Engenharia

Lingotto, uma pista de testes no telhado

Lingotto, uma pista de testes no telhado

A grande notícia dos jornais no dia 23 de Maio de 1923 era a inauguração das novas instalações da Fabbrica Italiana di Automobili Torino (FIAT) em Lingotto, Turim na Itália. Uma imensa estrutura de cinco andares que possuía algumas características inovadoras.

Quando a Primeira Guerra Mundial finalmente acabou, a Fiat retomou a fabricação de automóveis, detendo 80% do mercado interno. Fora uma breve revolta comunista entre os funcionários no ano de 1921, tudo seguia muito bem e a empresa estava pronta para voltar a crescer. Assim, Giovanni Agnelli dono da Fiat e seu filho Gianni, que tinha recentemente retornado de uma viagem aos EUA, impressionado com as linhas de montagens da Ford Motor Company, encomendaram ao engenheiro Giacomo Matté-Trucco o projeto de uma fábrica que se tornaria o símbolo da indústria italiana e a maior fábrica de automóveis do mundo. Com a sua estrutura em concreto armado apoiada em mais de 1000 pilares, Giacomo teve um grande trabalho no planejamento da estrutura, devido as limitações do terreno e das linhas ferroviárias nas proximidades. Quando a obra ficou pronta em 1923, tinha cinco andares e uma pista de testes em sua cobertura, com duas curvas parabólicas, que ocupava um espaço de 494 metros de comprimento por 85 de largura. As curvas da pista foram construídas com uma complexa série de estruturas de concreto, uma técnica que não havia sido utilizada anteriormente, muito menos em uma pista no sexto andar de um prédio.

Diferentemente do que você deve estar pensando, a pista não foi feita por acaso ou por mera extravagância italiana. Ela era, na verdade, a última etapa do processo de fabricação dos carros. Como a fábrica de Lingotto tinha uma linha de produção em espiral ascendente, em cada andar era feita uma etapa da fabricação, fazendo com que o carro subisse aos poucos pelo prédio. O punhado de peças e componentes no andar inferior chegava ao topo do prédio como um automóvel completo, pronto para ganhar o mundo.

Quando um Fiat terminava seu percurso fabril pelos 1.500.000 m² de Lingotto, ele saia do prédio por uma rampa de acesso ao teto. Cada carro percorria então a pista para garantir que o pessoal nos pisos inferiores havia feito seu trabalho corretamente. Assim que aprovado, o carro descia direto para o térreo por uma das duas rampas espirais que saem da pista. A pista de testes se tornou tão famosa quanto a fábrica abaixo dela. Ela até apareceu no filme Um Golpe à Italiana (The Italian Job – 1969). Durante a famosa cena de fuga, os três Mini Cooper usados pelos ladrões ficam lado a lado em uma das parabólicas, com o policial em sua cola.

Durante muitos anos a fábrica trabalhou em pleno vapor e das suas linhas de montagem saíram cerca de 80 modelos da marca italiana, incluindo o famoso Topolino. No entanto a produção da fábrica Lingotto, com uma média de fabricação de 200 carros por dia, era menor que o esperado, uma vez que a Ford fabricava milhares por dia, a Fiat decidiu construir uma nova fábrica mais moderna em Mirafiori e o modelo Lancia Delta foi o último carro fabricado em Lingotto, em 1979 e a fábrica definitivamente fechada em 1982.

Posteriormente foi lançado um concurso de arquitetura tendo em vista a reutilização do edifício. O projeto vencedor foi do arquiteto Renzo Piano, que manteve a integridade formal do imenso edifício e atribui-lhe novas funções habitacionais e culturais: zonas comerciais, escritórios. Seus andares são ocupados por um shopping center, um teatro, um centro de convenções e um hotel. Concluído em 2002 permaneceu um exemplo de futuro embora distante daquele que lhe anteviram inicialmente. Quanto à pista no teto, ela permanece intacta, e é utilizada principalmente como local para reunião de empresas, clubes de automóveis, além de atração turística — você pode alugar um carro e subir os seis andares e dar uma volta pelas retas da pista.

Lingotto-8

Corrida de Vespas, evento organizado pela Red Bull em 2011 | Crédito da foto

Lingotto-9

Corrida de Vespas, evento organizado pela Red Bull em 2011 | Crédito da foto

Lingotto-10

Corrida de Vespas, evento organizado pela Red Bull em 2011 | Crédito da foto

Lingotto-11

Corrida de Vespas, evento organizado pela Red Bull em 2011 | Crédito da foto

Lingotto-2

Crédito da foto

Fonte: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 240 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Engenharia

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Engenharia

O extraordinário Grande Canal da China

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Jantar Mantar, o observatório astronômico da antiga Índia

Magnus Mundi4 de setembro de 2018

Devil’s bridge, as pontes do diabo na Europa

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Ilhas Astronautas, as ilhas camufladas da Califórnia

Magnus Mundi4 de abril de 2018

The Wall, a estrutura contra o vento de Fermont

Magnus Mundi19 de março de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Magnus Mundi16 de setembro de 2017