Exóticos

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

William Marsters

A ilha Palmerston é um atol de corais nas Ilhas Cook, em uma das partes mais isoladas do Oceano Pacífico, a cerca de 3.200 quilômetros da Nova Zelândia. A pequena ilha do Pacífico não tem aeroporto, os recifes estão próximos a superfície da água para hidroplanos pousarem e helicópteros não tem alcance e, portanto ela é visitada por um navio de suprimentos apenas duas vezes por ano. A viagem para a ilha é tão longa e perigosa que apenas os visitantes mais intrépidos se atrevem a visitá-la. Mas a fama de Palmerston não vem só do fato de ser uma ilha paradisíaca perfeita, mas de sua história única.

O atol de Palmerston é composto de uma série de ilhotas de areia em um anel contínuo de recifes de corais que envolve uma lagoa. Seis delas são de tamanho significativo, incluindo Palmerston, North Insland, Lee To Us, Leicester, Primrose, Toms e Cooks, que juntas cobrem apenas uma área de 1,6 quilômetros quadrados. O atol tem onze quilômetros de diâmetros e quinze quilômetros de norte a sul, abrangendo uma área de 56 quilômetros quadrados de mar. O ponto mais alto do atol tem apenas quatro metros acima do nível do mar, e ganhou o apelido de “a montanha“.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Vista aérea do atol, com a ilha principal no canto inferior direito | Crédito da foto

A primeira pessoa a chegar em Palmerston foi o capitão James Cook em 1777, embora ele tivesse descoberto a ilha três anos antes em outra de suas viagens na região. Cook nomeou a ilha depois de ganhá-la de Henry Temple, o 2º visconde de Palmerston, então Senhor do Almirantado. O antigo nome da ilha era supostamente Avarau, que significa “duzentas entradas do porto“.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Ilha de Palmerston | Crédito da foto

A ilha permaneceu uma grande parte desabitada por quase outro século, quando William Marsters, um carpinteiro e fabricante de barris de um navio baleeiro conheceu a ilha em 1860. William ficou tão encantado com a ilha que três anos depois ele retornou com sua esposa polinésia chamada Akakaingaro (conhecida como Sarah), que era filha de um rei das ilhas Cook. Ele, sua esposa e duas primas de Sarah aportaram na ilha com a intenção de morar permanentemente no lugar.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

A vila principal vista de cima | Crédito da foto

William com sua esposa viviam nas ilhas Cook desde 1850 e por volta de 1860, foi nomeado o administrador de Palmerston pelo então dono da ilha, o mercador britânico John Brander. O atol era desabitado na época, e William usou madeira recuperada de naufrágios para construir e povoar uma pequena comunidade, que logo incluiu uma igreja, uma sala de aulas e casas.

William cobriu a ilha de coqueiros e, durante os primeiros anos, os navios de Brander paravam no local a cada seis meses para coletar o óleo de coco que os habitantes da ilha produziam. Aos poucos, as vindas dos navios se tornaram mais raras, seis meses se transformaram em três anos. Até cessarem por completo: John Brander tinha morrido.

A rainha Vitória deu a William a posse da ilha. Ele se casou com as primas da esposa e, juntas, as três famílias tiveram 23 crianças. Em 1899, os coqueiros plantados por William foram destruídos por uma praga, e em maio do mesmo ano, William morreu com 78 anos, depois de adoecer e ficar desnutrido. Antes de morrer, ele dividiu a ilha em três partes, uma para cada esposa. Este arranjo ainda permanece.

Hoje, a ilha tem 62 habitantes, apenas três dos residentes de Palmerston não são descendentes diretos de William Marsters. A ilha tem seu próprio conselho, representado o governo local e membros das três famílias. O casamento dentro de um grupo familiar é proibido.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

No mapa, a ilha fica quase no meio do Oceano Pacífico entre a Austrália e a América do Sul

Os habitantes de Palmerston ainda se orgulham de suas heranças britânicas – eles hasteiam a bandeira britânica em ocasiões especiais, têm grandes fotos da rainha em suas casas e lembram-se com carinho das visitas do Royal Yacht Britannia. Embora seja administrado pelo governo das Ilhas Cook sob a jurisdição da Nova Zelândia, em 1954 a família recebeu a propriedade plena da ilha.

A vida em Palmerston é simples. Não há lojas, apenas dois banheiros, e a água da chuva é coletada para consumo. O dinheiro gerado na ilha é usado apenas para comprar suprimentos do mundo exterior, nunca entre os moradores. A eletricidade funciona das 6:00 às 12:00 horas todos os dias e novamente a noite. Uma estação de telefone recentemente construída fornece o único link para o mundo exterior.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

As principais edificações na ilha de Palmerston | Crédito da foto

Se o navio de suprimentos atrasa, não choramos por causa do arroz ou da carne. Nós nos viramos com coco e peixe. Agora, quando o navio chega, é como se fosse Natal“, diz Bob Marsters, prefeito de Palmerston. Bob mora em uma das extremidades da rua principal. É uma faixa de terra com menos de cem metros de comprimento e abriga meia dúzia de prédios.

