Animais

Giant Spider Crabs, um exército no fundo do mar

Giant Spider Crabs, um exército no fundo do mar
Giant Spider Crabs, um exército no fundo do mar

O caranguejo gigante trocando de carapaça

Todos os anos, no período do inverno, entre maio e julho, cerca de 250.000 caranguejos gigantes, conhecidos como Giant Spider Crabs (Leptomithrax gaimardii) que passam a maior parte de suas vidas em aguas profundas, trilham o caminho até as águas mais rasas da Baía de Port Phillip, em Melbourne na Austrália. Apesar de seu tamanho, quando esse caranguejo está sozinho, muitas vezes é difícil de encontra-lo no fundo do mar, porque ele tem o costume de se camuflar, utilizando algas, pedaços de coral e conchas que colocam sobre sua carapaça. No entanto, quando esse exército de caranguejos famintos estão em marcha, é fácil de detectá-los, e por onde eles passam, eles comem tudo que encontram.

Ninguém sabe ao certo, o porquê dessa migração, mas pesquisadores acreditam, que fazem isso para mudar suas carapaças em segurança nas águas rasas da baía. Se acreditava que a migração estava relacionado ao acasalamento, mas provou ser improvável, pois estudos feitos, seguindo a marcha dos caranguejos, foram relatados poucos casais se acasalando. Também não se sabe ao certo, o que acontece após se dispersarem de volta para águas profundas.

Giant Spider Crabs, um exército no fundo do mar

Centenas de carapaças vazias deixadas na baía de Port Phillip, na Austrália

Como a maioria dos crustáceos, uma armadura protege estes caranguejos, não permitindo, no entanto, que eles cresçam. Então os caranguejos precisam se livrar da casca antiga e cultivar uma nova maior. Para fazer isso, eles segregam uma enzima especial que separa o antigo escudo da pele subjacente, enquanto uma nova casca fininha e macia é secretada sob a antiga. Os caranguejos começam então a absorver a água do mar e incham, fazendo com que a casca velha se desfaça.

O processo de troca de casca acontece quase que simultaneamente, permitindo que os crustáceos cresçam, ajudando a livrá-los de parasitas e outros animais que crescem em suas conchas incluindo bactérias que podem enfraquecer e corroer sua armadura de proteção. Os pesquisadores acreditam que a aglomeração e a muda de casca em conjunto reduza a chance de que serem comidos, já que durante este processo de muda, os caranguejos ficam vulneráveis ao ataques de arraias e outros predadores, sendo a casca nova mole e de um tom laranja intenso, muito chamativo.

Fontes: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 179 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Os crocodilos que habitam as cavernas do Gabão

Magnus Mundi16 de setembro de 2018

Cordyceps – O fungo que transforma insetos em zumbis!

Magnus Mundi17 de julho de 2018

O valioso sangue azul do caranguejo-ferradura

Magnus Mundi11 de junho de 2018

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de março de 2018

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de janeiro de 2018

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de janeiro de 2018