Desastres

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Em dezembro de 1879, uma violenta tempestade assolou a Escócia, derrubando a seção central da ponte de ferro que atravessa o estuário Firth of Tay, arrastando com consigo um trem e matando todos a bordo. Este continua sendo o pior desastre ferroviário da história da Grã-Bretanha. Esta tragédia é lembrada em grande parte devido ao trabalho de um poeta escocês que alcançou muita fama ao longo do último século como o “pior poeta” da história. A poesia de William “Topaz” McGonagall era tão ruim que ele era atacado com ovos e peixes podres e as autoridades proibiram suas apresentações em público. Sua obra mais famosa, intitulada “The Tay Bridge Disaster“, foi considerada o pior exemplo de poesia da literatura inglesa.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Ilustração do desastre da ponte de Tay

O desastre

Firth of Tay é uma longa e estreita enseada costeira na costa leste da Escócia. Uma ponte ferroviária foi construída sobre este estuário do rio Tay entre 1871 e 1878 para reduzir o tempo de viagem entre as cidade de Dundee e Wormit. A ponte de Tay tinha quase dois quilômetros de comprimento, e na época era a ponte mais longa do mundo. Foi projetada por um engenheiro ferroviário chamado Thomas Bouch, que já havia construído muitas linhas, pontes e viadutos ferroviários através das ilhas britânicas, mas acabou ficando mais conhecido pelo seu papel desastroso no projeto e construção da Ponte Tay.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Na noite de 28 de dezembro de 1879, uma violenta tempestade com ventos soprando a 110-130 quilômetros por hora atingiu a ponte em ângulos retos. Infelizmente, a ponte foi projetada sem levar em conta a carga de vento adequada, como resultado do qual a seção central entrou em colapso, levando consigo um trem que estava viajando de Wormit para Dundee. Todas as setenta pessoas a bordo morreram nas águas frias do rio Tay, incluindo o genro de Thomas Bouch. Apenas quarenta e seis corpos foram recuperados.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

O incidente causou uma comoção geral na população da Grã-Bretanha e uma desconfiança geral na engenharia vitoriana utilizada na época. A ponte, que havia sido aclamada como uma obra-prima de engenharia em sua inauguração no ano anterior, revelou-se severamente falha. O inquérito oficial descobriu que a superestrutura de ferro era de qualidade inferior e fora mal conservada. Mais condenável de tudo, pouco ou nenhum relato foi feito da pressão do vento no projeto da ponte. O inquérito posterior colocou a culpa no engenheiro Thomas Bouch, que negou veementemente a acusação.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

A ponte de Tay após o desmoronamento. Crédito da foto: National Library of Scotland

O engenheiro em sua defesa alegou que os fortes ventos daquela noite causaram o descarrilhamento dos últimos vagões que ao caírem, atingiram as vigas, fazendo a ponte desmoronar. Foi rejeitado pelo inquérito oficial que sustentava que essa hipótese não poderia explicar como uma ponte poderia ser tão fraca a ponto de entrar em colapso devido a um único descarrilamento. Além disso, essa hipótese não foi capaz de fornecer uma explicação por que a ponte desmoronou ao longo de quase meio quilômetro. Com sua reputação arruinada, a culpa e a vergonha fizeram a saúde de Thomas Bouch piorar e ele acabou falecendo em 30 de outubro de 1880, alguns dez meses após o término da inquérito público sobre o desastre.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Crédito da foto: National Library of Scotland

O único sobrevivente do desastre foi a própria locomotiva N224 que após alguns anos, foi resgatada do fundo do rio, embora tenha demorado três tentativas para conseguirem traze-la a superfície. Sarcasticamente apelidado de “O Mergulhador” pela equipe ferroviária, continuou a trabalhar para a North British Railway até 1908. Os pilares de alvenaria que antes sustentavam as colunas de ferro da ponte permanecem de pé no rio até hoje, um triste lembrete daquela terrível noite de dezembro de 1879. Uma nova ponte foi projetada por William Barlow e inaugurada em junho de 1887. Quatorze pessoas perderam a vida durante a sua construção, a maioria se afogando ao cair da obra.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Crédito da foto: National Library of Scotland

O poema The Tay Bridge Disaster

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

William McGonagall

William “Topaz” McGonagall  nascido em 1825, sempre trabalhou como um fiandeiro até que, aos 52 anos de idade, ele descobriu que era um poeta ao sentir “uma chama que ardia dentro de seu corpo inteiro, junto com uma vontade de escrever poesia”. Ciente de que precisaria de um mecenas, McGonagall escreveu uma carta à sua majestade Rainha Victória. Um secretário da monarca respondeu-lhe que “não, obrigado” e, desde então, ele passou a afirmar que a rainha da Inglaterra o havia agradecido por ele ter lhe mandado amostras de sua poesia.

