Abandonados

O cenário apocalíptico de Fukushima

O cenário apocalíptico de Fukushima

O Fotógrafo polonês Arkadiusz Podniesinski visitou a região do desastre nuclear de Fukushima, no Japão em setembro de 2015 para ver com seus próprios olhos o que ele achava que nunca mais iria acontecer no planeta e comentou: “Quando visitei Chernobyl pela primeira vez, eu achava que um desastre semelhante não poderia ocorrer novamente em nenhum lugar da Terra, e certamente não no Japão. Afinal de contas, a energia nuclear é segura e a tecnologia é cada vez menos propensa a falhas e, portanto, um desastre semelhante não iria acontecer no futuro. Mas aconteceu!“. Quando ele obteve autorização para entrar na Zona de Exclusão, só lhe foi permitido chegar a 20 quilômetros da usina nuclear, mas por onde ele andou, foi confrontado com cenas semelhantes a um filme pós-apocalíptico. “Não são os terremotos ou tsunamis os culpados pelo desastre na central nuclear de Fukushima Daiichi, mas os seres humanos“, escreve Podniesinski em seu site. Ele realizou o projeto fotográfico para que pudesse tirar suas “próprias conclusões, sem ser influenciado por qualquer informação divulgado na mídia pelo governo japonês ou responsáveis ligados a usina nuclear que estão tentando jogar para baixo do tapete, os efeitos do desastre“.

Fukushima-003

Os proprietários de terras foram informados de que estes sacos contaminados serão eliminados, mas muitas pessoas não acreditam.

Após o desastre na central Fukushima, uma área de três quilômetros foi evacuada e mais tarde, ampliado para 20 quilômetros que é chamada Zona Vermelha, e nessa área cerca de 160 000 moradores foram obrigados a abandonar a área as pressas e um sistema ineficiente de monitoramento dos níveis de radiação, resultou em muitas famílias sendo divididas ou evacuadas para lugares onde a contaminação era ainda maior. Nos meses e anos que se seguiram, as leituras da radiação tornaram-se mais precisas, e os limites da zona de exclusão aumentaram.

Alterações nos limites da zona de exclusão entre os anos de 2011 e 2015

Quatro anos após o acidente de mais de 120 000 pessoas ainda não foram liberadas para voltar para suas casas, e muitos deles ainda estão vivendo em alojamento temporário construído especialmente para acomodá-las. Tal como acontece com Chernobyl, alguns moradores desafiaram a ordem de evacuar e voltaram para suas casas logo após o desastre e algumas dessas pessoas nunca mais saíram.

Nas zonas em vermelho não é permitido o acesso e nenhum tipo de limpeza ou descontaminação é realizado. Já na zona em laranja, onde radiação é menor, está sendo feito um trabalho de limpeza e descontaminação e os moradores tem autorização de visitar suas casas, mas não estão autorizados a viver nelas e nas zonas em verde, os trabalhos de descontaminação já foram concluídos e a limpeza está nos estágios finais e brevemente os moradores poderão voltar a suas casas. Na descontaminação, 20 mil trabalhadores limpam meticulosamente o solo nas terra fértil usadas para agricultura e pastagens. Essa terra é colocada em grandes sacos escuros e levadas aos milhares e empilhadas numa área fora das cidades que está se tornando parte permanente da paisagem de Fukushima. Cidades e aldeias estão sendo limpas, casa por casa e rua por rua. As paredes e telhados das casas e prédios são pulverizados e esfregados. Já a descontaminação é feita nas áreas férteis, ao redor das casas e numa faixa de 10 metros ao longo das ruas e muitas áreas como florestas e montanhas não podem ser descontaminadas e os cientistas estão preocupados que as chuvas irão trazer isótopos radioativos das montanhas e florestas e contaminar o solo novamente.

Os moradores protestam contra os locais de despejo localizados perto de suas casas e muitos não estão vendendo ou alugando suas terras para esse fim, pois eles não acreditam no governo de que em 30 anos, os sacos contendo os resíduos radioativos terão desaparecidos da área, e estão preocupados que esses resíduos ficam por lá para sempre.

Fukushima-002

Arkadiusz Podniesinski ao lado de Naoto Matsumura que voltou para a zona de exclusão, para cuidar dos animais abandonados.

Naoto Matsumura, um agricultor que retornou ilegalmente pouco tempo depois do acidente, para a área que na época ainda era de zona vermelha, disse que voltou para cuidar dos animais abandonados, e decidiu voltar depois de ver rebanhos inteiros vagando sem rumo pelas ruas vazias, morrendo de fome ou sendo abatidos sem dó, pelas autoridades.

