Animais

Spitsbergen, cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Spitsbergen, cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

A ilha de Spitsbergen, a maior e a única ilha permanentemente povoada do arquipélago de Svalbard com 2500 habitantes, na Noruega e foi o local de uma extensa caça de baleias branca ou belugas (Delphinapterus leucas) que começou no século 17 e continuou até o século 20, e somente em 1961, o governo começou a proteger as espécies. A maioria das estações baleeiras estavam localizadas em Van Keulenfjorden, um longo fiorde de 30 quilômetros, na costa oeste de Spitsbergen. Devido ao clima extremo, as ilhas não têm qualquer interesse agrícola e nem oferece recursos que permitissem uma colonização economicamente apelativa.

Ao longo de promotórios, praias, baías e por todo o caminho até Bamsebu em Ingebrigtsenbukta, é possível encontrar restos da matança em grande escala que ocorreram ali. O mais impressionante, é a longo faixa branca perto da praia, onde milhares de ossos de baleias belugas estão empilhados.

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

A beluga é uma baleia que mede até cinco metros de comprimento e pesa até 1,5 toneladas que vive principalmente no Ártico. Sua cor branca é também a fonte de seu nome, que vem da palavra russa “branco“. As belugas foram caçadas por sua carne, gordura e pele, e a caça foi realizada ao longo dos séculos, já que eram presa fácil para os caçadores devido aos seus padrões de migração previsíveis e a densidade populacional elevada em estuários e zonas costeiras vizinhas durante os meses de verão. Elas gostam de andar em bandos de cerca de 30 a 100 animais e vivem entre 25 a 30 anos e apesar de serem chamadas de baleia, elas pertencem a família dos golfinhos. Também são chamadas de canário dos mares (em inglês, sea canary) por causa de seus assobios e cantos.

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Em um estudo realizado por um grupo de cientistas americanos na Fundação Nacional de Mamíferos Marítimos em San Diego, na Califórnia, descobriu-se que as baleias brancas ou belugas são capazes de imitar a voz humana. Esses mamíferos possuem grande inteligência. Durante o experimento, as belugas foram capazes de imitar a voz dos seres humanos sem mesmo terem sido ensinadas a falar a sua língua. Além de inteligentes, são muito brincalhonas, e, na natureza, brincam com restos de animais mortos (presas etc.). Já houve um caso de belugas terem salvado a vida de uma mergulhadora que estava se afogando devido a problemas técnicos com seu tubo de oxigênio, ao pegá-la pela boca e levá-la à superfície. Isso mostra que as belugas demonstram emoção não só com elas como também com outros seres que estão à sua volta.

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Por volta de 1930, Ingvald Svendsen estabeleceu uma estação baleeira em Ingebrigtsenbukta, que agora é conhecida como Bamsebu. A base foi construída com a finalidade exclusiva de caça à baleia beluga e é o único exemplo remanescente de tal estação em Svalbard. A estação é composta por uma construção principal que servia de alojamento, dois pequenos barracos, três barcos na praia e alguns equipamentos de caça, para não mencionar todos os ossos.

Há uma construção chamada Kjeftausa que é um barco a remos emborcado com um aterro de turfas a sudeste de Bamsebu. Provavelmente foi usado como depósito de alimentos, mas hoje a construção é um monumento à engenhosidade e reutilização. Estima-se que as pilhas de ossos de baleias na praia, contenham os restos mortais de 550 belugas. Esses ossos e os barcos próximos são designados como bens culturais e como tais, são protegidos e não podem ser tocados ou removidos.

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

Cemitério de baleias belugas caçadas pelo homem

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Texto originalmente publicado em 11/04/2015

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 645 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Animais

Dedos de Lúcifer, a iguaria perigosa de coletar

Magnus Mundi9 de outubro de 2018

Topsy e Mary, os elefantes que foram executados em público

Magnus Mundi1 de outubro de 2018

Enguia pelicano, o bizarro peixe das profundezas

Magnus Mundi28 de setembro de 2018

Os crocodilos que habitam as cavernas do Gabão

Magnus Mundi16 de setembro de 2018

Cordyceps – O fungo que transforma insetos em zumbis!

Magnus Mundi17 de julho de 2018

O valioso sangue azul do caranguejo-ferradura

Magnus Mundi11 de junho de 2018

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de março de 2018
Scroll Up