Ele ganhou notoriedade como um poeta de baixa qualidade que não mostrava qualquer preocupação pela opinião negativa do seu trabalho por parte dos seus pares. Escreveu cerca de 200 poemas, incluindo o infame “The Tay Bridge Disaster“, que são encarados como os piores poemas da literatura Inglesa.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Vigas caídas da primeira ponte de Tay, aparentemente destruídas na costa, à espera de ser desmontada para sucata. Crédito da foto: National Library of Scotland

Antes de McGonagall ser poeta, ele demonstrou entusiasmo na arte performática. Ele apareceu no palco muitas vezes interpretando vários papéis das peças de Shakespeare, mesmo que isso significasse pagar pelo privilégio. Sua primeira aparição pública, em que interpretou o papel-título em Macbeth, foi quase um desastre, devido ao fato que o personagem de McGonagall deveria morrer na peça, mas ele acreditava que um segundo ator estava tentava ofuscar seu papel e se recusou a morrer no palco.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Um rebite de ferro partido da ponte Tay original. Crédito da foto

Certo de que ele era um sucesso literário, o poeta escocês foi a Londres e a Nova Iorque para tentar uma carreira, mas voltou de mãos vazias. Por fim, ele tentou vender panfletos e coleções de seus versos, mas, sem sucesso, para poder continuar a recitar os versos que ele tanto amava, McGonagall aceitou tornar-se uma atração de circo de uma cidade pequena: enquanto recitava seus versos, os pagantes tinham o direito de arremessar ovos, sardinhas, farinha, batatas e pão mofado nele. O alvoroço causado pela sua aparição no circo logo levou à proibição do espetáculo e, apesar de episódios esporádicos de sucesso, em 1902, William McGonagall morreu sem dinheiro e reconhecimento, enterrado numa cova comunal. De qualquer maneira, além de terem feito um filme sobre sua vida, sua obra ainda é publicada e lida hoje em dia.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Locomotiva N224 retirada do fundo do rio

Abaixo uma parte do poema “O desastre da Ponte Tay”

Bela ponte de linha férrea do prateado [rio] Tay
Ai de mim! Sinto tanto em dizer
Que noventa vidas foram tiradas
No último dia de sábado de 1879
Que será lembrado por um tempo muito longo.

Eram cerca de sete horas da noite,
E o vento soprava com toda a força,
E a chuva caía,
E as nuvens escuras pareciam carrancas,
E o Demônio do ar parecia dizer-
“Eu vou derrubar a ponte de Tay.”

(…)

Oh desditada ponte sobre o prateado [rio] Tay
Eu devo agora concluir meu canto
Dizendo, sem medo e sem desânimo, ao mundo
Que seus pilares centrais não teriam cedido,
Pelo menos é o que muitos homens sensatos dizem,
Se eles tivessem sido ancorados por pilares de suporte,
Pelo menos muitos homens sensatos confessam,
Pois, quão mais fortes nos construímos nossas casas,
Menores são as chances de sermos mortos.

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

A atual ponte de Tay, mostrando troncos dos pilares da ponte original que batem acima do Tay. Crédito da foto

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Nesta foto se pode observar os antigos pilares da ponte original

O desastre da ponte de Tay e o pior poema do mundo

Memorial as vítimas do desastre do dia 28 de dezembro de 1879

Para saber mais: www.tayvridgedisaster.co.uk

Fontes: 1 2 3

Visualização: 72 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desastres

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Desastres

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Magnus Mundi21 de setembro de 2018

Crash at Crush, a loucura das colisões de trens nos Estados Unidos

Magnus Mundi2 de setembro de 2018

A morte negra e os doutores da peste

Magnus Mundi14 de junho de 2018

Caverna do Massacre, a gruta do massacre do povo de Eigg

Magnus Mundi30 de abril de 2018

Dust Bowl, as tempestades negras de poeira

Magnus Mundi27 de setembro de 2017

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017

Berezniki, a Atlantis russa

Magnus Mundi11 de outubro de 2016

O deslizamento que tremeu a Terra em Utah

Magnus Mundi15 de julho de 2016

O acúmulo de carros danificados pelo furação Sandy

Magnus Mundi13 de maio de 2016

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up