Inusitados

Abraham Lake, o incrível lago inflamável

Abraham Lake, o incrível lago inflamável

O lago Abraham é um lago artificial no rio North Saskatchewan, no oeste de Alberta, no Canadá, e apesar de suas águas serenas, deve ser abordado com cautela – em particular se estiver segurando um fósforo aceso! Os incríveis padrões brancos visíveis no interior do gelo são, na realidade, bolhas de metano, um gás altamente inflamável. À medida que o gelo derrete na primavera, as bolhas conseguem chegar à superfície, onde arrebentam, permitindo que o metano escape. O lago ao pé das Montanhas Rochosas cobre uma área de 53,7 quilômetros, com um comprimento de 32 quilômetros. Visitantes corajosos confirmam a presença deste gás abrindo buracos no gelo e segurando um isqueiro aceso sobre a superfície, criando chamas enormes que se elevaram na atmosfera.

ABRAHAM-LAKE-003

O metano é produzido por bactérias que se alimentam de matéria orgânica, como folhas e animais mortos que caem no lago. E como o leito deste lago artificial estava coberto por árvores, erva e outras plantas antes de ser inundado, em 1972, com a construção da represa Bighorn, o lago Abraham contém muito mais matéria orgânica do que qualquer lago natural. As bactérias têm assim uma maior fonte de alimento, o que as leva a produzirem uma maior quantidade de metano. Todavia, apesar de o lago ser ótimo para se criar espetáculos de fogos, não é bom para as alterações climáticas.

O metano é um gás com efeito de estufa 25 vezes mais potente que o dióxido de carbono, retendo calor na atmosfera terrestre e contribuindo para o aquecimento global. E o círculo é vicioso. À medida que temperaturas mais quentes provocam o degelo e o colapso das margens congeladas do lago, mais árvores caem para dentro de água – com o aumento da matéria orgânica maior é a produção do metano. O metano libertado pelo lago Abraham só por si não teria um grande efeito, mas existem milhares de outros corpos de água no Ártico que também o produzem. Os cientistas estimam que uma quantidade de metano mais de dez vezes superior à existente na atualidade na atmosfera terrestre sairá destes lagos em um futuro próximo.

Na época da construção da represa, o governo de Alberta patrocinou um concurso para dar nome ao recém criado lago. Estudantes de toda a província de Saskatchewan foram convidados a enviarem sugestões de nomes para o lago, que tivessem um significado histórico, da geografia do lugar ou nomes de pessoas proeminentes e assim, o lago recebeu o nome de Silas Abraham, um conhecido habitante da região no século 19.

ABRAHAM-LAKE-002

ABRAHAM-LAKE-009a

Artigo publicado originalmente em 25/11/2015

Fonte: 1 2

Faça nosso trabalho valer a pena! O seu comentário é o que nos move.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 558 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Abraham Lake, o incrível lago inflamável – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inusitados

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

A solitária capela dentro do vulcão de Santa Margarida

Magnus Mundi9 de junho de 2018

As pilhas de ossos do cemitério Colon em Havana

Magnus Mundi7 de junho de 2018

Baldwin Street, considerada a rua mais inclinada do mundo

Magnus Mundi1 de junho de 2018

Ko Panyi, aldeia flutuante da Tailândia

Magnus Mundi26 de maio de 2018

Makhunik, a antiga aldeia dos anões

Magnus Mundi18 de maio de 2018

Santa Cruz del Islote, a ilha que mora gente demais

Magnus Mundi20 de abril de 2018