Nossos ancestrais deixaram muitos vestígios materiais, espalhados pelo planeta, mas muitos deles não se consegue entendem seus objetivos. Por mais que os pesquisadores tenham estudados, alguns desses vestígios permanecem um mistério sem solução.

Geoglifos são imensas imagens esculpidas na superfície da Terra. Provavelmente, o mais famoso dos geoglifos são as misteriosas Linhas do Deserto de Nazca (Linhas de Nazca). No entanto, a apenas duzentos quilômetros do planalto de Nazca, há um exemplar mais estranho ainda.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

O Candelabro de Paracas é um enorme tridente, esculpido na superfície de um penhasco costeiro na Baía de Pisco, com cerca de 128 metros de comprimento por 74 metros de largura e aproximadamente 60 centímetros de profundidade. Também é conhecido como “Candelabro dos Andes” devido à sua semelhança com um castiçal de três braços.

Apesar de sua proximidade com as Linhas de Nazca, este geoglifo provavelmente não foi criado pelo povo de Nazca. Uma antiga oficina de cerâmica descoberta nas proximidades, que remonta a cerca de 200 a.C., indica que a autoria é da cultura Paracas.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

A forma geral do geoglifo é a de um tridente – possivelmente representando o pára-raio do deus Viracocha, uma divindade para alguns povos da América do Sul – o traço central se divide em ramos menores, parecendo também um cacto, planta comum em desertos.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

Frank Joseph, um autor obcecado por teorias alternativas, encontrou semelhanças com uma planta alucinógena chamada jimson (Datura stramomium) no Candelabro de Paracas. Sua teoria é que os habitantes pré-históricos da região de Paracas viajaram para o norte, para a Califórnia, para coletar a planta, e o geoglifo foi usado para ajudar a navegar de volta para casa. 

A ideia de que o geoglifo foi usado como um auxílio à navegação é antiga. Moradores acreditam que foi usado por marinheiros para identificar a península, já que o geoglifo pode ser visto a cerca de 20 quilômetros de distância.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

Mas também muitos estudiosos atribuem o geoglifo a José de San Martin, um líder do século 19, na luta pela independência do Peru. Há uma teoria de o geoglifo que seja um símbolo maçônico e representa a árvore mundial mesoamericana.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

O deserto de Nazca, é uma enorme extensão de terra, no sul do Peru, que se estende por mais de 80 quilômetros entre as cidades de Nazca e Palpa nos Pampas de Jumana, cerca de 400 quilômetros ao sul de Lima, a capital do país.

Por todo deserto pontilham vários geoglifos enormes, esculpidos na superfície da Terra. Os cientistas não conseguem chegar a um consenso sobre o significado das imagens de dimensões colossais, quem as fez e por quê.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

Embora alguns geoglifos locais lembrem a cultura de Paracas, estudiosos acreditam que as Linhas de Nazca foram criadas pela civilização de Nazca entre 400 e 650 d.C. As centenas de figuras individuais variam em complexidade a partir de simples linhas até beija-flores, aranhas, macacos, peixes, tubarões ou orcas, lhamas, lagartos e urso.

As linhas são desenhos rasos feitos no chão, removendo as pedras avermelhadas onipresentes na região e descobrindo o chão esbranquiçado por baixo. Centenas são simples linhas ou formas geométricas, com mais de setenta desenhos de animais, aves, peixes ou figuras humanas. Os maiores têm mais de 200 metros de diâmetro.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

Segundo o astrônomo inglês D. Hawkins, que estudou os desenhos no deserto de Nazca, os antigos índios deveriam ter gasto cerca de 100 mil homens-ano na confecção dos enormes geoglifos. Outra coisa interessante, é que um trabalho gigantesco desses, com enormes desenhos na superfície do planeta, não são mencionadas nas lendas indígenas. As crônicas espanholas, povo que conquistou a região em 1532, também não menciona os geoglifos.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

O Candelabro de Paracas é certamente um enigma. Junto com as linhas de Nazca mostra o quão pouco entendemos atualmente sobre esses sites e as culturas pré-colombianas em geral. O geoglifo foi declaro patrimônio cultural pelo Ministério da Cultura do governo peruano em 2017, por ser uma “expressão de arte num determinado espaço cultural natural de valor histórico”.

O geoglifo Candelabro de Paracas no Peru

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Leia também:

Os misteriosos círculos de fadas da Namíbia

Visualização: 61 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Sobre o Autor

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Você pode gostar de ver isso

Faça um comentário

Seu email não será publicado