Animais

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

A cerca de trinta quilômetros da costa central do Chile, há uma pequena ilha, um destino turístico chamada Mocha, e habitada pelos indígenas mapuche. A ilha era bem conhecida entre os marinheiros, especialmente piratas e corsários, que usavam a ilha como base de suprimentos, trocando produtos de metal e outras quinquilharias por gado, milho e batatas com os indígenas.

Ilha Mocha

Ilha de Mocha na Costa do Chile | Crédito da foto

Os corsários ingleses e holandeses frequentemente paravam na ilha, carregavam seus navios com suprimentos e, após uma breve estada, navegavam pela costa do Pacífico, saqueando navios e portos espanhóis pelo caminho. O mais famoso deles foi Francis Drake (1540 – 1596), e suas façanhas eram lendárias, tornando-o um herói para os ingleses, mas um pirata terrível para os espanhóis, a quem ele era conhecido como El Draque.

Foi em torno das águas desta ilha que a baleia macho Mocha Dick foi descoberta pela primeira vez em 1810, e foi uma das duas baleias que inspiraram o romance Moby Dick, romance de Herman Melville. Originalmente, o livro de Melville se chamava La Ballena, mas foi mudado para Moby Dick por sugestão de seus editores, uma vez que a história de Mocha Dick era conhecida pelo público leitor de Boston e Nova Iorque, nos Estados Unidos. Dick incorporado ao nomes das baleias é sinônimo de pênis, macho ou garanhão.

A baleia que foi homenageada como o nome da ilha era famosa entre os baleeiros ingleses e americanos de Nantucket, ilha da costa de Massachusetts, de onde saiam a maioria dos baleeiros. O enorme e albino cachalote era na verdade bastante dócil e às vezes, visto nadando ao lado dos próprios navios projetados para matar sua espécie.

Mas uma vez que o caxarréu fosse atacado, ele retaliava com ferocidade e astúcia, e era amplamente temido pelos arpoadores. Quando estava furioso, jorrava água de sua narina de um modo peculiar e saltava para o ar tão agressivamente que todo o seu corpo, às vezes saia completamente da água.

Representação da ilha Mocha do livro que narra as aventuras do pirata holandês Joris van Spilbergen.

A capacidade de Mocha Dick de ludibriar até mesmo ao mais experiente capitão baleeiro lhe rendeu reverência, e à medida que sua notoriedade aumentava, “Seu nome era usado frequentemente, nas saudações que os baleeiros tinham como hábito de trocar, em seus encontros ao largo do Pacífico“. Escreveu o explorador e escritor americano Jeremiah N. Reynolds, num artigo sobre Mocha Dick em 1839, intitulado “Mocha Dick or the white whale of the Pacific“, da revista The Knickerbocker. “Alguma notícia do Mocha Dick?“, perguntavam um baleeiro ao outro nos portos.

Ilustração da captura de Moby Dick | Crédito da foto

Jermiah descreve Mocha Dick como uma aberração da natureza – “branca como a lã” e com a cabeça coberta de cracas, o que lhe deu uma aparência robusta. De suas costas projetava não menos de vinte arpões – “lembranças enferrujadas de muitos encontros desesperados.” A baleia também tinha um método peculiar de jorrar:

Em vez de projetar sua cabeça obliquamente para a frente e soprar com um esforço convulsivo e curto, acompanhado por um ruído de bufo, como de costume de sua espécie, ela arremessava a água da narina num volume alto, perpendicular e expandido, em intervalos regulares e um tanto distante; sua expulsão produzia um som contínuo, como o de um vapor lutando contra a válvula de segurança de um potente motor a vapor.

Mocha Dick acabou sendo morta em 1838. Sua carcaça foi medida e descobriu-se ter 21 metros de comprimento. Segundo relato do escrito Jeremiah, ao longo de vinte e oito anos, Mocha Dick ganhou a reputação de ser uma das baleias mais astutas e temidas dos oceanos. Durante esse período, ela atacou mais de 100 navios baleeiros, supostamente matou mais de trinta homens e afundou cerca de vinte baleeiras.

Ilustração de como seria Mocha Dick | Crédito da foto

Mocha Dick não era, aparentemente, a única baleia branca no mar nem era especialmente hostil. Na verdade, as cachalotes são conhecidas por serem agressivas em relação aos navios. Em 1820, um cachalote gigante, com cerca de vinte metros de comprimento, atacou um baleeiro chamado Essex, fazendo-o afundar.

Sua tripulação ficou à deriva em três pequenos barcos a milhares de quilômetros da terra. Um a um, os homens sucumbiram à fome e à desidratação até restarem apenas oito dos vinte homens originais, que foram resgatados pelo baleeiro norte-americano Delfim, perto da costa do Peru. Eles foram resgatados mais de três meses depois. Sete deles tinham desistido de suas vidas para que os outros pudessem comer seus corpos para se manterem vivos. É uma história de dificuldades insondáveis e extremo desespero.

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

Capa da revista com o artigo de Jeremiah N. Reynolds, de 1839, intitulado “Mocha Dick or the white whale of the Pacific”, da revista The Knickerbocker.

Quando Herman Melville ouviu a história, ele se encontrou com o capitão do Essex e foi inspirado a escrever seu romance clássico Moby Dick, habilmente interligando fatos com ficção, juntamente com sua própria experiência como marinheiro. A baleia branca notoriamente difícil de capturar no romance de Melville é baseada em Mocha Dick.

A lenda de Mocha Dick continua viva entre os habitantes da Ilha Mocha. Segundo a mitologia mapuche, vivem quatro mulheres idosas na ilha, que se transformam todas as noites em quatro baleias. As baleias, chamadas Trempulcahue, levam as almas dos mortos para “Ngill Chenmaywe” (lugar para a reunião das pessoas), de onde as almas começaram sua jornada para o oeste. Acredita-se que a ilha Mocha seja Ngill Chenmaywe.

Aproximadamente metade da ilha hoje é protegida pelo programa da Reserva Nacional. Por causa de sua população esparsa, a ilha tem uma grande população de aves marinhas e uma exuberante floresta virgem. As águas ao redor da ilha também estão repletas de inúmeros naufrágios históricos.

Ilustração da captura de Moby Dick | Crédito da foto

Escultura de Mocha Dick feita por Tristin Lowe | Crédito da foto

Escultura de Mocha Dick feita por Tristin Lowe num museu em Massachusetts, EUA | Crédito da foto

Ilustração para a revista de história em quadrinhos Mocha Dick, La Leyenda de La Ballena Blanca | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3 4

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 893 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Este site é um projeto de um homem só, desenvolvido durante seu tempo livre, por favor, deixe um comentário do que achou do artigo. Ele será muito importante e também estou aberto a críticas construtivas.
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Animais

Jack, o babuíno sinaleiro

Magnus Mundi30 de agosto de 2019

Clay Lick, as encostas de barro que as aves gostam de comer

Magnus Mundi21 de agosto de 2019

Projeto Isabela: Cabras traindo cabras nas ilhas Galápagos

Magnus Mundi17 de agosto de 2019

O exótico café Jacu Bird

Magnus Mundi4 de junho de 2019

As incomuns escadas de gatos da Suíça

Magnus Mundi19 de maio de 2019

Íbex, a cabra escaladora de barragens

Magnus Mundi29 de abril de 2019

Ilha Stephen, onde os gatos deram fim a uma espécie de ave

Magnus Mundi10 de abril de 2019

Bracken Bat Cave, a maior colônia de morcegos do mundo

Magnus Mundi7 de março de 2019

Globsters: quando monstros marinhos encalham nas praias

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up