Animais

Clay Lick, as encostas de barro que as aves gostam de comer

Clay Lick, as encostas de barro que as aves gostam de comer

Araras e papagaios da floresta amazônica desenvolveram um gosto peculiar pelo barro. Eles se reúnem em grande número de até 18 espécies nas encostas íngremes próximos aos rios, para bicar a sujeira, criando um espetáculo deslumbrante que entretém milhares de espectadores.

O termo científico para o comportamento de animais que comem argila ou giz é a geofagia, que os pesquisadores começaram a estudar mais profundamente. Embora nenhuma resposta concreta sobre por que os animais comem argila tenha sido aceita, existem várias hipóteses que são altamente plausíveis.

Uma das teorias mais aceitas é a falta de certas vitaminas e minerais em suas dietas. Isso pode incluir sal e magnésio. O sódio é necessário para uma multiplicidade de funções corporais, como a geração de impulsos nervosos, a manutenção do equilíbrio eletrolítico, a atividade cardíaca e certas funções metabólicas.

Muitos herbívoros cuja dieta é completamente baseada em vegetais requerem sal extra, já que as plantas não contêm sal suficiente. Assim os animais geralmente obtêm sódio a partir do barro. A argila e o solo são uma boa fonte de sódio, assim como muitos outros nutrientes, como potássio e magnésio.

Outra teoria é que os pássaros comem barro para se livrar de toxinas, que ingerem de plantas, frutas ou sementes. Quando comem argila, as partículas de argila se ligam as toxinas que ocorrem naturalmente, como a quinina e o ácido tânico, impedindo-os de serem absorvidos pelo trato gastrointestinal.

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Araras comendo barro no Parque Nacional de Manu | Crédito da foto

Ou também, de que as aves comem argila pelo seu alto índice de pH no equilíbrio dos efeitos da acidez na floresta tropical. Os fungos ácidos causam grande impacto na fruta encontrada na floresta amazônica, afetando os animais que a comem. Os efeitos? Diminuição da produção de leite e ovos, danos ao fígado e enfraquecimento do sistema imunológico. Ao comer a argila, os animais são capazes de equilibrar essa acidez perigosa e proteger-se desses problemas de saúde.

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Mapa dos locais para ver a concentração de aves | Crédito da foto: Alan Lee

No entanto, pesquisas parecem sugerir que a teoria do sódio é a mais correta. O Centro de Pesquisa Tambopata (TRC), no Peru, estudou o comportamento de papagaios nas clay lick ou lâminas de barro, como são conhecidos as falésias ou encostas de barro ao longo do rio Tambopata, no Peru e descobriu-se que os solos que as aves escolhem consumir não têm níveis mais altos de capacidade de troca de cátions, ou seja, a capacidade de absorver toxinas, do que o de áreas não utilizadas pelos pássaros.

Pelo contrário, as aves preferem solo com níveis mais altos de sódio. Em um local de as aves gostam de ir comer barro, em uma curva acentuada do rio Manu, os pesquisadores observaram papagaios comendo uma cama específica de solo que corre centenas de metros na horizontal ao longo daquela curva. Os papagaios evitaram comer as camadas acima e abaixo da camada preferida. Esta camada foi encontrada para ter níveis muito mais elevados de sódio do que aquelas acima e abaixo.

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Reserva Nacional de Tambopata, no Peru | Crédito da foto

Donald Brightsmith, que liderou o Projeto Arara Tambopata, destacou que os papagaios de fora da região amazônica ocidental também consomem alimentos que contém toxinas, como as sementes de açacu (Hura crepitans), mas são apenas aqueles na bacia amazônica ocidental que visitam as encostas de barro, indicando que os papagaios podem passar com uma pequena toxina no estômago, sem a necessidade de consumir argila para se desintoxicar.

Em vez disso, Brightsmith argumenta que há uma conexão entre esse hábito de comer argila e o fato de que a bacia amazônica ocidental é excepcionalmente carente de sal. Pesquisa de Alan TK Lee apoiam essa descoberta. Lee comprovou que o hábito de comer argila dos papagaios está positivamente correlacionado a um grau significativo com a distância do oceano, sugerindo que a falta de nutrientes e não a toxicidade alimentar é a força motriz por trás desse curioso comportamento.

Existem muitas dezenas de locais no Paraguai, Peru, Bolívia Brasil e Equador onde se pode observar tal comportamento, mas os locais mais populares e acessíveis estão localizados na Reserva Naciona de Tambopata, no sudeste do Peru. Outro local popular para testemunhar a colorida congregação de papagaios é o Blanquillo Clay Lick no Manu National Park, também no Peru. Os barrancos de barro do Parque Nacional Yasuni, no Equador, são outro ponto excelente oferecido aos turistas.

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Araras bicando o barro na selva amazônica peruana em Madre de Dios, Peru | Crédito da foto

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Papagaios (Pionus menstruus) em um barranco de argila do rio de Napo no Equador. | Crédito da foto

Clay Lick, os barrancos de barros que as aves gostam de comer

Manu National Park, Peru | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 48 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Este site é um projeto de um homem só, desenvolvido durante seu tempo livre, por favor, deixe um comentário do que achou do artigo. Ele será muito importante e também estou aberto a críticas construtivas.
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Animais

Jack, o babuíno sinaleiro

Magnus Mundi30 de agosto de 2019

Projeto Isabela: Cabras traindo cabras nas ilhas Galápagos

Magnus Mundi17 de agosto de 2019

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

Magnus Mundi17 de junho de 2019

O exótico café Jacu Bird

Magnus Mundi4 de junho de 2019

As incomuns escadas de gatos da Suíça

Magnus Mundi19 de maio de 2019

Íbex, a cabra escaladora de barragens

Magnus Mundi29 de abril de 2019

Ilha Stephen, onde os gatos deram fim a uma espécie de ave

Magnus Mundi10 de abril de 2019

Bracken Bat Cave, a maior colônia de morcegos do mundo

Magnus Mundi7 de março de 2019

Globsters: quando monstros marinhos encalham nas praias

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up