Cemitérios

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

O New Haven Green no centro da cidade de New Haven, em Connecticut, EUA, é um parque de cerca de 16 hectares (160.000 metros quadrados), com um imenso gramado e um mastro de bandeira em seu centro. Ao redor do parque estão instalados o Fórum, a biblioteca pública, edifícios da Universidade de Yale, e outros prédios da administração municipal e casas comerciais, sendo que o parque sempre tem pessoas circulando o dia inteiro. Eventos como concertos de jazz, de música clássica, feiras e festivais de arte trazem centenas de milhares de pessoas a noite e nos finais de semana. Para algumas dessas pessoas que conhecem o legado mórbido do parque, isso é um tanto perturbador.

O parque foi concebido em 1638 e originalmente usado como um centro de comércio da cidade, e por isso conhecido como o ‘mercado’, e ao redor dessa área, a cidade foi crescendo virando um importante entreposto comercial para a região. Essa área no coração da próspera cidade foi usada também para os mais variados fins. Nela havia um posto elevado de observação, a prisão e a primeira escola da cidade e foi usado para as reuniões da coletividade. Ao redor do parque havia uma sucessão de casas do Estado, e foi usado como terreno de parada das tropas da milícia de New Haven, a ainda por isso, havia espaço para enterrar seus mortos.

Durante os primeiros 150 anos de existência da cidade, o parque foi usado como o principal cemitério para os moradores da comunidade. Mas quando a área começou a se tornar desorganizada devidos a dezenas de lápides, a prática de enterrar os mortos no local foi interrompido e uma novo cemitério foi concebido. O último enterro no Green, como as pessoas chamam o parque ocorreu em 1821.

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

O New Haven Green | Crédito da foto: Journal Register Co.

Logo depois, muitas das lápides do parque foram removidas e transferidas para o novo cemitério, chamado ‘Grove Street’, localizado a duas quadras do prédio adjacente ao campus da Universidade de Yale, para sua preservação. Mas os restos mortais das respectivas lápides não foram removidas. Em meados dos anos de 1800, em um esforço para recuperar a área, vários metros de terra foram espalhados no local onde haviam os túmulos, escondendo quase todas as evidências das milhares de pessoas enterradas ali, exceto por uma pequena área.

Sobre essa pequena porção de terra do antigo cemitério, a Primeira Igreja de Cristo, também conhecida como a Igreja do Centro, foi erguida em 1812-14. A fim de não perturbar os túmulos de algumas das figuras mais históricas de New Haven, a igreja foi elevada alguns metros acima do solo e um porão foi criado, onde os restos mortais e lápides poderiam permanecer em suas posições originais. Enquanto o resto do parque original estava sob metros de terra, o porão da igreja era tudo o que restava do antigo cemitério.

Um total de 137 túmulos foram identificados dentro deste pequeno espaço fechado, mas há muito mais abaixo em várias camadas, feitas no decorrer dos anos. Alguns estimam que pode haver até 1.000 pessoas enterradas sob a igreja, em quatro, cinco ou seis camadas. Em outros lugares, ao redor do parque e embaixo dos pés de centenas de pessoas que circulam por ali, cerca de 5.000 a 10.000 pessoas permanecem enterradas em túmulos não registrados.

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

A igreja sobre uma parte do antigo cemitério | Crédito da foto: Robert Fulton III / Biblioteca do Congresso

Fonte: 1

“Mesmo que voes, um dia perderá as asas. Isso mostra o quanto és frágil. Mas, enquanto voas, pode ir aonde queres. Isso mostra o quanto és livre”. – Kitsune Faherya

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 589 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: O cemitério no porão da igreja de New Haven Green – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cemitérios

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Cemitérios

Casa das Lápides, a casa inusitada da Virgínia

Magnus Mundi2 de julho de 2018

As pilhas de ossos do cemitério Colon em Havana

Magnus Mundi7 de junho de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Père-Lachaise, onde os mortos nunca descansam

Magnus Mundi14 de abril de 2018

Tafofobia, o medo de ser enterrado vivo

Magnus Mundi1 de novembro de 2017

Wadi al-Salam, o mais antigo e maior cemitério do mundo

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2017

Narcotumbas, os mausoléus faraônicos dos criminosos mexicanos

Magnus Mundi20 de dezembro de 2016

Os cemitérios coloridos da Guatemala

Magnus Mundi27 de novembro de 2016

As vilas dos mortos ao leste da Sérvia

Magnus Mundi26 de novembro de 2016
Scroll Up