Abandonados

Celles, a vila francesa que foi evacuada à toa

Celles, a vila francesa que foi evacuada à toa

No final da década de 1950, os moradores de Celles, uma pequena vila no vale de Salagou, comuna do departamento de Hérault, no sul da França, começaram a receber avisos que teriam que evacuar o local. A área onde se localizava a vila tinha sido escolhida pelas autoridades para ser inundada, com a criação de um lago, decorrente da construção de uma barragem no rio que abastecia de água aquela região. A barragem deveria ser construída supostamente em beneficio a essas mesmas pessoas.

Essa região é tradicionalmente conhecida por suas vinhas, e na época o mercado de vinhos estava caindo e consequentemente seus preços. O governo local decidiu que a melhor maneira de superar a crise era diversificando as plantações.Plante frutas“, era o que o governo propagava. Mas árvores frutíferas precisavam de mais água que as videiras, e para isso precisavam aproveitar o rio e criar um lago. O que significava que Celles tinha que ser inundada.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: OfirYR

Os aldeões lutaram e resistiram à evacuação forçada por dez anos. Mas no final, o governo conseguiu o que queria e, em 1968, a barragem do rio Salagou foi finalmente concluída, após quatro anos de construção. Logo depois, a água começou a subir em direção à vila, forçando a saído dos últimos moradores resistentes.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

A vila abandonada de Celles as margens do lago Salagou | Crédito da foto

O plano era elevar o nível da água em duas etapas – primeiro para 139 metros e depois para 150 metros. A segunda etapa teria engolido a vila, situada a uma altitude média de 144 metros. Mas o segundo estágio nunca foi implementado, deixando as águas do lago lambendo aos pés da vila. Celles havia sido evacuada e abandonada por nada.

Alguns moradores tentaram voltar para suas antigas casas, mas, naquele momento, os prédios já estavam desmoronando, sendo vítimas de negligência, roubo e vândalos. Enquanto isso, o lago transformou a região de uma terra árida em um popular destino turístico, com esportes aquáticos no lago, além de trilhas para caminhadas e ciclismo no campo, bem como, vista a uma vila fantasma.

Com a não implantação da segunda etapa de inundação, alguns dos antigos moradores começaram a combater o abandono da vila, expulsando os vândalos e reparando o prédio da prefeitura (Mairiee) e a igreja da vila, para que o status da vila como comuna fosse mantido.

Os registros do censo ao longo dos anos mostram que Celles nunca foi totalmente abandonada. Dos sessenta residentes em meados da década de 1950, a população caiu para apenas cinco em 1975. Depois, começou a aumentar novamente.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Lago Salagou | Crédito da foto: Donatas_photo

Em 1990, o conselho da vila, na esperança de convencer o departamento de Hérault para revitalizar a vila, pediu ao conselho geral, dono das ruínas, que garantisse a preservação em nome da segurança pública. O resultado esperado – a restauração das casas – levou a uma revitalização da vila com a reforma de alguns telhados e colocação de cercas ao redor das casas.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: Seb Pochet

Em 1996, o departamento tomou a decisão oficial de preservar a vila, graça ao esforço de alguns dos seus antigos habitantes para que a vila não perdesse o status de comuna, reformando os dois prédios públicos da vila.

Somente em 2010 o departamento transferiu a propriedade total da vila para o município. Hoje, possui 35 habitantes que vivem em duas das quatro aldeias que compõem Celles. Apenas uma família mora na vila em ruínas, acima da prefeitura, o único prédio reformado, junto com a igreja.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: OfirYR

Tendo se tornado donos das casas, a Câmara Municipal elaborou um amplo projeto de revitalização e impôs certas regras para os novos habitantes – Todos os habitantes que virão morar em Celles (num total de 119) concordam em morar lá o ano todo e ter uma atividade econômica o ano todo. Não se trata de especulação de terras.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Prédio da Prefeitura e Câmara Municipal | Crédito da foto

“Nosso projeto é uma luta continua e lenta. Todo mundo dizia que era uma luta em vão e utópica. Celebrar o primeiro contrato, cinquenta anos após os últimos despejos, é uma pequena vitória“, diz Joëlle Goudal, líder do conselho local. Goudal espera que a vila retorne à sua antiga glória até o final da década.

A vila em ruínas serviu como cenário para vários filmes, notadamente o thriller de 1986, Zone Rouge (Zona Vermelha), do diretor Robert Enrico.

Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: Sylvie Duchesne


Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: Sylvie Duchesne


Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Ruínas das casas foram cercados para evitar vândalos | Crédito da foto: Sylvie Duchesne


Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Prédio da prefeitura restaurados por antigos moradores para que a vila não perdesse o status de comuna


Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada

Crédito da foto: Sylvie Duchesne

Fontes: 1 2

Postagens por esse mundo afora

LEIA TAMBÉM: Vilarinho das Furnas: Uma aldeia romana submersa

Visualização: 65 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Celles, a vila francesa que foi evacuada e não inundada – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Abandonados

Castelos medievais sendo reconstruídos digitalmente

Magnus Mundi3 de abril de 2020

O Cemitério afundado de Sunken, na ilha de Camiguin

Magnus Mundi23 de fevereiro de 2020
James Whitaker Wright

A história de um vigarista e seu salão de baile submerso!

Magnus Mundi28 de junho de 2019

The Impossible Railroad, a ferrovia impossível

Magnus Mundi24 de junho de 2019

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Magnus Mundi22 de abril de 2019

Burj Al Babas, a cidade dos castelos abandonados

Magnus Mundi27 de janeiro de 2019

Houtouwan, a vila de pescadores abandonada na China

Magnus Mundi24 de janeiro de 2019

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW)

Magnus Mundi31 de dezembro de 2018

Craco, uma cidade italiana abandonada

Magnus Mundi30 de dezembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up