Antigas

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Nas profundezas da floresta nigeriana, havia um imenso reino cercado por um enorme muro de terra e uma vala. Construído durante a Idade Média, este grande reino africano foi maior do que muitos reinos contemporâneos de seu tempo, como Bagdá, Roma ou Cairo. No entanto, nada deste vasto reino sobrevive hoje, exceto por sua muralha de fortificação – uma estrutura tão grande que sua construção foi um feito que era maior em escala do que a da Grande Pirâmide de Gizé.

A fortificação de Eredo de Sungbo, é essencialmente um fosso e uma parede de terra ao lado dele, que juntos correm em um círculo por um comprimento de cerca de 160 quilômetros, abrangendo uma área de mais de 4.000 quilômetros quadrados. Este poderia ser o maior monumento arqueológico único do mundo. Desde pelo menos o século 8 d.C., enormes sistemas de muros e valas foram construídos na área de Benim contemporâneo e na Nigéria ocidental. Essas estruturas atestam o estado comparativamente avançado de culturas que se desenvolveram na floresta tropical africana.

O Eredo de Sungbo é uma estrutura comparativamente mais jovem, terminada algumas vezes por volta de 1.000 d.C. após dois séculos de construção. Embora seja uma estrutura real, pertence ao reino da lenda e do mito. É nomeado após a lendária nobre Bilikisu Sungbo, que os moradores locais estão convencidos de que era a mesma Rainha de Sabá, que foi mencionada na Bíblia e no Alcorão.

Eredo, que significa ‘vala’,  representa um sistema de paredes e valas cavadas em laterita, um solo típico africano, composto de argila e óxidos de ferro. A extensão total dessas fortificações é de aproximadamente cento e sessenta quilômetros. A diferença de altura entre a parte inferior da vala e a borda superior do banco ao lado interno pode atingir vinte metros. O diâmetro dessa enorme fortificação na direção norte-sul é de aproximadamente quarenta quilômetros e na direção leste-oeste, 35 quilômetros.

As paredes da vala são incomumente suaves. O sistema de paredes circunda o antigo estado de Ijebu. A cidade contemporânea de Ijebu-Ode está localizada fora dela, perto da borda nordeste deste sistema. A quantidade de material relocado dessa estrutura excede o volume da Grande Pirâmide de Gizé. Em muitos locais, a vala é um corredor estreito na floresta tropical, com as paredes ladeadas por árvores e outra vegetação, transformando a vala em um túnel verde.

Parece que os construtores dessas fortificações tentaram deliberadamente alcançar água subterrânea ou a argila úmida para criar um fundo lodoso para a vala. Se isso pudesse ser conseguido em profundidade, os construtores pararam, mesmo que apenas na profundidade de um metro. De acordo com alguns pesquisadores, isso é explicado pelo fato de que esse estreito pântano ao redor da terra de Eredo foi dito para ser habitado por demônios que protegeria a terra – tornando-a uma fortificação espiritual e não militar. Em alguns lugares, pequenas estátuas de ídolos cônicos foram colocadas no fundo da vala.

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Pano encobre santuário, onde os locais rezam para a deusa Sungbo | Crédito da foto

Rainha de Sabá

É dificil traçar as origens dessa lenda. Pode ter vindo de tempos antigos ou poderia ter sido influenciado pelo Islã, mas como a história continua, o reino cercado por Eredo foi governado por uma mulher sem filhos chamada Bilikisu Sungbo. Ela ordenou que esta fortificação espiritualmente carregada fosse construída em torno de seu reino.

Os moradores acreditam que esta mulher é a Rainha de Sabá. Afinal, esta rainha lendária (segundo o Alcorão) viveu na África, e como descrito no Cântico dos Cânticos de Salomão como: “Eu sou negra, mas graciosa…” Conta-se que ela enviou ao rei Salomão uma caravana de ouro, marfim e outros objetos de valor.

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Potes de cerâmica encontrados na área. Acredita-se ter poderes de curar a infertilidade em mulheres que se banham com a água de seu interior | Crédito da foto

O Alcorão descreve que ela morava na Etiópia, mas por que não deveríamos presumir que havia antigas rotas comerciais por toda a África nos tempos antigos? Tais lendas parecem descrever interações culturais como, por exemplo, a existência de importantes rotas comerciais e contatos políticos. O túmulo de Bilikisu está localizado em Oke-Eirim dentro do Eredo de Sungbo. Este é um importante local de peregrinação cristã, muçulmanas e tradicionais africanas, mas existe algum ceticismo quanto à autenticidade desde monumento, uma vez que foi descoberto apenas no início do século 20.

O interesse no Eredo começou em setembro de 1999, quando uma equipe de arqueólogos nigerianos e britânicos, chefiados pelo inglês Patrick Darling, da Universidade de Bournemouth, mapeou com sucesso a estrutura. Mas desde lá, a fortificação afundou na floresta e desapareceu no esquecimento científico e midiático. Ainda assim, este monumento notável, uma testemunha dos antigos estados da floresta tropical da África Ocidental, está esperando para assumir seu merecido papel nos livros de história, assim como vários outros monumentos menos conhecidos neste planeta. A estrutura fica a apenas uma hora de distância da cidade metropolitana de Lagos, mas poucos nigerianos, e muito menos, os estrangeiros, já ouviram falar dele, e poucos ainda o visitaram.

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Conchas de búzios encontrados pelo chão da floresta, que se acredita terem sido usados para pagar o pedágio ao longo do caminho, por antigos viajantes que passavam por Eredo | Crédito da foto

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Riacho dentro do Eredo, local de peregrinação anual | Crédito da foto

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Mapa de Eredo de Sungbo | A dupla linha e mais grosso, delineia por onde passava a parede e vala | Crédito da foto

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Recortes de jornais que relata a descoberta do Eredo, pelo inglês Patrick Darling | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Não importa quão curto nosso passo pode ser. Caminhar nesse mundo que diariamente nos puxa para trás, só deixa nossas pernas mais fortes”. – Eric Ventura

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 58 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Antigas

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Antigas

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Os curtumes de couro de Fez no Marrocos

Magnus Mundi6 de novembro de 2017

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017

Kandovan, uma troglodita vila iraniana

Magnus Mundi21 de agosto de 2017

Xian Ming Wall, às muralhas de Xian

Magnus Mundi8 de abril de 2017

Vilarinho das Furnas: Uma aldeia romana submersa

Magnus Mundi30 de março de 2017

Heksenwaag, a casa de pesagem das bruxas de Oudewater

Magnus Mundi5 de dezembro de 2016

O Buraco de Bozouls na França

Magnus Mundi26 de novembro de 2016

Bourbon, os túneis esquecidos de Nápoles

Magnus Mundi22 de outubro de 2016