proibição não é aplicada, mas a permissão para quebrar essa regra deve ser pedida ao prefeito).

Os moradores que tanto amam suas árvores também queriam o melhor para seus animais de estimação. Isso levou Carmel a se tornar um dos municípios que mais aceitam animais de estimação dos EUA. Os cães podem ser soltas das coleiras nas praias, obrigatório no resto do país e a maioria dos comércios locais tem um pote de comida e água na entrada da loja. Os animais também são bem vindos em 30 dos 45 hotéis locais, incluindo o Cypress In, de propriedade da ex atriz e cantora, Doris Day. Ela também é ferrenha defensora dos animais, fundadora da Doris Day Pet Foundation, fundação essa que vem realizando o trabalho na proteção de animais há várias décadas.

As casas da cidade também são um destaque na paisagem idílica da cidade. Hugh Comstock foi um antigo morador e não tinha nenhuma experiência em arquitetura, mas mesmo assim, projetou e construiu a maioria das casas de contos de fadas de Carmel nos anos de 1930. Naquela época uma de suas casas poderia ser compradas por cerca de 100 dólares, e atualmente podem valer mais de 4 milhões de dólares. Outra característica marcante do lugar, são seus nevoeiros, que caem em cascatas nas águas frias do Oceano Pacífico e que muitos artistas gostam de eternizar em suas telas.

A cidade tem leis rígidas sobre o uso de suas praias e parques, onde até é proibido fumar nas praias, bem como na maioria das praias que compõem a reserva florestal chamada Big Sur. O americano gosta de se reunir ao redor de fogueiras nas praias em noites claras. Em Carmel, só é permitido acender fogueiras em determinadas áreas onde há recipientes apropriados para o fogo, também é proibido qualquer tipo de barraca ou estrutura temporária. O uso de tochas também não é permitido ou qualquer outra lanterna a base de combustível.

A consumação de bebidas é permitido nas praias, mas proibidos em ruas públicas, escadas para a praia e parques e sendo proibida sua comercialização e consumo entre às 22:00 e 7:00 da manhã. A Câmara Municipal exige que todo os restaurantes e vendedores de alimentos utilizem opções compostáveis ou recicláveis nas embalagens de alimentos, proibindo o uso de poliestireno (plástico nº6) em utensílios e copos descartáveis, bem como canudos de plásticos. Copos, pratos ou qualquer tipo de alimento ou recipientes para líquidos de isopor, bem como sacos plásticos também são proibidos nas praias, tanto para vendedores, quanto para os consumidores.

Por anos, Carmel é considerada pelos próprios americanos como um dos lugares mais desejáveis do país para visitar, trabalhar ou morar. A beleza natural inigualável, a preservação histórica do centro, o ar puro das praias, os charmosos bairros com suas casas seculares, contribuem para a qualidade de vida dos moradores e visitantes.

Site da prefeitura: www.ci.carmel.ca.us

Site para saber mais: www.carmelcalifornia.com

Fontes: 1 2 3

“Liberdade de voar num horizonte qualquer, liberdade de pousar onde o coração quiser”. – Cecília Meirelles

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 73 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Cidades

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

The Wall, a estrutura contra o vento de Fermont

Magnus Mundi19 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Tianducheng: A falsa Paris na China

Magnus Mundi10 de fevereiro de 2018

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Os curtumes de couro de Fez no Marrocos

Magnus Mundi6 de novembro de 2017

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017