Arqueológicos

Lady Dai, a múmia preservada da China

Lady Dai, a múmia preservada da China

Um corpo grotesca de 35 quilos exibido no Museu Provincial de Hunan, na China é considerada uma das múmias mais bem preservadas do mundo. Enquanto seu rosto parecia inchado e deformado, sua pele ainda estava macia e úmida ao toque, e não havia sinais de rigor mortis em qualquer parte de corpo – seus braços e pernas ainda podiam dobrar. Até mesmo seus órgãos internos estavam intactos e ainda havia sangue nas veias. Também tinha cabelo na cabeça e uma peruca presa com um grampo de cabelo na parte de trás da cabeça. A membrana timpânica da orelha esquerda estava intacta, e as impressões digitais das mãos e dos dedos eram distintas.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Enquanto outras múmias tendem a desmoronar ao menor movimento, a múmia de Lady Dai está tão bem cuidada que os médicos puderam realizar uma autópsia mais de 2.100 anos após sua morte. e ficaram surpresos por descobrirem que o nível de decomposição se assemelhava aos corpos de pessoas que morreram em poucas semanas. Não só foram capazes de reconstruir sua morte, mas também sua vida. Eles até determinaram seu tipo de sangue – Tipo A. A autópsia de Lady Dai é sem dúvida o perfil médico mais completo já compilado em um indivíduo antigo. Estimasse que Lady Dai tinha em vida, um peso de 70 – 75 quilos, e uma estatura de 150 – 152 centímetros.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Representação de como era a tumba de Lady Dai

Lady Dai ou Xin Zhui, era a esposa aristocrática de um nobre da dinastia Han, Dai Li Kang, o Marquês de Dai. Não havia dúvidas de que ela vivia uma vida extravagante – sua tumba estava cheia de luxos que só os mais ricos de sua época podiam pagar. Estes incluem centenas de roupas de seda ricamente bordadas, saias, luvas delicadas, um sachê de seda cheio de especiarias diversas, flores e juncos perfumados, caixas de cosméticos, mais de cem utensílios de laca, instrumentos musicais, estatuetas de músicos, e mais de mil outros itens, incluindo trinta cestos de bambu, com comida prontas, juntamente com receitas dos pratos favoritos da falecida. Entre os itens encontrados no túmulo, havia vinho, hastes de lótus, morango, peras, ameixas, bem como muitos tipos de carnes – carne de porco, bovina, veado, peixes, cães e coelhos, bem como algumas aves, como pombos, cisnes, faisões e coruja.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Caixão de laca de Lady Dai

Esses objetos mostram que Lady Dai viveu uma vida de luxo, que ela gostava muito“, diz Willow Weilan Hain Chang, diretor da China Institute Gallery em Nova Iorque, onde alguns dos objetos recuperados de seu túmulo foram exibidos em uma exposição em 2009. “Ela queria manter o mesmo estilo de vida terrena, na vida após a morte“, completou o diretor.

Foi essa boa vida que ela ansiava que acabou matando-a. Enquanto envelhecia, Lady Dai deixava para trás a beleza de seus dias joviais e se entregava a todos os prazeres culinários (como sopa de escorpião) até que seu corpo diminuto se curvou devido a obesidade. Ilustrações feitas em sua bandeira funerária mostrava-a curvada sobre uma bengala. Ela poderia ter sido incapaz de andar sem ela por causa de sua trombose coronária e arteriosclerose que ela adquiriu devido ao seu estilo de vida sedentário. Também foi descoberto que ela tinha – como sua autópsia revelou – um disco fundido em sua coluna que teria causado dor nas costas e dificuldade para andar.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Ela tinha vários parasitas internos, provavelmente por comer alimentos mal cozidos ou por falta de higiene, sofria de artérias obstruídas, doença cardíaca grave, osteoporose e cálculos biliares, um dos quais se alojava em seu ducto biliar e deteriorava ainda mais sua condição. Lady Dai morreu com a idade de cerca de cinquenta anos de uma ataque cardíaco súbito, devido aos anos de excesso e saúde fragilizada. Sua última refeição consistia em melões.

