Inóspitos

Dulongs, a vida por um rio

Dulongs, a vida por um rio

É muito difícil encontrar o Rio Dulong no mapa-múndi. Perdido num canto do sudoeste da China, próximo à fronteira com a Birmânia, ele é um dos vários rios que descem do Tibete rumo ao Oceano Índico. Nascido do degelo das geleiras do Himalaia, o Dulong desliza ao longo da fronteira, entre florestas e montanhas, por 90 quilômetros do território chinês. Na região onde ele corre, as condições de vida fazem lembrar as selvas da Guerra do Vietnã: chove em média 300 dias ao ano, o calor é insuportável, o acesso só é possível por trilhas pouco conhecidas, mosquitos, serpentes e sanguessugas proliferam sem descanso. Nesse ambiente hostil, vive um grupo étnico que estabeleceu um relação quase sagrada com o rio e dele emprestou o nome. Sãos os dulongs.

Os dulongs podem ser considerados um dos povos mais primitivos da Terra. Completamente exilados de qualquer contato com a civilização – apenas a cada dois anos, em média, um emissário do Estado chinês aparece para uma visita -, eles cultivam hábitos de sobrevivência pré-históricos. Falam um dialeto confuso e sequer desenvolveram a escrita. Confeccionam do linho suas próprias roupas. Vivem da agricultura, da caça e da pesca, com métodos e instrumentos rudimentares: plantam batata e trigo por um sistema de queimadas, criam soltos porcos e galinhas, pescam com as mãos e usam bestas para caçar ursos, javalis e, às vezes búfalos.

dulongs_007

Quando isso acontece, a família do caçador que matou o búfalo convida as outras da tribo para um grande banquete. Numa demostração de riqueza e poder, os pedaços de carne são repartidos entre todos os dulongs. Apenas os homens, porém, têm o direito de brindar com o”álcool do mesmo coração”, uma espécie de cerveja feita de trigo, que simboliza a intimidade e a amizade, dois dos maiores valores preservados por eles.

O grande motivo para o isolamento total dos dulongs é uma secular e insolúvel fraqueza que eles sentem diante de outros povos tibetanos – é por isso que eles zelam tanto valores como a união entre todos da tribo. No passado, em tempos de guerra, as mulheres dulongs eram raptadas durante à noite pelos tibetanos, algumas eram estupradas e outras, nunca mais retornavam à aldeia. Das guerras surgiu também um dos traços mais marcante da cultura dulong: as tatuagens. Além de ficarem mais feios para amedrontar os inimigos nos combates, as tatuagens funcionam como um sinal de identificação tanto agora como numa outra vida, depois da morte, na qual eles sempre acreditaram. O costume de tatuarem suas mulheres vem desde o final da Dinastia Ming, a cerca de 360 ​​anos atrás e atualmente somente umas 30 mulheres mais idosas podem ainda ser vistas tatuadas.

dulongs_003

A forte crença no sobrenatural, aliás, é uma das armas que eles usam para conviver com o “fantasma” da ameaça dos outros tibetanos. Desamparados no meio da floresta, os dulongs confiam num espírito imortal que dirige a natureza e do qual todos eles são subordinados e protegidos. Até mesmo para a caça os homens preparam certos ritos: antes de partir para a floresta, estatuetas de trigo representando imagens sagradas são colocadas sobre um pedestal e viram alvo para seus tiros de bestas. Uma maneira um tanto estranha de honrar os deuses…

Vivendo como na Idade da Pedra, os dulongs nem imaginam o que possa ser televisão, luz elétrica, telefone, automóveis…O que importa? Em paz, isolados pelas florestas e montanhas do sudeste da China, eles têm, como como acreditam, a eternidade – e o Rio Dulong – para cultivar os seus costumes sem as agruras das civilizações modernas.

Rio Dulong - China

Rio Dulong – China

dulongs_020

dulongs_005

dulongs_015

dulongs_016

dulongs_017

dulongs_018

dulongs_019

dulongs_001

dulongs_004

dulongs_006

dulongs_009

dulongs_010

dulongs_011

dulongs_012

dulongs_013

dulongs_014

Fonte: Revista Terra n° 01

Visualização: 154 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inóspitos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inóspitos

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Pitcairn, a ilha perdida dos amotinados

Magnus Mundi25 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Gocta, a catarata escondida do Peru

Magnus Mundi15 de junho de 2018

O misterioso Vidro do Deserto da Líbia

Magnus Mundi10 de junho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Sentinelas da Bretanha

Magnus Mundi31 de março de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018