Animais

Geoduck, o molusco “Pato Gosmento”

Geoduck, o molusco “Pato Gosmento”

Geoduck ou Gooey-duck (Panopea generosa), que literalmente significa “Pato Gosmento“, é uma espécie de molusco bivalve marinho, endêmico da costa oeste da América do Norte e, especialmente, no noroeste do Pacífico. É o maior molusco do mundo, e sua concha pode medir de 15 a 20 cm de comprimento, mas a parte realmente impressionante é o seu longo sifão, que chega a medir mais de um metro de comprimento, pesando em média 1 kg, podendo chegar a 5 kg, mas já houve relatos de Geoducks mais pesados, com 7,5 kg. Seu nome provém da língua lushootseed, da tribo Nisqually.

Os Geoducks são um dos organismos de maior longevidade do reino animal. Eles atingem seu tamanho máximo em cerca de 15 anos e pode viver até 170 anos, mas os indivíduos com mais de um século de vida são relativamente raros em virtude da pesca predatória ao longo dos anos. A sua longevidade deve-se, entre outros motivos, a ter poucos predadores e ao fato de sugar água com fitoplâncton pelo seu sifão, filtrando-a, e expelindo-a por um orifício separado no sifão. Eles geralmente vivem submersos em até 110 m de profundidade, quase que na linha de quebra das ondas. Às vezes, são enterrados tão profundamente que seus sifões só são expostos quando há marés muito baixas e passam ali toda a sua vida.

geoduck-003

As fêmeas produzem ao longo da vida cerca de 5000 milhões de ovos, o que os torna num dos animais com potencialmente mais descendentes e um dos que produz mais ovos. Porém, os ovos apresentam alta taxa de não-eclosão e uma alta taxa de mortalidade para geoducks pequenos.

Há toda uma indústria de exploração deste animal, sendo consumido no Extremo Oriente com a alegação de ser afrodisíaco, devido ao seu aspecto fálico, mas não é comprovado cientificamente. Atualmente a pesca de Geoduck é uma das mais regulamentadas e controladas do mundo: só se pode pescar uma certa quota anual, em determinados períodos fora da época reprodutiva, e os exemplares recolhidos deve ter um mínimo de tamanho, sendo inspecionado o conteúdo do hepatopâncreas em busca de substâncias perigosas, pois são organismos filtradores. Tanto é assim que é costume entre os pescadores colocá-los um certo tempo em recipientes com água corrente a fim de os depurar. Geralmente a venda do animal faz-se sobretudo com ele vivo (90% do total). Dependendo do tamanho, um Geoduck pode custar até 100 dólares e por isso muitas fazendas estão sendo criadas.

geoduck002

Nos Estados Unidos, o molusco ganhou um status “cult”, especialmente no Estado de Washington – onde alguns até o adotaram como uma espécie de talismã. Um exemplo é o mascote “Speedy” do time de futebol do Evergreen State College. A canção do time é “Vamos geoducks. Estiquem o pescoço quando a maré está baixa. Sifão para o alto, esguiche para fora…

É muito popular na China, onde é tido por iguaria, sendo comido cru ou cozinhado num tipo de fondue. Na culinária da Coreia, os geoducks são comidos cruz com molho picante, salteados, ou em sopas e guisados. No Japão é preparado em sashimi cru, mergulhado em molho de soja ou wasabi, sendo chamado mirugai ou mirukuigai.

geoduck-001

geoduck-004

geoduck-005

geoduck-006

geoduck-007

geoduck-008

geoduck-009

geoduck-010

geoduck-011

geoduck-012

Fazenda de Geoduck abandonada

geoduck-013

Fonte: 1

Postagens pelo mundo:

Visualização: 674 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Animais

Dindim, o pinguim que sempre retorna para quem o ajudou

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Ant mill, as espirais da morte das formigas

Magnus Mundi8 de dezembro de 2018

O pântano de sangue da ilha de Ramree

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

Spirobranchus giganteus, o verme árvore de Natal

Magnus Mundi3 de dezembro de 2018

As cabras escaladoras do Marrocos

Magnus Mundi29 de novembro de 2018

Pirâmide de Ball, a maior ilha vulcânica do mundo

Magnus Mundi24 de novembro de 2018

Aula Museo Abejas del Valle, o museu das abelhas

Magnus Mundi22 de novembro de 2018

Fish wheels, roda de peixes para capturar salmões

Magnus Mundi20 de novembro de 2018

Gurung, os caçadores de mel

Magnus Mundi17 de novembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up