Inusitados

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Em média, um pneu de um carro percorre 32 mil quilômetros antes de precisar ser substituído. Devido ao grande volume de pneus descartados e a dificuldade na coleta, bem como os altos custos na operação de reciclagem, muitos destes pneus acabam sendo abandonados na natureza, gerando uma série de problemas, que vão desde a poluição do meio ambiente ou servindo de ninho para o mosquito Aedes Aegypti. Este tipo de prática é ilegal na Europa e desde 2003, a União Europeia proíbe o despejo de pneus em aterros, devendo ser incinerados ou reciclados.

Estados Unidos, Índia, Paquistão, China acabam se livrando deles, exportando os pneus velhos para o Kuwait, que os depositam em imensos aterros no deserto. Um deles na região de Sulaibiya, a cerca de 30 quilômetros da Capital do Kuwait, capital do país, acabou se tornando o maior depósito de pneus do mundo, tão grande que é visível a partir do espaço. Estimasse que já tenha mais de nove milhões de pneus acumulados nas areias de Sulaibiya e como para a empresa que gerencia o aterro, o negócio é lucrativo, quatro delas que operam no lugar, precisam escavar novos buracos para as demandas futuras.

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Pneus descartados estão entre as maiores e problemáticas fontes de resíduos, devido ao grande volume produzido, a sua durabilidade, e o fato de que eles contêm uma série de componentes que são prejudiciais para o meio ambiente. Durante os anos 1980 e 1990, 259 milhões de pneus foram descartados todos os anos. No ano de 2000-2001, os Estados Unidos e países da União Europeia descartaram 5 milhões de toneladas de pneus, o equivalente a um pneu de automóvel por pessoa. Um quarto desse número acabam em aterros sanitários. Outros são reciclados, queimado como combustível ou recauchutados e exportados para países da Europa Oriental, África e América Latina. Num certo momento, o estado da Flórida tentou criar um recife artificial com pneus descartados. O projeto falhou terrivelmente e desde então se tornou um pesadelo ambiental que vai custar milhões de dólares para corrigir.

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Os materiais dos pneus reciclados podem ser usados para uma variedade de fins, como parques infantis, proteção em pistas de corrida, campos desportivos, arenas equestres e na fabricação de chinelos e artesanatos. Podem também ser usados na construção de estruturas resistentes a inundações e, na construção de estradas. Os especialistas afirmam que as estradas de borracha requerem menos manutenção e ainda permitem drenagem – para além da poupança de dinheiro.

Nos EUA foram construídas estradas de borracha na década de 1960, existindo hoje mais de 32 mil quilômetros de estrada feitas de pneus reciclados. As estradas de borracha também são muito populares na China, Espanha e na Alemanha. A técnica reduz ainda o ruído do tráfego em cerca de 25%. Se os pneus descartados estiverem em boas condições, eles podem reformados e colocados de volta na estrada, como remanufaturados, diminuindo os valores de compra. Uma grande porcentagem dos pneus fora de uso são simplesmente queimados, usados como combustível em fornos. O valor calorífico dos pneus excede a do carvão, enquanto que o teor de enxofre está na mesma ordem de grandeza ou mesmo inferior, tornando-os um excelente substituto para o carvão.

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O acumulo de pneus em aterros como no Kuwait, é provavelmente o menos desejado por todos os países, porque ocupam grande espaço e pneus acumulados também podem produzir gases metano que podem ocasionar incêndio graves, como ocorreu em abril de 2012, onde um grande incêndio no aterro de Sulaibiya, produziu uma densa nuvem de fumaça negra, com a queima de 500.000 pneus.

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Imagem tirada em 2012

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Em 2015, é visível o aumento do cemitério de pneus

O cemitério de pneus em Sulaibiya no Kuwait

Incêndio de parte do cemitério em 2012, onde 500.000 pneus se incendiaram, gerando uma espessa nuvem negra

Fontes: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 589 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Inusitados

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Magnus Mundi6 de outubro de 2018

Os moradores das copas das árvores da floresta de Hambach

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Monte Kali, a montanha branca de sal

Magnus Mundi27 de setembro de 2018

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018
Scroll Up