Lugares

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel é uma ilhota rochosa na foz do rio Couesnon, situado numa baía do canal da Mancha, entre a Bretanha e a Normandia na França, a 360 quilômetros de Paris onde foi construído uma abadia, apelidada de “A Maravilha” e um santuário em homenagem ao arcanjo São Miguel. Seu antigo nome era “Monte Saint-Michel em perigo do mar” (Mons Sancti Michaeli in periculo mari). Este mosteiro, fortificado no século 13, integra um conjunto com mais três cidades cujas fortificações e desenvolvimento são notáveis: Aigues-Mortes (1270-1276), ponto de reunião dos Cruzados rumo à Terra Santa, Carcassone, célebre por suas defesas, e Avinhão, sede alternativa da Cristandade (1309-1377).

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Estas cidades fortificadas, denominadas “bastides” marcavam a fronteira dos reinos ao final da Idade Média, servindo como elementos de defesa e dando ao povo novas oportunidades sociais. Foram construídas mais de 300 só na França, entre os anos de 1220 e 1350. Além das “bastides“, foram projetadas e construídas em toda a Europa, de Portugal à Polônia, e nomeadamente no sudoeste da França, entre 1136 e 1270 aproximadamente, numerosas “villeneuves” (cidades novas), que muito contribuíram para o nascimento e consolidação de uma classe social burguesa.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Antes de edificações serem construídas pelo homem, Mount Saint Michel era apenas uma rocha com encostas íngremes, com setenta e oito metros de altura em meio a uma densa floresta circundante, que ao longo do tempo, desapareceu sob às águas do mar. No passado, antes de se tornar uma ilha, o lugar se chamava Mont-Tombe e era território sagrado para os povos que viviam por ali. Os celtas fizeram dele um lugar de sepultamento e os antigos romanos mantiveram o monte por muito tempo, um lugar para rituais. Há uma lenda que diz, que Julio Cesar foi enterrado ali, num caixão de ouro. No século 5, o monte já era uma ilha com seis quilômetros de água separando-a do continente e apenas duas vezes por dia, na maré baixa, se abria uma passagem perigosa e toda a área se tornava um imenso lamaçal, com alguns pontos com areia movediça que engolia os incautos.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

A história da abadia do monte Saint-Michel começou em 708, quando Aubert, bispo da cidade de Avranches sonhou com o anjo Miguel, que lhe pedia que fosse erguido uma capela no monte. As aparições persistiram e assim o bispo ordenou a construção da capela no monte em honra ao arcanjo São Miguel (Saint-Michel). Milagres aconteceram durante a construção da capela que a tornaram famosa naquele tempo, tais como: Uma enorme pedra rodou monte abaixo, parando a centímetros de onde estava um bebê brincando. A ilha era desprovida de água doce, o bispo teve outro sonho com o anjo que lhe mostrou uma pedra, abaixo desta rocha, a equipe de construção da capela encontrou uma fonte de água doce que por anos, foi lugar de peregrinação.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Em 966, os monges beneditinos se instalaram no lugar, criando uma abadia, e nas horas livres das orações, se dedicavam a copiar manuscritos, estudar literatura, história e ciência. Uma pequena vila foi-se formando na base do monte. Graças à ajuda financeira de senhores feudais da Normandia, Bretanha, Itália e Inglaterra, uma enorme igreja em estilo romano pode ser construída no topo do penhasco. Milhares de pessoas começaram a peregrinar ao monte atrás da ajuda do anjo Miguel e nisso, centenas deles morreram nas areias movediças ou afogados nelas, nas inesperadas mares que pegavam os desprevenidos. No passado, se dizia, que para atravessar até Mont Saint-Michel, precisava se fazer um testamento.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Um lenda diz que uma mulher no último mês de gravidez, foi sozinha para o Mont Saint-Michel e começou a atravessar o espaço de areia entre a costa e a ilha. Vendo a imagem tão sedutora da igreja sobre o monte, não achou que a distância fosse tão grande e rapidamente se viu cercada pelas águas que aumentavam de volume a cada instante. Sabendo que ia morte, ela se deitou e pediu ajuda a Virgem Maria. Sem perceber, um pequeno monte surgiu sobre seu corpo, elevando-a das traiçoeiras águas e ali ela teve seu filho. Os pescadores que foram procurar seu corpo, ficaram surpresos ao encontrá-la sã e salva, com seu bebê em seus braços. Em memória deste milagre, que ocorreu no ano de 1011, Gildeber, então abade do mosteiro, mandou erguer um enorme cruz de madeira no lugar e por longo tempo se podia vê-la em meio a areia e ondas nas marés cheia.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Desde a fundação, vários desastres testaram a resistência da abadia. Em 922, ela foi atingida por um incêndio e em 1103, uma parte da igreja desabou. Em 1203, outro incêndio tentou destruiu o mosteiro. Em 1211, a antiga abadia foi completamente destruída por um incêndio e o rei francês Filipe II, começou a construção da famosa abadia de La Merwe (milagre) que durou 17 anos. Durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453), entre França e Inglaterra, o Monte Saint-Michel foi uma fortaleza inexpugnável, resistindo a todas as tentativas inglesas de tomá-la e constituindo-se, assim, em símbolo da identidade nacional francesa.

