Esculturas

Monumento aos motoristas de táxis argentinos

Monumento aos motoristas de táxis argentinos

Localizado na praça da Avenida dos Italianos e Macacha Guemes, no bairro de Puerto Madero, em Buenos Aires, o Monumento Al Taxista, ou Monumento ao Motorista de Taxi é uma homenagem aos milhares de homens e mulheres que prestam um importante serviço de transporte público para a cidade. A escultura foi inaugurado em novembro de 2012, e doada a cidade pela União dos Trabalhadores de Táxi. O monumento representa um motorista de táxi careca e bigodudo casualmente encostado ao lado de carro ano 1967, modelo clássico Siam Di Tella, carro de fabricação argentina, uma das escolhas mais populares para táxis na capital argentina nos anos 1960 e 70.

A escultura foi criada pelo artista Fernando Pugliese e demorou cinco meses para ser feita. A escultura parece ser feita em bronze, mas na verdade é feito de um material sintético comumente usado na indústria de construção naval. Este polímero especial foi escolhido pela sua durabilidade e resistência aos intempéries do tempo e pintado para se parecer com bronze. Já o lugar foi escolhido, por ter sido um lugar onde no passado os taxistas paravam para tomar um café e o taxista encostado ao carro, foi inspirado de Rolando Rivas, um personagem de novelas dos anos 70, interpretado por Claudio Satur.

Cerca de 40.000 táxis com tetos amarelos circulam pela capital argentina, proporcionando emprego a 70.000 motoristas. O serviço oficial de táxi em Buenos Aires existe desde 1902. Durante muito tempo, os táxis podiam ser pintados de qualquer cor e identificado apenas pela “bandeira” do relógio, que tinha a palavra “livre” nas letras brancas em um fundo vermelho. Após 1967, uma lei exigia que todos fossem pintados de preto com teto amarelo.

Monumento aos motoristas de táxis argentinos

Carro Siam Di Tella, muito popular entre os taxistas nos anos 1960/70 | Crédito da foto

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 211 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esculturas

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Esculturas

Fotos famosas recriadas em estúdio

Magnus Mundi12 de maio de 2018

Leão Oriental, a maior escultura de madeira do mundo

Magnus Mundi17 de março de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Agulhas de Cleópatra, os obeliscos do Egito Antigo

Magnus Mundi20 de agosto de 2017

O busto indestrutível de Pablo Iglesias

Magnus Mundi30 de julho de 2017

Os gigantes esquecidos de Thomas Dambo

Magnus Mundi7 de maio de 2017

Verity, a estátua polêmica da mulher grávida

Magnus Mundi30 de abril de 2017
Scroll Up