Em um dos lados da rua está a igreja. Ela é central para a vida da comunidade. Também é uma das construções mais novas – e mais robustas – da ilha. O sino pintado de branco é tudo o que resta da igreja anterior.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Casa original de William Marsters | Crédito da foto

Sem qualquer outra terra por perto, Palmerston recebe a força total de qualquer tempestade. Então, os moradores amarram as construções às árvores. Em 1926, um tufão atingiu a ilha, arrancando a antiga igreja do solo. “As ondas vieram quebrar sobre as casas aqui“, explica Bob a equipe da BBC, que visitou a ilha em 2014, apontando para a antiga casa de William Marsters, com mais de seis metros de altura.

A igreja foi arrastada 200 metros para dentro da ilha. Nossos pais e mães a trouxeram de volta, empurrando-a por sobre troncos de coqueiros.” completou Bob. Furações atingiram a ilha oito vezes nos últimos cento e quarenta anos.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Centro da ilha | Crédito da foto

O peixe é o alimento básico dos ilhéus, e o preferido dos ilhéus é o Calotomus zonarchus, conhecido popularmente como parrotfish ou peixe-papagaio. O peixe também é o único produto de exportação da ilha. Entre uma e duas toneladas de peixe-papagaio são congeladas e coletadas pelos navios de suprimentos que, duas vezes por ano, vem trazer produtos básicos, como arroz e combustível. Essa pelo menos é a teoria. Às vezes, o navio simplesmente não vem. Em 2012, ele ficou sem aparecer durante 18 meses.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Sossego e tranquilidade é o que mais se pode usufruir na ilha de Palmerston | Crédito da foto

A localização remota da ilha também cria outros desafios. Ir ao dentista por exemplo, torna-se um grande empreendimento. Quando a moradora mais idosa da ilha, Mama Aka, na época com 92 anos, foi receber tratamento dentário em Rarotonga, capital das Ilhas Cook, levou quatro dias para ela chegar lá.

Mas após a consulta, que foi rápida, ele teve que esperar seis meses por um navio que a trouxesse de volta. Se para alguns, o isolamento é o grande atrativo da vida de Palmerston, para outros, ele pode ser uma ameaça. Particularmente porque, com exceção de dois professores e uma enfermeira, todos na ilha são parentes.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Mapa do atol, com as respectivas ilhas | Crédito da foto

Esse isolamento leva muitos a deixar a ilha. Entre 1950 e 1970, a população de Palmerston chegou a 300 habitantes. Um terço da população são crianças, e todos parecem saudáveis e felizes ao participar das aulas na escola da ilha. Mas muitos esperam partir para as cidades a centenas de quilômetros de distância.

Eles sonham com mais conforto, melhores salários e, quem sabe, um marido ou uma esposa. Pouquíssimos deles voltam. Quando a filha mais nova de William Marsters, Titana Tangi, morreu em 1973, havia mais de mil de seus descendentes vivendo em Rarotonga e na Nova Zelândia

Além dos navios de carga, a ilha vê cerca de uma dúzia de barcos visitantes por ano trazendo turistas. Como não há resorts ou hotéis, por costume, a família que primeiro recebe os visitantes oferece a eles uma casa de família em sua casa. Até 1969, a ilha estava perdida nos mapas, desde que os mapas originais do Capitão Cook havia identificado erroneamente a localização exata da ilha por cerca de dezesseis quilômetros. A tecnologia dos satélites finalmente corrigiu o erro secular de Cook.

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Palmerston Lucky School, a escola primária da ilha Palmerston | Crédito da foto

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

O atol visto por satélite | Crédito da foto

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Sepulturas de antigos moradores | Crédito da foto

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

Sepultura de William Marsters | Crédito da foto

Ilha Palmerston, onde os habitantes descendem de um único homem

William Marsters e alguns de seus descendentes | Crédito da foto

Saiba mais sobre a família de William Marsters (em inglês)

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 214 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Exóticos

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Veja mais em Exóticos

McGuire Irish Pub, o pub irlandês de um milhão de dólares

Magnus Mundi1 de junho de 2019

Salar de Uyuni, o grande deserto de sal

Magnus Mundi2 de maio de 2019

Cuexcomate, o umbigo do diabo

Magnus Mundi30 de abril de 2019

Desierto Florido, a floração no deserto do Atacama

Magnus Mundi16 de abril de 2019

La Geria, os vinhedos inusitados de Lanzarote

Magnus Mundi12 de abril de 2019

Jal Mahal, o palácio da água da Índia

Magnus Mundi22 de março de 2019

As cataratas inundadas do Guairá

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2019

Houtouwan, a vila de pescadores abandonada na China

Magnus Mundi24 de janeiro de 2019

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelos romanos

Magnus Mundi13 de janeiro de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up