Após a dissolução da ordens religiosas ditadas pela Revolução Francesa de 1789 até 1863 o Monte foi utilizado como prisão. Em 1865 foi ocupado pelos religiosos de Saint-Edme de Pointigny, que deram início aos trabalhos de restauro e de reocupação monástica da abadia. Declarado monumento histórico em 1987, o lugar figura desde 1979 na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

O monte era ligado ao continente através de um istmo natural que era coberto pelas marés altas, uma das mais fortes do mundo, podendo a água subir até 14 metros e cercá-lo em poucas horas. Na maré vazante, o mar pode se afastar por cerca de 10 a 15 quilômetros, deixando expostas, perigosas áreas com areia movediça, e por isso, é proibido nadar na maré alta e andar muito longe, pela areia na maré baixa. Por toda parte, podes-se observar placas advertindo aos turistas dos perigos de morte. A velocidade da maré é impressionante, chegando a 4 km/h e em alguns lugares onde os ventos são fortes e constantes, essa velocidade aumenta para 30 km/h.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Ao longo dos séculos a planície alagável em torno foi sendo drenada para criação de pastagens, reduzindo a distância do rochedo à terra, e o rio Couesnon foi canalizado, diminuindo seu aporte de água e acelerando o assoreamento da baía. Em 1879 o istmo foi reforçado e tornou-se uma passagem seca permanente, conhecida como “La Digue”. Em 2006 o governo francês anunciou um projeto para tornar novamente o monte uma ilha com a construção de barragens que ficou pronta em 2012.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

A arquitetura prodigiosa do monte Saint-Michel e sua baía constituem o segundo ponto turístico mais frequentado da Normandia, com cerca de 3 milhões de visitantes por ano, só perdendo para Paris. No interior da cidadela, as ruas medievais são estreitas, algumas com apenas um metro de largura e exclusivas para pedestres. A Grande Rue, a principal rua, sobe íngreme até a abadia, cheia de lojas e atulhadas de turistas. Uma estátua de São Miguel foi colocada no topo da igreja a 170 metros de altura e diversos prédios e habitações do lugar são, a título individual, classificados como monumentos históricos (a igreja paroquial desde 1909, por exemplo) ou inscritos no inventário de monumentos históricos.

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Monte Saint-Michel, suas histórias e lendas

Fonte: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Salvar

Salvar

Visualização: 1406 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (3)

3 Comentários

  1. Ana Catarina Portugal

    19 de junho de 2016 às 17:33

    Seria interessante para nós dois que não fossem copiadas e coladas partes inteiras de nosso texto (isso é péssimo para SEO). Ter nosso artigo como fonte, ok, mas não para copiar “… Atravessar a imensa área encharcada para chegar até a cidadela podia ser perigoso também para os peregrinos e moradores, pois a rapidez com que as águas podiam subir pegava muitos deles desprevenidos. Não foi por menos que por muitos anos costumava-se dizer, ironicamente, que antes de ir a Saint-Michel, era necessário fazer o testamento.”

    • Magnus Mundi

      20 de junho de 2016 às 09:46

      Realmente Ana, concordo com você. Originalmente esse artigo é de maio de 2015, mas sempre estamos revendo os artigos, atualizando e colocando informações mais relevantes. Geralmente nossa fonte é o Wikipédia ou sites estrangeiros, mas no caso de vocês, encontramos seu artigo e achamos esse trecho interessante e não tínhamos encontrado nada que falasse sobre pegar peregrinos desprevenidos e testamento em sites estrangeiros, mas foi relaxamento nosso em não alterar o trecho, mas iremos fazer para não prejudicar seu SEO. Sites que simplesmente copiam, não respeitam a autoria ou até inventam coisas que não existem, por não entender direito o artigo original, geralmente estrangeiro, existem aos montes em nosso país e não queremos ser mais um.

  2. Julio Cesar Pinheiro de Carvalho

    9 de agosto de 2018 às 21:47

    Excelente artigo. Visitei o Monte Saint Michel há 20 anos e através dele pude ter várias informações que não tive à época.
    Belíssimas as fotos.

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lugares

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Lugares

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

As cataratas inundadas do Guairá

Magnus Mundi8 de outubro de 2018

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Magnus Mundi6 de outubro de 2018

Smith Mansion, a casa que matou seu dono

Magnus Mundi4 de outubro de 2018

Os moradores das copas das árvores da floresta de Hambach

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Monte Kali, a montanha branca de sal

Magnus Mundi27 de setembro de 2018
Scroll Up