Lendas e Mitos

Necropants, a calça macabra da fortuna

Necropants, a calça macabra da fortuna

Nábrókarstafur, Nábrók, que literalmente significa Necromancia, é um símbolo islandês mágico, associado a um par de calças feitas da pele de um homem (em inglês são conhecidas como Necropants), usado para atrair dinheiro e sorte para quem as usasse. O Museum of Icelandic Sorcery & Witchcraft (Museu Islandês de Feitiçaria e Bruxaria) em Hólmavik, na Islândia, tem um par intacto dessas calças necromânticas, um item perturbador usado popularmente para fins de magia negra no Século 17.

Nábrókarstafur

Nábrókarstafur

Na idade média, a vida era muito difícil e na Islândia não era diferente e os camponeses sofriam muito para conseguir sobreviver, precisando pagar tributos caros e lidar com as adversidades naturais. Foi com o objetivo de superar tais dificuldades que foi criado um ritual de magia negra para tentar melhorar a vida.

Reza a lenda macabra que: Se uma pessoa quisesse fazer suas próprias calças necromânticas, precisaria pedir a permissão de um homem vivo para usar sua pele depois de morto. E após a pessoa morrer, aguardar alguns dias, para que o corpo apodreça para facilitar a retirada da pele, da cintura pra baixo, sem danificar a pele. Logo após esse processo, a peça precisa ser vestida fresca para se adequar a pessoa. Uma moeda deve ser roubada de uma viúva em época de festividade, como Páscoa ou Natal e colocada no saco escrotal juntamente com o símbolo mágico Nábrókarstafur, desenhado num pedaço de papel, símbolo este que serve exclusivamente para essa magia. A moeda roubada vai gerar dinheiro dentro do saco enquanto a pessoa a mantiver lá dentro. E assim o saco nunca ficaria vazio, enquanto estivesse usando a pele.

A magia traria prosperidade para quem usasse a calça macabra, mas havia uma maldição, de que a pessoa não poderia morrer vestido com as calças, pois corria o risco de seu corpo ser infestado por piolhos e de vagar por toda a eternidade pela Terra. A vestimenta podia ser passado de uma geração para a outra, mas para que ela continuasse trazendo fortuna, o novo dono precisava vestir a perna direita antes que o antigo dono retirasse a perna esquerda da calça.

2

3

4

2-1024x520-capa

5

(Museu Islandês de Feitiçaria e Bruxaria em Hólmavik, na Islândia

Museu Islandês de Feitiçaria e Bruxaria em Hólmavik, na Islândia

Fontes 1 2

Faça nosso trabalho valer a pena! O seu comentário é o que nos move.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 360 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lendas e Mitos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Lendas e Mitos

Durindana, a espada encravada no penhasco de Rocamadour

Magnus Mundi30 de junho de 2018

Castelo Houska, o portão do inferno

Magnus Mundi27 de abril de 2018

Vrontados, a cidade da guerra de foguetes

Magnus Mundi13 de abril de 2018

Yap, a ilha da moeda de pedra

Magnus Mundi19 de março de 2018

Chimi Lhakhang, o templo dedicado ao pênis

Magnus Mundi18 de março de 2018

Flor de Udumbara, a flor celestial

Magnus Mundi10 de março de 2018

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Tafofobia, o medo de ser enterrado vivo

Magnus Mundi1 de novembro de 2017

As pedras amaldiçoadas de Ko Hingham

Magnus Mundi24 de outubro de 2017
Scroll Up