Fukushima-004

Sacos de solo radioativos são empilhadas um em cima do outro para poupar espaço

Fukushima-005

Fukushima-005a

Foto aérea tirada por um drone mostra um dos locais de despejo que contêm milhares de sacos de solo contaminado

Fukushima-006

Casas e telhados são meticulosamente pulverizados e esfregados, uma por uma.

Escola primária situada a 300 metros do mar. Na torre e nas salas de aula, há relógios que pararam no exato momento que o tsunami passou

Escola primária situada a 300 metros do mar. Na torre e nas salas de aula, há relógios que pararam no exato momento que o tsunami passou

Fukushima-007

Restos da destruição do tsunami. Fotografia tirada da torre de observação da escola.

Fukushima-024

Veículos abandonados e pelas leis japonesas eles não podem ser removidos até que seus proprietários deem o consentimento.

Fukushima-008

Fukushima-009

Rachaduras no solo causadas pelo terremoto

Rachaduras no solo causadas pelo terremoto

Vacas começou a ficar manchas brancas em sua pele logo após o acidente. Um agricultor acredita que isso se deve a que as vacas comem a grama contaminada

Começaram a aparecer manchas brancas nas vacas logo após o acidente. Um agricultor acredita que isso se deve delas comerem a grama contaminada

Fukushima-010

Fukushima-018

Interior de uma farmácia

Fukushima-017

Loja de DVDs

Fukushima-022

Fukushima-013

Fukushima-014

Fukushima-015

Fukushima-016

Fukushima-019

Fukushima-020

Teias de aranha penduradas acima os produtos espalhados neste supermercado abandonado

Fukushima-021

Praça de alimentação de um shopping. Nos fundos a KFC

Praça de alimentação de um shopping. Nos fundos a KFC

Mc Donald

Mc Donald

Fukushima-031

Bicicletas foram deixadas para trás quando os moradores fugiram

Fukushima-032

Fukushima-034

Apesar da cidade de Namie estar deserta e abandonada, as luzes e semáforos estão funcionando

Fukushima-039

Uma escola em Futaba. Um dosímetro mostrando um nível de radiação de (2,3 uSv / h)

Fukushima-035

Rua deserta em Futaba

Fukushima-037

Pista de kart

Fukushima-033

Acampamento temporário aos moradores que foram evacuadas da zona de exclusão

Fukushima-036

O ponto de verificação em frente da estação nuclear de Fukushima II. No fundo, prédio de um dos reatores.

Fukushima-040

A usina danificada de Fukushima I

Fukushima-030

Portal em uma das principais ruas de Futaba – “A energia nuclear é a energia de um futuro brilhante”

Fukushima-038

Mensagem da placa: “A energia nuclear local garante um futuro animador”

A leitura atual nível de radiação (6,7 uSv / h)

A leitura atual nível de radiação (6,7 uSv / h)

Fukushima-042

Veículos abandonados estão lentamente sendo engolidos pela natureza em um trecho da estrada perto da usina

Fukushima-041

Fukushima-047

Saída da zona de exclusão. Placa informando os níveis de radiação

Saída da zona de exclusão. Placa informando os níveis de radiação

Agora se pode explorar a cidade de Okuma em Fukushima após o desastre pelo Google Streetview

Fonte: 1 2

Faça nosso trabalho valer a pena! O seu comentário é o que nos move.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1790 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. spartacus

    27 de dezembro de 2015 às 19:26

    Ao ver o horror que ainda acontece em Fukushima;vejo que o próximo terremoto com tissunâme,vai destruir com o Japão que é uma ilha.Construir usina nuclear na beira do mar e em cima de uma falha tectônica é um crime inafiançável.A ganância fala mais alto e quem paga por isso,é o povo pobre do Japão que não tem dinheiro para morar em outro lugar do planeta e nem Jatinho particular.Amo o povo Japonês sua cultura,história,gastronomia e sua forma de ser.As Usinas de fukushima estão afundando de 0,70 a 0,75 cm de profundidade por que o solo não esta resistindo ao peso das usinas e por ter enfraquecido com os abalos de tremores.Tantas formas de gerar energia elétrica limpa e escolheram a mais suja de todas que é a energia nuclear.Levando todo o ecossistema a morte e dos seus semelhantes.O planeta não vai resistir a tanta falta de amor a vida,vamos pagar pela causa e efeito e lhe pergunto;vamos sobreviver a este holocausto global??? Que YAOHUH nos proteja amém…

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Abandonados

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Magnus Mundi21 de setembro de 2018

Kola Superdeep, um dos buracos mais profundo do mundo

Magnus Mundi19 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Ämari Air Force Cemetery, o cemitério de pilotos da Estônia

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018
Scroll Up