Ironicamente, seu túmulo contém uma quantidade impressionante de informações na forma de livros e pergaminhos sobre saúde, bem-estar e longevidade. Em inscritos com caracteres chineses havia receitas de várias medicinas tradicionais chinesas para tratar dores de cabeça, paralisia, asma, problemas de saúde sexual e outros.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Múmia de Lady Dai exposta no Museu Provincial de Hunan, na China

O túmulo de Lady Dai foi encontrado em 1971 durante a escavação em um sítio arqueológico chamado Mawamgdui, perto da cidade chinesa de Changsha, Hunan. Ela foi descoberta envolta em vinte camadas de seda e dentro de uma série de quatro caixões aninhados em tamanhos decrescentes, um dentro de outro. Para manter o ar e a água fora, seu túmulo foi preenchido com cinco toneladas de carvão e uma camada de vários metros de espessura de argila. Este espaço hermeticamente fechado matou qualquer bactéria que pudesse estar dentro e ajudou a preservar o corpo.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Banner funerário

Arqueólogos também encontraram vestígios de mercúrio em seu caixão, indicando que o metal tóxico pode ter sido usado como agente antibacteriano. Seu corpo também foi encontrado embebido em um líquido desconhecido que é ligeiramente ácido com traços de magnésio, o que também impedia o crescimento das bactérias. Alguns acreditam que o líquido é, na verdade, é fluído do corpo, em vez de algum líquido conservante derramado em seu caixão. Como exatamente o corpo de Lady Dai combateu a decomposição é um mistério, já que muitos corpos enterrados em ambientes hermeticamente fechados e impermeáveis não conseguiram preservar.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Figura em cera de Lady Dai, descrevendo como ela poderia ter parecido quando mais jovem e saudável

Na dinastia Han ocidental (a segunda dinastia imperial da China, 206 a.C. – 220 d.C.), enterros elaborados e luxuosos eram prática comum. Uma das razões era a noção de imperecibilidade da alma: acreditava-se que existia outro mundo para os mortos, e eles precisavam de comida e acomodação como os vivos. Portanto, a consagração para os mortos deve ser a mesma que foi fornecida para os vivos, e todas as necessidades na vida devem ser trazidas para o túmulo para uso na vida após a morte. A outra era a ênfase na piedade filial durante esse tempo. Na dinastia Han, a piedade filial tornou-se uma abordagem importante para se tornar um funcionário, e enterros elaborados e luxuosos são uma maneira significativa de mostrar piedade filial aos pais falecidos. Essas foram as principais razões pelas quais havia tantos artefatos preciosos no túmulo de Lady Dai.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Detalhe aumentado do banner funerário mostrando Lady Dai curvada e utilizando uma bengala

Outro achado impressionante é o manto de Lady Dai. Em um pedaço de seda, um mapa foi desenhado. Ele continha os territórios de três províncias chinesas em uma escala de 1: 180.000. O mapa parecia ter sido compilado a partir de fotografias de uma órbita próxima da Terra. O mapa na seda foi comparado com imagens modernas de territórios chineses feitos por satélites da NASA. A precisão incrível deixou os cientistas americanos atônicos.

Em 1971, no auge da Guerra Fria, uma equipe de trabalhadores cavando um abrigo antiaéreo para o hospital encontrou um antigo cemitério. Arqueólogos começaram a escavar em janeiro de 1972. Foi uma das descobertas arqueológicas mais surpreendentes já feitas na China. O sítio arqueológico recebeu o nome de Mawangdui (monte do Rei Ma, porque a tumba funerária foi inicialmente considerada erroneamente como o túmulo de Ma Yin (853–930), governante do reino de Chu).

Lady Dai, a múmia preservada da China

Nas escavação em Mawangdui foram encontrados os corpos de Lady Dai, assim como a de seu marido e presumivelmente seu filho, são considerados uma das principais descobertas arqueológicas de século 20. A partir das construção dos túmulos e dos vários artefatos funerários, os arqueólogos conseguiram reunir como os aristocratas viveram durante a dinastia Han. Das várias refeições enterradas dentro da tumba e até mesmo do conteúdo do estômago de Lady Dai, os arqueólogos conseguiram reconstruir uma história surpreendentemente detalhada da dieta, práticas agrícolas, métodos de caça, domesticação de animais, produção e preparação de alimentos da dinastia Han Ocidental, e uma visão a nível estrutural para o desenvolvimento de uma das melhores e mais duradouras cozinhas do mundo.

Lady Dai, a múmia preservada da China

Lady Dai, a múmia preservada da China

Ilustração do túmulo de Lady Dai e como estavam os mais de 1.000 itens dispostos

Lady Dai, a múmia preservada da China

Lady Dai, a múmia preservada da China

Lady Dai, a múmia preservada da China

Lady Dai, a múmia preservada da China

Durante as escavações em 1972

Lady Dai, a múmia preservada da China

Mapa do reino de Changsha, impresso em seda

Fontes: 1 2

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 110 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Lady Dai, a múmia preservada da China – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arqueológicos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Arqueológicos

Cidadela de Erbil, a cidade de seis mil anos

Magnus Mundi18 de novembro de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Monte Testácio, o depósito de lixo com 2.000 anos

Magnus Mundi14 de maio de 2018

Nosy Mangabe, a ilha das pedras postais

Magnus Mundi4 de abril de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Cueva de las Manos, a caverna das mãos na Patagônia

Magnus Mundi8 de janeiro de 2018

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Magnus Mundi12 de novembro de 2017

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up