Animais

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

A tribo Gurung, que vive nas montanhas no distrito de Kaski, Nepal, é conhecida por pegar favos de mel nas encostas das montanhas e copas de árvores e essa antiga tradição perigosa vem de centenas de anos atrás, passadas de pai para filho ao longo dos anos.

Os caçadores escalam atrás de um mel, de coloração avermelhada, proveniente da maior abelha do mundo, a Apis Dorsata Laboriosa, também conhecida como Abelha do Penhasco, que existe apenas no Himalaia e pode chegar a medir três centímetros. Além disso, é considerado o mais valioso que há, por conta de suas qualidades inebriantes e relaxantes. Os nativos da região, chamam esse mel de “mel louco” por conter uma toxina chamada graianotoxina que é venenosa para os humanos. O mel que é feito desse néctar venenoso é um alucinógeno que possui inúmeros benefícios para a saúde e em pequenas quantidades, é relaxante e inebriante, mas em doses maiores, pode causar intoxicação de rododendro, ou intoxicação por mel, o que provoca vômitos, fraqueza muscular e irregularidades cardíacas.

Gurung, os caçadores de mel

Para alcançar as grandes colmeias é preciso arriscar-se em meio a vertiginosas falésias e a fúria dos insetos. São utilizadas ferramentas artesanais e apenas uma corda simples para manter-se pendurado a 50 metros de altura, sem nenhuma proteção e ainda inalando fumaça. Tudo para manter suas aldeias abastecidas.

O povo Gurung possui uma população de aproximadamente 115 mil pessoas e, apesar da grande maioria já ter migrado para cidades do Nepal, ainda há aqueles que vivem em aldeias. Durante duas vezes ao ano, os habitantes da tribo saem a procura de favos, e utilizando ferramentas simples, feitas a base de bambu e cipó e sem nenhuma proteção. Para retirarem o mel, eles queimam folhas para produzir fumaça e afastar as abelhas.

Gurung, os caçadores de mel

Os gurungues formam o grupo predominante da região Annapurna mas ao seu redor há outros grupos – que ocasionalmente podem se misturar ao gurungues dentre os quais estão os tamangues, thakalis, magares e os habitantes das terras baixas de Manang e Mustang. Essas tribos são pouco distintas dos gurungues quanto à língua e à cultura; de fato há íntimas relações entre eles sendo comum ocorrerem casamentos entre as tribos. Os gurungues misturam-se pacificamente e existem muitas amizades entre idiomas castas e divisões de grupos.

Gurung, os caçadores de mel

Os gurungues combinam um estilo de vida realista e prático com uma rica cosmologia envolvendo inúmeros espíritos bons e malignos os quais precisam ser aplacados. Os gurungues representam um ótimo exemplo da mistura de tradições religiosas no caso entre budismo hinduísmo e animismo. Nominalmente porém eles se dizem budistas. Há um razoável êxodo dos vilarejos em direção às cidades do Nepal bem como para tornar-se soldados gurkhas no exterior.

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Gurung, os caçadores de mel

Publicado originalmente em março de 2016

Fonte: Revista Terra

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1546 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Animais

Dindim, o pinguim que sempre retorna para quem o ajudou

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

O pântano de sangue da ilha de Ramree

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

Spirobranchus giganteus, o verme árvore de Natal

Magnus Mundi3 de dezembro de 2018

As cabras escaladoras do Marrocos

Magnus Mundi29 de novembro de 2018

Pirâmide de Ball, a maior ilha vulcânica do mundo

Magnus Mundi24 de novembro de 2018

Aula Museo Abejas del Valle, o museu das abelhas

Magnus Mundi22 de novembro de 2018

Fish wheels, roda de peixes para capturar salmões

Magnus Mundi20 de novembro de 2018

A vespa assassina que transforma baratas em zumbis

Magnus Mundi6 de novembro de 2018

Dedos de Lúcifer, a iguaria perigosa de coletar

Magnus Mundi9 de outubro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up